Últimas notícias
  • Elogiar o movimento Hizmet antes da tentativa de golpe de 2016 não é crime, diz o TEDH O Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) penalizou na Turquia por violar o direito à liberdade de expressão de um ex-professor, afirmando que os comentários públicos a favor do movimento Hizmet feitos antes de uma tentativa de golpe em julho de 2016 não constituem um crime, informou a mídia local na terça-feira....
  • Perguntas de coletiva de imprensa para Erdoğan vazadas com antecedência por jornal O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan recebeu uma lista de perguntas em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, que foram exatamente as mesmas perguntas vazadas anteriormente por um jornal, reforçando as alegações de que os jornalistas não são livres para perguntar ao presidente o que quiserem....
  • Conselho da Europa deve disciplinar a Turquia sobre ativista preso O Conselho da Europa disse na sexta-feira que vai lançar uma ação disciplinar contra a Turquia por se recusar a libertar o proeminente ativista e filantropo Osman Kavala, desencadeando um procedimento usado apenas uma vez na história da organização....
  • Por que a queda da moeda turca não preocupa Erdogan A moeda nacional da Turquia caiu 45% em relação ao dólar este ano e, no entanto, o Presidente Recep Tayyip Erdogan não parece ter se incomodado com isso....
  • CoE insta “fortemente” as autoridades turcas a liberar Demirtaş O Comitê de Ministros do Conselho da Europa adotou na quinta-feira uma resolução provisória "instando fortemente" as autoridades turcas a assegurar a libertação imediata do líder curdo preso Selahattin Demirtaş....
  • A crise monetária da Turquia Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses....
  • Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom....
  • Papa pede por cura em um Chipre dividido, arcebispo ortodoxo ataca a Turquia Papa encontra os líderes cristãos ortodoxos de Chipre. Pede por cura na ilha dividida. Líder cipriota turco convida papa a visitar o norte. Muitos dos participantes da missa são filipinos que trabalham no Chipre...
  • Ministro das finanças da Turquia, Lutfi Elvan, demite-se em meio à crise monetária O Ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, Lutfi Elvan, renunciou em meio a uma forte queda da lira turca, de acordo com um decreto presidencial emitido no jornal oficial turco na quinta-feira....
  • Documentário sobre femicídios na Turquia é a indicação ao Oscar do Reino Unido Um documentário relatando os esforços dos ativistas que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres na Turquia foi escolhido como a entrada oficial do Reino Unido para a categoria de Melhor Longa Metragem Internacional no Oscar....

Perigo de terrorismo nas Olimpíadas Rio 2016

Perigo de terrorismo nas Olimpíadas Rio 2016
abril 01
11:02 2016
Perigo de terrorismo nas Olimpíadas Rio 2016

O Brasil não estará livre de atentados terroristas, inclusive durante os Jogos Olímpicos que serão realizados em agosto deste ano, no Rio de Janeiro (Rio 2016), segundo especialistas e estudiosos do assunto, pois não pode se isolar diante de um fenômeno mundial e deve enfrentar esse fato, contando com a “lucidez e o profissionalismo da Polícia Federal”, na opinião do professor da PUC de São Paulo, Fernando Altemeyer Jr.

O tema foi discutido durante a conferência Religiões, Intelectuais e Mídia: Posições diante do Terrorismo, realizada ontem (8) e hoje (9), em São Paulo, pelo Centro Cultural Brasil-Turquia (CCBT) e pela Faculdade Cásper Líbero. Para o professor de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo (USP) Peter Demant, especializado em Oriente Médio, embora o Brasil não seja afetado diretamente por atos terroristas, podem ocorrer ataques no país, inclusive nos Jogos Olímpicos.

“Em primeiro lugar, o Brasil não pode se isolar do resto do mundo. É uma coisa boa que o país tenha sido poupado de ataques terroristas, mas a questão do terrorismo é mundial e nada garante que, no futuro, o Brasil se mantenha afastado deste problema. Uma coisa boa é que aqui não temos grandes tensões entre religiões e etnias. Mas, hoje, se importam problemas”, disse Demant.

Perigo de terrorismo nas Olimpíadas Rio 2016
Religiosos e intelectuais alertam para a possibilidade de o Brasil enfrentar atentados durante os Jogos Olímpicos Vladimir Platonow/Agência Brasil

O professor chamou a atenção para o fato de que os Jogos Olímpicos serão uma vitrine para o mundo, o que poderá atrair terroristas que desejem chamar a atenção internacional para suas propostas: “O terrorismo é uma forma de comunicação obviamente ilegítima e terrível, mas os próprios terroristas consideram de outra maneira. Eles acham importante fazer algo que capte a atenção da mídia e, através disso, a atenção da sociedade. Qualquer lugar onde muitas pessoas de muitas nacionalidades se encontram, hoje, inclui riscos de segurança. Com certeza, as Olimpíadas também fazem parte disso”, disse o professor da USP.

O risco nos Jogos também é motivo de preocupação para o jornalista Lourival Santana, especializado em guerras e conflitos armados e que já cobriu momentos críticos em mais de 60 países. Segundo ele, havia a necessidade de o país ter uma Lei Antiterrorismo, conforme foi aprovado recentemente pelo Congresso.

“Em muitos dos países que eu cobri havia antes esta inocência, esta tranquilidade, de não ter o terrorismo, mas de uma hora para outra surgiram atos terroristas e as pessoas não estavam preparadas, por pensarem que isso aconteceria naquele país. Felizmente, estamos aqui no Brasil, até o presente, livres desses atos, mas precisamos estar preparados, principalmente quando temos grandes eventos, como é o caso dos Jogos Olímpicos, daqui a poucos meses”, advertiu Lourival Santana.

Perigo de terrorismo nas Olimpíadas Rio 2016
Os conferencistas entendem que a questão terrorista é mundial, afeta todos os países e formas, e não se pode descartar a possibilidade na Rio 2016  Vladimir Platonow/Agência Brasil

Segundo o jornalista, muitas das pessoas cooptadas pelos grupos terroristas são jovens deslocados socialmente: “Às vezes, são jovens que não encontram um sentido para a vida e se sentem marginalizados. Não necessariamente pela pobreza ou o desemprego, mas por razões psicológicas e sociais, pois encontram no terrorismo a narrativa de um sentido para a vida, a oportunidade para ter um protagonismo e até um heroísmo, um destaque social. E no Brasil existe uma parcela muito grande da população que não é assistida por serviços para evitar que jovens vão por esse caminho”.

O encontro analisou, no segundo dia de debates, a situação do ponto de vista religioso, reunindo representantes das igrejas católica e protestante, do judaísmo e do islamismo. Para o presidente do CCBT e organizador do evento, Mustafa Göktepe, atualmente a questão do terrorismo é mundial. “Infelizmente, hoje em dia o terrorismo é um fenômeno real, que atinge os países em diferentes formas. Portanto, em vez de fugir do assunto, precisamos discuti-lo, com pessoas de diferentes ideologias e religiões, a fim de buscar possíveis soluções para o fim da violência, pois cada um procura justificar seus atos neste sentido”, disse Göktepe.

A mediação do debate reunindo os religiosos coube ao professor de Opinião  do departamento de Ciências da Religião da PUC de São Paulo Fernando Altemeyer. “Fiquei preocupado com o anunciado por alguns debatedores, que consideram certa a vinda do terrorismo de grandes proporções, como o que está acontecendo no mundo, ao Brasil, porque aqui é uma terra virgem, que poderia ser um celeiro de terroristas. Isto é possível e enfrentar este fato é uma necessidade. “O Brasil não está livre do terrorismo. As Olimpíadas são um pretexto, uma vitrine, mas eu não acho que vão utilizar isso, se a gente tiver o mínimo de lucidez e de profissionalismo da Polícia Federal. Não podemos nos isolar, pois o terrorismo é mundial”, disse Altemeyer.

Segurança

As Forças Armadas vão designar 38 mil militares para cuidar da segurança dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (Rio 2016), de 5 a 21 de agosto deste ano. Desse total, 20 mil atuarão na cidade-sede e o restante do efetivo será distribuído entre as outras cinco cidades – Brasília, Belo Horizonte, Manaus, Salvador e São Paulo – que receberão partidas de futebol masculino e feminino.

Foram gastos R$ 704 milhões, entre 2014 e 2016, com treinamento, equipamento e custeio das tropas. Dessa verba total, R$ 240 milhões foram disponibilizados neste ano.

Segundo o ministro da Defesa, Aldo Rebelo, as Forças Armadas prepararam um conjunto de ações de prevenção ao terrorismo. Serão atividades de inteligência de defesa para prevenir atos terroristas e, no campo de combate, atividades de caráter repressivo, que visam a impedir e responder a atos terroristas.

O ministro, prefere não entrar em detalhes sobre as operações antiterrorismo como, por exemplo, um possível monitoramento de indivíduos, brasileiros ou estrangeiros, que sejam uma ameaça em potencial: “Anunciar não é muito prudente. Tudo que tiver que ser feito, os órgãos de segurança fazem para garantir as ações, inclusive no âmbito da cooperação internacional”.

Vladimir Platonow – Repórter da Agência Brasil

Edição: Jorge Wamburg

Artigos relacionados

1 Comentário

  1. Silvana
    Silvana julho 15, 08:08

    Se já sabe que pode acontecer. De onde vem e como vem ninguém pode prever. Vem sem ninguém esperar …. Não seria melhor cancelar? Não vale preservar a vida do brasileiro?

    Responda a esse comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer