Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

“Última vila armênia” da Turquia mostra herança que sobreviveu ao genocídio

“Última vila armênia” da Turquia mostra herança que sobreviveu ao genocídio
julho 14
15:44 2020

Vakifli, uma vila em Hatay, a pequena fatia da Turquia imprensada entre o Mediterrâneo e a fronteira com a Síria, tem a melancólica honra de ser conhecida como a “última vila armênia” do país.

Atualmente, abriga apenas 100 pessoas, mas os laranjais de Vakifli e as tradicionais casas de pedra são ricas em história. Todo verão, milhares de visitantes em busca de uma conexão com seu passado armênio descem à pequena vila para visitar sua igreja, comprar geléias e sabonetes feitos localmente e ouvir o dialeto armênio ocidental.

Lora Baytar, jornalista e historiadora de arte, decidiu há muito tempo que queria criar um espaço de exposição dedicado para celebrar a cultura armênia local. Após cinco anos de trabalho, o Museu Vakifliköy – o primeiro empreendimento desse tipo na Turquia – acaba de abrir suas portas.

“Os visitantes de Vakifli apenas vêm para passar o dia, tiram uma foto da igreja e vão embora novamente”, disse ela. “Queria dar às pessoas a oportunidade de realmente entender e preservar nossa herança.”

O acerto de contas da Turquia com o passado está muito atrasado: o governo ainda se recusa a reconhecer como genocídio os eventos de 1915, nos quais até 1,5 milhão de armênios foram mortos.

A comunidade de Vakifli é descendente de armênios que resistiram com sucesso aos ataques do exército otomano. Os 4.200 residentes da área se retiraram para o Monte Musa, perto dali, aguardando 53 dias antes de serem resgatados e evacuados por navios de guerra aliados para Port Said, no Egito. Quando a primeira guerra mundial terminou, eles voltaram para casa.

Baytar e seu marido, Cem Çapar, fazem parte da fundação da igreja de Vakifli, que mantém os prédios da vila, mas o casal percebeu que precisaria de ajuda externa e de um orçamento muito maior para o museu.

Um primeiro pedido de financiamento em 2015, feito com a ajuda da Fundação Hrant Dink, não deu em nada, mas uma segunda tentativa em 2018, com o apoio do Museu de Arqueologia de Hatay, vizinho dali, e do Patriarcado Armênio em Istambul, ganhou com êxito um subsídio governamental .

Os moradores de Vakifli gravaram entrevistas sobre histórias orais e doaram objetos, incluindo roupas, rendinhas tradicionais, joias e fotografias para criar o que Baytar chama de experiência “baseada em histórias” para visitantes do espaço no centro cultural existente.

As seções se concentram em tradições religiosas, celebrações culturais como a harissa, o festival da uva de verão, o impacto da migração na comunidade armênia e práticas arquitetônicas e agrícolas locais únicas.

Baytar gosta particularmente de uma caixa de doações da agora destruída igreja armênia de Mersin, e de um vestido de casamento e um livro de canções da década de 1920, pertencentes a figuras locais.

A crise do Covid-19 atrasou a abertura oficial até o final do ano, ou possivelmente até o próximo verão, mas Baytar e Çapar estão ansiosos para receber os visitantes antes disso.

“O Museu Vakifliköy mostra ao visitante como os moradores falam, nossas crenças, como comemoramos feriados, o que comemos, como obtemos sucesso na agricultura e arquitetura, tradições de casamento, música, fotos, histórias humanas e de migração”, disse Baytar.

“Quando as pessoas vierem agora, não sairão com apenas uma fotografia. As memórias deles serão preenchidas da mesma forma que as nossas.

Fonte: https://www.theguardian.com/world/2020/jul/11/turkeys-last-armenian-village-displays-heritage-that-survived-genocide#_=_

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer