Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

‘Eu não sou livre para dizer o que quiser’, diz escritor Orhan Pamuk

‘Eu não sou livre para dizer o que quiser’, diz escritor Orhan Pamuk
março 31
10:25 2017

Em seu novo livro a sair no Brasil, “Uma Sensação Estranha”, o escritor turco Orhan Pamuk faz uma declaração de amor à sua cidade, Istambul, registra suas transformações – e sorri quando se lembra do tempo em que comprava iogurte na rua.

Mas, de sua janela, ele também vê tempos sombrios. Desde o golpe militar frustrado na Turquia, em julho de 2016, o autor diz que seu país caminha para se tornar uma autocracia.

“Estamos virando um Estado autoritário. Vou votar não nesse plebiscito. Se o sim ganhar, não seremos mais uma democracia. Já não somos uma democracia completa, apenas temos um sistema eleitoral”, diz ele. Pamuk se refere ao referendo constitucional previsto para o dia 16 de abril – que propõe a substituição do sistema parlamentarista pelo presidencialismo, na prática concentrando poderes no presidente Recep Tayyip Erdogan.

Desde que a tensão cresceu na Turquia, Pamuk conta que viu muitos amigos escritores e jornalistas serem presos. E se queixa de hoje não existir mais nenhum jornal de oposição ao governo no país.

“O governo usou o golpe militar para acabar com a liberdade. A crítica na imprensa não é mais possível”, diz.

Questionado se, por conta de sua reputação internacional desde que venceu o Nobel de literatura, em 2006, ele seria o único escritor livre para dizer o que bem entender, Pamuk rebate:

“Há uma imensa atmosfera de medo. Não sou livre para dizer o que quiser. No começo do ano, dei uma longa entrevista a um grande jornal, em que dizia que votaria pelo não no referendo. O jornal não pôde publicá-la”, conta.

Não é a primeira vez que Pamuk tem problemas assim. Em 2005, ele chegou a ir a julgamento por insultar a “identidade turca” ao mencionar em uma entrevista o genocídio dos armênios, pelo Império Otomano, durante a Primeira Guerra. O autor passou a andar com seguranças, após ser ameaçado

Mas há quem diga que, por vias tortuosas, a censura é um reconhecimento do poder da cultura humanista. O que o escritor pensa?

“É uma tentativa de consolo que tenho ouvido há décadas vinda dos europeus. Eu andava com seguranças e eles diziam: ‘Nossa, você é tão importante! Na Suíça ninguém nos persegue!'”, ironiza.

“Não me sinto consolado. Só quero escrever em um país livre, onde não sinta medo de ir para o tribunal. Quando eles nos atacam, vemos nosso poder. Mas é o tipo de poder que eu quero.”

A cultura humanista pode fazer algo contra o radicalismo político e religioso?”Posso ter visões de grandes livros que eu queira escrever, mas antes de tudo sou modesto. Quando o fascismo é muito grande, como o que vem por aí, não há nada que a cultura possa fazer –no máximo ela vai nos consolar, nos ajudar a pensar no futuro”, afirma.

No romance que sai agora no país, Pamuk gira ao redor de Mevlut, um vendedor de comida de rua.

Pela história dele e dos personagens a seu redor, Pamuk olha as mudanças da Istambul a partir dos anos 1960.

O escritor conta que trabalhou com o conceito de micro-história –pelo qual historiadores, como o italiano Carlo Ginzburg, que Pamuk admira, usam casos de pequenos grupos e indivíduos para estudar um período de tempo.

“É um épico da micro-história da cidade. O iogurte [vendido na rua] não é só o iogurte, mas um documento das transformações”, diz Pamuk.

Apesar de Mevlut errar pela cidade à noite, o escritor não gosta de associá-lo ao conceito de flanêur, aquele caminha que vaga pela cidade.

“Isso é coisa de Baudelaire e Walter Benjamin. Nem todo mundo que caminha é flanêur. Flanêur é um cara rico que gosta da complexidade. Mevlut não é isso, ele já é interessante por si só”, diz Pamuk, rindo da provocação.

Com informações da Folhapress.

Fonte: www.noticiasaominuto.com.br

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer