Últimas notícias
  • Bancos turcos adotando o sistema de pagamentos russo Cinco bancos turcos assumiram o sistema de pagamentos russo conhecido como Mir, disse no sábado o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, após suas conversas com o presidente Vladimir Putin no resort do Mar Negro de Sochi.  ...
  • Putin tem a chave para a reeleição de Erdoğan, diz o analista russo O contínuo apoio político e financeiro do presidente russo Vladimir Putin é necessário para que o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan ganhe a reeleição no próximo ano, disse um importante analista russo na segunda-feira, refletindo sobre uma reunião entre eles em Sochi, Rússia, que gerou alarme nas capitais ocidentais. ...
  • Usina nuclear na Ucrânia é bombardeada A Rússia e a Ucrânia trocaram acusações na segunda-feira de que cada lado está bombardeando a maior usina nuclear da Europa, no sul da Ucrânia. A Rússia alegou que o bombardeio ucraniano causou um aumento de energia e incêndios e forçou o pessoal a baixar a produção de dois reatores, enquanto a Ucrânia culpou as tropas russas por armazenarem armas lá. ...
  • Turquia está construindo fábrica de drones na Ucrânia para combater as forças de Putin A empresa turca Baykar, que produz os muito amados drones de ataque "Bayraktars" da Ucrânia, está atualmente no processo de construção de uma fábrica em território ucraniano, segundo o embaixador da Ucrânia na Turquia, Vasyl Bodnar. ...
  • Inflação anual do Istambul atinge a maior alta de 99% em 24 anos Os preços de varejo na maior cidade da Turquia e centro comercial da Istambul aumentaram 4,09% mês a mês em julho, para uma taxa anual de 99,11%, a maior inflação da cidade desde fevereiro de 1998, informou a mídia local na segunda-feira, citando dados da Câmara de Comércio Istambul (İTO). ...
  • Turquia e Rússia devem atuar em cooperação contra o terrorismo na Síria O presidente russo Vladimir Putin e o presidente turco Tayyip Erdogan confirmaram a determinação de agir em cooperação contra organizações terroristas na Síria, de acordo com uma declaração conjunta após sua reunião bilateral. ...
  • Rússia está usando usina nuclear como ‘escudo’, situação ‘fora de controle’, dizem as autoridades  As autoridades internacionais estão cada vez mais alarmadas com a situação de segurança na usina elétrica de Zaporizhzhia, a maior usina nuclear da Europa, com o embaixador americano na Ucrânia na quarta-feira acusando as forças russas de usá-la como "escudo nuclear" - disparando contra os ucranianos em torno da instalação, sabendo que eles não podem atirar de volta por medo de desencadear uma catástrofe nuclear. ...
  • Inflação na Turquia sobe para quase 80%, atingindo os consumidores A inflação anual na Turquia subiu para quase 80% em julho, dados oficiais mostraram na quarta-feira, com os preços dos alimentos, da habitação e da energia atingindo duramente os consumidores. ...
  • O poder de longo alcance de Erdoğan: 3 austro-turcos detidos por suspeita de espionagem O Ministério do Interior austríaco confirmou que três turcos austríacos foram detidos em junho por suspeita de espionagem de dissidentes para a Organização Nacional de Inteligência da Turquia (MİT) e foram libertados aguardando julgamento após interrogatório, informou a Turkish Minute. ...
  • Vítimas da repressão pós-golpe de Erdoğan presas na Turquia depois de rejeitas pela Grécia Três turcos que enfrentavam a prisão por acusações falsas de terrorismo como parte de uma repressão lançada pelo presidente Recep Tayyip Erdoğan após uma tentativa de golpe em 2016 e foram forçados de volta pela Grécia no início de julho, depois de terem fugido através da fronteira, foram presos pelas autoridades turcas, informou a Turkish Minute na quarta-feira. ...

Lei de desinformação da Turquia reforça controle de Erdoğan sobre mídia social 

Lei de desinformação da Turquia reforça controle de Erdoğan sobre mídia social 
junho 30
18:39 2022

A nova lei de desinformação da Turquia, que está pendente para votação no parlamento, vai apertar o controle do Presidente Recep Tayyip Erdoğan sobre a mídia social antes das eleições do próximo ano, disse 

Süleyman Özeren, professor adjunto da Universidade George Mason e especialista sênior do Orion Policy Institute, e Suat Çubukçu, docente da Universidade Americana. 

Para vencer as próximas eleições, Erdoğan tem duas opções: Encontrar uma solução rápida para a economia turca ou recorrer a táticas de mão pesada contra a oposição, disseram Özeren e Çubukçu em um artigo para o Interesse Nacional na quarta-feira. 

Como Erdoğan não tem solução viável para enfrentar os males econômicos do país, ele recorreu à única “ferramenta” que lhe resta: “quebrar a oposição”, disseram eles. 

“Intensificando a repressão do governo contra os líderes do principal bloco da oposição, intensificando as medidas repressivas tomadas contra vozes dissidentes e controlando a narrativa nas mídias sociais sob o pretexto de lutar contra a desinformação”. Estes são os movimentos de um líder desesperado que alega falsamente que a mídia social é uma das principais ameaças à sobrevivência da democracia na Turquia”, disse Özeren e Çubukçu. 

Segue abaixo uma reprodução completa do artigo: 

Sem vontade ou incapaz de enfrentar os males econômicos de seu país, o AKP [Partido da Justiça e Desenvolvimento] da Turquia está recorrendo a uma ferramenta política familiar: a repressão contra a oposição. 

A coalizão governista da Turquia, o AKP e o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), está buscando uma nova legislação que amordaça vozes dissidentes na internet e na mídia social enquanto a Turquia se encaminha para outro ciclo eleitoral. Ao contrário de como o projeto de lei é apresentado como uma estrutura legal contra a desinformação e a desinformação, ele fortalecerá ainda mais os exércitos trolls do AKP e dominará o domínio da mídia social.  

O Comitê de Justiça do Parlamento aprovou recentemente o chamado projeto de lei “desinformação”, que agora aguarda uma votação na assembleia geral e deve ser aprovado por maioria simples. O governo alega que a nova legislação é necessária para evitar “notícias falsas, desinformação, provocação e linchamento da justiça nas redes sociais”, enquanto o presidente Recep Tayyip Erdoğan retrata as mídias sociais como uma “ameaça à democracia”. Nunca se deve tolerar críticas a si mesmo ou ao governo, as preocupações do Erdoğan sobre o conteúdo difundido através das mídias sociais. O projeto de lei foi anunciado exatamente quando o país se prepara para uma eleição crítica no próximo ano. 

O mandato de vinte anos do Erdoğan como presidente da Turquia e chefe do AKP foi marcado pela criação de um monopólio do governo sobre a mídia tradicional. De acordo com um relatório da Freedom House publicado este ano, “mais de 90% das redes de mídia turcas dependem de licitações públicas e são de propriedade de grandes empresas com laços pessoais estreitos com o Presidente Erdoğan”. Os políticos da oposição e críticos do governo, que encontraram espaço público limitado ou inexistente nos jornais e nos canais de TV, tiveram que mover suas vozes críticas para plataformas alternativas de mídia digital e social. Essas plataformas, tais como Twitter e YouTube, permitiram à oposição contornar (embora de forma muito limitada) a censura da mídia e outras plataformas de informação do AKP que ousam falar ao público sobre as transgressões do partido ou expressar opiniões que contrariam a propaganda do governo. 

O governo AKP já promulgou leis “para censurar e bloquear o acesso à mídia online que são críticas às políticas do governo”. O relatório da Freedom House observa que após “a aprovação de uma nova lei restritiva em 2020, as principais empresas de mídia social como Facebook, Twitter e YouTube foram forçadas a abrir escritórios na Turquia que atenderiam às exigências do governo em termos de retirada de conteúdo”. Com a nova legislação, o governo pretende restringir ainda mais a liberdade de expressão nas mídias sociais e trazer penas severas para aqueles que divulgam publicamente informações falsas sobre segurança nacional e ordem pública com o motivo de criar medo e ansiedade ao condenar os condenados de um a três anos de prisão.  

Com as eleições gerais na esquina, a Turquia está lutando com uma crise econômica cada vez mais profunda e uma insatisfação pública crescente. A confiança do público em Erdoğan e suas políticas têm diminuído devido ao aumento da inflação, desvalorização da lira turca e aumento do desemprego. Controlar a narrativa e dominar o debate público nunca foi tão crítico para Erdoğan e seu partido.  

Para ganhar as próximas eleições e manter o poder, Erdoğan tem duas opções: encontrar uma solução rápida para a economia turca ou recorrer a táticas de mão pesada contra a oposição. Como falta a Erdogan uma solução viável para acabar com a crise econômica do país, ele recorreu às únicas ferramentas que lhe restam em sua caixa de ferramentas: intensificar a repressão do governo contra os líderes do principal bloco da oposição, intensificar as medidas repressivas tomadas contra as vozes dissidentes e controlar a narrativa nas mídias sociais sob o pretexto de lutar contra a desinformação. Estes são os movimentos de um líder desesperado que alega falsamente que a mídia social é uma das principais ameaças para a sobrevivência da democracia na Turquia. 

Nas palavras de Erdoğan, o projeto de lei visa “impedir a disseminação e a disseminação sistemática de notícias falsas e desinformação” e trazer “novas regulamentações e responsabilidades para os provedores de redes sociais, empresas de mídia social e usuários contra atividades de desinformação”. No entanto, ironicamente, o AKP tem operado um dos maiores exércitos de troll apoiados pelo estado, os chamados AK-trolls, desde o início de 2012 para manipular o público através de campanhas de desinformação e notícias falsas. Em junho de 2020, o Twitter derrubou mais de 7.000 contas de trolls apoiados pelo AKP.  

Como cientistas sociais, analisamos o arquivo de contas de trolls apoiados pelo Estado turco, identificados pelo Centro de Transparência do Twitter. Examinamos as características das contas e suas narrativas e encontramos uma tendência crescente de criação de contas de trolls apoiados pelo AKP antes das eleições. As eleições locais de 2019, por exemplo, coincidiram com o maior aumento no número de novos relatos de trolls. Além disso, o AKP aumentou o tamanho de seu exército de trolls em resposta a grandes eventos que colocaram desafios extraordinários ao governo AKP, como os protestos do Parque Gezi (2013), as investigações de corrupção do governo (2013), os protestos de Kobani (2014), e a tentativa de golpe de julho de 2016. Os operadores das contas dos trolls coordenaram seus esforços para dominar o discurso público, estabeleceram a agenda pública de acordo com os melhores interesses da administração AKP, e vilipendiaram e desacreditaram os descontentamentos políticos. Para divulgar suas mensagens através do espectro político da sociedade turca, muitos desses relatos troll receberam uma variedade de identidades políticas, incluindo pró-Erdoğan, kemalista, nacionalista e pró-curdo. 

O projeto de lei de desinformação do AKP imita a tentativa da Rússia de reprimir as mídias sociais na sequência de sua invasão da Ucrânia. O governo russo, o maior divulgador de desinformação, desencadeou uma legislação draconiana contra notícias falsas, o que levou a um ataque total contra os críticos da guerra e criminalizou a “disseminação pública de informações falsas sob o pretexto de mensagens verdadeiras” sobre os militares e oficiais russos que serviam no exterior. As violações da lei são puníveis com uma pena de prisão de até quinze anos. A lei proposta é intencionalmente vaga, permitindo assim que o governo decida se alguém é culpado de espalhar falsidades, e medidas severas são adotadas na punição dos infratores, geralmente vozes dissidentes que o governo quer silenciar.  

A proposta de lei também permite implicitamente que os exércitos AKP-troll dominem o discurso público nas mídias sociais, mesmo quando os trolls espalham mentiras intencionalmente. O AKP não fechará essas contas da mídia social e, em vez disso, usará a lei proposta para justificar a criação de um mecanismo de censura estatal que pode armar para vantagem partidária e controlar a agenda antes e durante as eleições do próximo ano. O objetivo é privar a oposição do acesso às plataformas de mídia que poderiam usar para informar o público sobre as infrações e irregularidades do Erdoğan e seu partido durante todo o processo eleitoral.  

A pergunta que pede uma resposta é: Por que o Erdoğan é tão delicado com as mídias sociais? Sobrevivência política. Em suas próprias palavras: “Questões de mídia e comunicação e a luta contra as mídias sociais e a desinformação são de vital importância em termos de garantir nossa sobrevivência política e social”. 

Fonte: Turkey’s disinformation law tightens Erdoğan’s grip on social media | Ahval (ahvalnews.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer