Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Cai a última barreira para Erdogan controlar mídias sociais na Turquia

Cai a última barreira para Erdogan controlar mídias sociais na Turquia
julho 30
14:52 2020

Em novo ataque do governo à liberdade de expressão, para silenciar opositores, Parlamento aprova lei que obriga provedores estrangeiros a armazenarem dados de usuários e removerem conteúdos.

O presidente turco, Recep Tayyp Erdogan, aplaude discurso de legisladores antes de votação de lei sobre controle de mídias sociais na Turquia, em Istambul, na quarta-feira (29) — Foto: Turkish Presidency via AP, Pool

Com o controle de 90% da mídia tradicional pelo governo, o Parlamento turco avançou em mais uma medida para coibir a liberdade de expressão, ao aprovar um projeto que regula as mídias sociais — a última válvula de escape do regime repressor imposto pelo presidente Recep Tayyip Erdogan.

A promulgação da lei é apenas uma questão de tempo. O projeto estabelece que as empresas estrangeiras de mídia social com mais de um milhão de usuários, como Facebook e Twitter, armazenem seus dados no país. O governo usa o pretexto de proteger os cidadãos da desinformação, mas o histórico de liberdade expressão da Turquia dos últimos anos demonstra o contrário.

Entidades de direitos humanos asseguram que objetivo é silenciar as vozes críticas. Como explicou Tom Porteous vice-diretor de programa da Human Rights Watch, a lei sinaliza uma nova era sombria da censura online, uma vez que a mídia social funciona como tábua de salvação para os turcos carentes de informação.

“A nova lei permitirá ao governo controlar as mídias sociais, remover conteúdo à vontade e segmentar arbitrariamente usuários individuais”, resume. Os provedores de mídia social que descumprirem as regras para bloquear ou remover conteúdos sofrerão multas de até US$ 1,5 milhão, além de restrições de banda larga e de publicidade, o que inviabilizaria qualquer plataforma no país.

A Human Rights Watch ainda teme o pior: que as empresas sejam obrigadas a entregar dados pessoais de usuários, caso a Justiça solicite. “A aprovação é o mais descarado ataque à liberdade de expressão na Turquia. Os usuários de mídias sociais terão que se policiar, com medo de ofender as autoridades”, denuncia o pesquisador Andrew Gardner, da Anistia Internacional.

De acordo com a plataforma Free Speech Debate, 408 mil sites foram bloqueados na Turquia em 2019. Sete mil contas foram removidas do Twitter e 10 mil vídeos bloqueados no YouTube. Este cerco ocorreu antes mesmo que a lei fosse aprovada no Parlamento, graças ao apoio da coalizão governista liderada pelo Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP), do presidente.

No comando do país desde 2003, Erdogan perseguiu e prendeu centenas de jornalistas, fechou jornais e canais de TV e assumiu o controle de dezenas de meios de comunicação. A censura e os ataques à liberdade de imprensa intensificaram-se após uma tentativa de golpe contra ele, em 2016. O governo passou a exercer um controle mais agressivo sobre o conteúdo na internet.

Mas o presidente usou o nascimento do oitavo neto, filho de sua filha Esra, casada com o ministro das Finanças Berat Albayrak, como estopim de sua fúria contra o mundo digital. Em cadeia nacional, Erdogan ameaçou banir os sites de mídia social que publicavam insultos ao bebê: “Queremos que esses espaços sejam totalmente removidos, controlados.”

Ordem dada, missão cumprida. Em menos de um mês, o Parlamento dei seu aval para o governo policiar e censurar o conteúdo digital.

Fonte: https://g1.globo.com/mundo/blog/sandra-cohen/post/2020/07/30/cai-a-ultima-barreira-para-erdogan-controlar-midias-sociais-na-turquia.ghtml

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer