Últimas notícias

Museu ou mesquita? Batalha por Santa Sofia vai a tribunal

Museu ou mesquita? Batalha por Santa Sofia vai a tribunal
julho 06
21:58 2020

A Santa Sofia em Istambul permaneceu em pé, enquanto os impérios vieram ao poder e caíram ao seu redor, quando governantes e estadistas iam e vinham e as fés floresciam e depois desapareciam.

Agora, a antiga catedral de mais de 1.500 anos, que depois virou mesquita, está no centro de uma luta moderna entre as raízes seculares da Turquia atual e as aspirações islamistas de seu presidente. A batalha sobre quem, se é que alguém possa, orar no patrimônio mundial da UNESCO, reflete uma batalha maior em uma sociedade dividida entre secularismo e conservadorismo religioso.

Na quinta-feira, o Conselho de Estado da Turquia ouviu argumentos de advogados da Associação para a Proteção de Monumentos Históricos e do Meio Ambiente, um grupo que solicita que a Santa Sofia seja revertida de um museu para uma mesquita.

A associação está pressionando por uma anulação da decisão de 1935 que transformou a estrutura icônica em um museu, onde não seriam realizados cultos religiosos ou orações em grupo. Uma decisão é esperada dentro de duas semanas.

Se o tribunal decidir a favor da ONG, será a última de uma longa série de reviravoltas para a Santa Sofia, que há muito domina o horizonte de Istambul, um símbolo do status da cidade como uma ponte entre o Oriente e o Ocidente, e os mundos muçulmano e cristão.

Construída como igreja, depois de concluída em 537, a Santa Sofia foi imediatamente central ao cristianismo primitivo e sua vasta cúpula da catedral foi aclamada como uma maravilha. Em 1453, quando os otomanos conquistaram a cidade anteriormente conhecida como Constantinopla, tornou-se uma mesquita. Depois de cerca de 500 anos ela foi convertida em museu logo após a fundação da Turquia moderna e secular.

Hoje, é uma das atrações mais populares do país, com milhões de visitantes todos os anos.

Mas o presidente islamista radical da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, está de olho no local. Em um discurso de campanha antes das eleições locais no ano passado, ele disse que foi um “grandíssimo erro” transformá-la em um museu.

Ziya Meral, um membro da comunidade cristã da Turquia que se acredita ter cerca de 100.000 membros, diz que transformá-la em uma mesquita e permitir que apenas muçulmanos rezem nela lhe pareceria uma ação exclusivista.

Para Meral, é a mistura do edifício de suas raízes cristãs e escrituras árabes que detém um significado extraordinário para todos os turcos.

“Sempre que entrei na Santa Sofia, sempre senti que estava entrando na história ou em uma herança nesta terra com a qual me relacionava”, disse Meral, que é membro associado sênior do Royal United Services Institute, com sede em Londres, durante um entrevista por telefone. “Mas também estou entrando em uma síntese da cultura que carrego dentro do meu corpo, nos meus hábitos de vida, na minha visão de mundo, que de alguma forma esse espaço sagrado reúne tudo”.

A mistura de religiões e sociedades de Santa Sofia é o que a tornou tão simbólica para a Turquia, um país que lutou por ser predominantemente muçulmano, mas foi fundado no início do século 20 com crenças seculares no sentido de se separar religião e estado.

A medida chamou a atenção de muitos no exterior, inclusive nos Estados Unidos.

“Instamos o governo da Turquia a continuar mantendo a Santa Sofia como um museu, como exemplo de seu compromisso em respeitar as diversas tradições e histórias religiosas da Turquia e garantir que ela permaneça acessível a todos”, disse recentemente o secretário de Estado Mike Pompeo. .

Apesar da pressão de aliados de longa data como os EUA, Erdogan e seu Partido da Justiça e Desenvolvimento, ou AKP, têm insistentemente empurrado o equilíbrio cada vez mais a favor da religião na Turquia.

Ele trabalhou para tornar as mesquitas ainda mais parte da vida pública do que a história turca já forneceu.

Uma das mais controversas ainda está em construção na praça central da cidade, que serviu como centro de protestos antigovernamentais em 2013.

Erdogan, e a associação turca no processo judicial, certamente têm apoiadores.

Onur Erim, um turco muçulmano que chefia uma empresa de consultoria em Istambul, é a favor de trazer as orações muçulmanas de volta à Santa Sofia e disse que ele próprio iria orar lá.

Ele Acreditava que, apesar de o prédio ser um museu, ainda é uma mesquita – apenas uma que não mantém orações muçulmanas.

Como tal, ele não achava que seria necessário fazer muito se uma decisão judicial permitisse o retorno das orações muçulmanas, mas alguns analistas sugeriram que as cortinas poderiam ser usadas para cobrir mosaicos cristãos bizantinos preciosos e outras obras de arte.

Ele disse, por telefone, que, segundo ele, o Alcorão não permite que um edifício sirva tanto como igreja quanto mesquita.

“Quando você conquista um lugar … é isso, você tem todos os direitos”, disse Erim, que trabalhou para o ex-prefeito do partido AKP da capital Ancara.

“Para mim, abrir a mesquita Santa Sofia é um grande problema. Vai além do AKP, vai além de Erdogan, vai além de qualquer partido na Turquia ou de qualquer tipo de ponto de vista político. ”

Em resposta, Meral disse que Istambul havia sido conquistada e “não há nada para os turcos provarem sobre a força de seu país, a força de sua defesa, suas forças armadas e sua posição na região”.

No entanto, pode haver mais do que devoção religiosa por trás da mudança para convertê-la em mesquita, diz Berk Esen, professor assistente de relações internacionais da Universidade de Bilkent, na capital Ancara.

Por um lado, o debate desvia a atenção de preocupações mais prementes para muitos turcos, como o aumento do desemprego em meio a uma pandemia em um país com um dos maiores surtos da região.

Ir contra a vontade de líderes ocidentais, como Pompeo, e promover uma questão cultural que divide tanto as pessoas também poderia permitir que Erdogan desenvolvesse sua imagem populista e conservadora, mas isso não lhe renderia muitos eleitores, argumentou Esen.

Erdogan está “cada vez mais aparecendo como um líder que está desconectado dos tempos contemporâneos, das questões contemporâneas”, disse Esen durante uma entrevista por telefone.

Para Meral, a mera politização de Santa Sofia é o que ele disse que o entristece.

“Ela captura uma história única, por que colocar isso na política?” ele disse. “Isso realmente serve a alguma coisa?”

Fonte: Battle over whether Turkey’s Santa Sofia should be a mosque or museum goes to court

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer