Últimas notícias

Direitos humanos na Turquia: 2021 em retrospectiva

Direitos humanos na Turquia: 2021 em retrospectiva
fevereiro 14
17:27 2022

O Stockholm Center for Freedom disponibilizou para download seu relatório “Direitos Humanos na Turquia: 2021 em retrospectiva”. Este relatório destaca os desenvolvimentos mais importantes na área dos direitos humanos na Turquia durante o ano de 2021.

O aumento da pressão sobre o movimento político curdo, a repressão ao movimento Hizmet, o longo braço do Presidente Recep Tayyip Erdoğan alcançando dezenas de milhares de cidadãos turcos no exterior, a prisão de jornalistas e a deterioração da liberdade de imprensa, a propagação do discurso de ódio e crimes de ódio contra minorias étnicas, religiosas e refugiados, a tortura sistemática, maus-tratos e um aumento das violações de direitos contra as mulheres foram os tópicos definidores do ano.

Nos últimos oito anos, a Turquia vem passando por uma crise de direitos humanos cada vez mais profunda. O governo do Presidente Erdoğan não conhece limites, independentemente das consequências para o país. Com o objetivo de consolidar seu poder, o Presidente Erdoğan vem minando sistematicamente os pilares fundamentais da já imperfeita democracia da Turquia. Estes incluem emendas à Constituição que aumentaram o poder da presidência e fundamentalmente erodiram os controles e equilíbrios do executivo, erosão do Estado de Direito e aumento do controle executivo sobre o judiciário. Em 2021, seu governo tomou outras medidas perigosas para minar o Estado de direito e atingir os críticos e opositores políticos percebidos.

Os direitos políticos e civis no país se deterioraram tão dramaticamente sob a presidência Erdoğan que, segundo a Freedom House Turquia continua “não livre” com uma pontuação de 32/100, na mesma categoria que a Rússia, China e Irã. O relatório do grupo de direitos sobre a repressão transnacional global também revelou como a Turquia se tornou o número um entre os países que conduziram rendições dos Estados anfitriões desde 2014.

De acordo com as estatísticas de 2021 anunciadas por Robert Spano, presidente do Tribunal Europeu de Direitos Humanos (ECtHR), a Turquia ocupa o segundo lugar depois da Rússia, com 15.250 pedidos pendentes no ECtHR, sendo que dois terços deles dizem respeito a supostas violações em prisões e julgamentos relacionados a uma tentativa de golpe de estado em 15 de julho de 2016. Como no ano anterior, a Turquia ficou em primeiro lugar entre os 47 Estados membros do Conselho da Europa (CdE) no número de sentenças do TEDH relativas a violações da liberdade de expressão em 2021.

Em seu relatório de 2021 sobre a Turquia, a Comissão Europeia, o poder executivo da União Europeia, disse que o respeito pela democracia, pelos direitos humanos e fundamentais e pelo sistema judicial turco continuava. O parlamento turco não tinha os meios necessários para responsabilizar o governo, e a arquitetura constitucional da Turquia continuou a centralizar poderes no nível da presidência sem garantir uma separação sólida e efetiva de poderes, declarou o relatório da UE.

De acordo com os vigilantes dos direitos humanos, os tribunais turcos aceitam sistematicamente acusações falsas, detêm e condenam sem provas convincentes de atividade criminosa a indivíduos e grupos que o governo Erdoğan considera como oponentes políticos. Entre eles estão jornalistas, políticos da oposição, ativistas e defensores dos direitos humanos.

Em 20 de março de 2021, o Presidente Erdoğan emitiu um decreto que retira subitamente a Turquia da Convenção do CoE sobre prevenção e combate à violência contra a mulher e à violência doméstica, conhecida como Convenção de Istambul, um acordo internacional destinado a proteger os direitos da mulher e prevenir a violência doméstica nas sociedades, apesar das altas estatísticas de violência que visam as mulheres no país.

A medida veio dois dias depois que o procurador-chefe do principal tribunal de apelação da Turquia anunciou que estava abrindo um processo para encerrar o Partido Democrático dos Povos (HDP), da oposição, apenas horas depois que o parlamento turco expulsou indevidamente o deputado Ömer Faruk Gergerlioğlu, um importante defensor dos direitos humanos que brilhou em temas controversos, incluindo tortura e investigações sobre as buscas corporais prisionais.

O SCF é uma organização sem fins lucrativos que promove o Estado de Direito, a democracia e os direitos humanos com um foco especial na Turquia.

Comprometido em servir como fonte de referência, fornecendo uma ampla perspectiva sobre as violações de direitos na Turquia, o SCF monitora diariamente os desenvolvimentos, documenta casos individuais de violação dos direitos fundamentais e publica relatórios abrangentes sobre questões de direitos humanos.

SCF é membro da Aliança contra o Genocídio, uma coalizão internacional que trabalha para exercer pressão sobre a ONU, organizações regionais e governos nacionais para agir em sinais de alerta precoce e tomar medidas para prevenir o genocídio.

Fonte: Human rights in Turkey: 2021 in review – Turkish Minute

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer