Últimas notícias

Professor demitido é reintegrado 6 meses após sua morte por câncer

Professor demitido é reintegrado 6 meses após sua morte por câncer
novembro 27
18:22 2021

Atilla Yalçıntaş, 59 anos, professor primário que foi demitido de seu cargo por decreto governamental sem o devido processo, foi reintegrado seis meses após sua morte, provocando indignação entre os ativistas de direitos humanos, informou o Stockholm Center for Freedom.

De acordo com o site de notícias AydınHaberleri, a família Yalçıntaş recebeu na terça-feira uma ligação de representantes locais do Ministério da Educação informando que Atilla Yalçıntaş havia sido reintegrado ao seu cargo.

Yalçıntaş era um dos mais de 130.000 funcionários públicos que foram removidos de seus empregos por suposta afiliação ou relacionamento com “organizações terroristas” por decretos-lei de emergência não sujeitos a escrutínio judicial ou parlamentar.

De acordo com sua família, Yalçıntaş era uma pessoa social amada por seus estudantes e colegas. Depois de perder seu emprego, ficou socialmente isolado e se tornou introvertido. Eles acham que isso desencadeou sua doença.

Após uma tentativa de golpe de estado em 15 de julho de 2016, o governo turco declarou estado de emergência e realizou um expurgo maciço das instituições estatais contra seus opositores políticos, sob o pretexto de uma luta anti-golpe. Além de demitir mais de 130.000 funcionários públicos, bem como 29.444 membros das forças armadas, o governo também fechou 164 organizações de mídia, 1.058 instituições educacionais e 1.769 ONGs com decretos-lei de emergência sem nenhum processo devido.

A viúva de Atilla Yalçıntaş, Munise, disse que iria ao tribunal sobre as pessoas que apresentaram as queixas contra seu marido que levaram à sua demissão. “Quem são essas pessoas que … levaram à morte do meu marido?”, perguntou ela. “Eles cometeram um crime, e deveriam pagar por ele”.

Ex-funcionários públicos não só foram demitidos de seus empregos como também foram proibidos de trabalhar novamente no setor público e de obter um passaporte. O governo dificultou para eles o trabalho formal também no setor privado. Foram colocadas notas no banco de dados da previdência social sobre funcionários públicos demitidos para dissuadir potenciais empregadores.

De acordo com um relatório conjunto da Plataforma de Justiça para as Vítimas e do deputado Ömer Faruk Gergerlioğlu do Partido Democrata Popular (HDP), o estado de emergência de dois anos declarado após o golpe na Turquia causou imenso sofrimento entre os funcionários públicos que foram demitidos de seus empregos pelo governo, assim como suas famílias.

Os funcionários públicos demitidos perderam 70% de sua renda média mensal, uma circunstância que os reduziu a terríveis dificuldades financeiras, de acordo com uma pesquisa realizada para o relatório.

De acordo com os familiares das vítimas que participaram da pesquisa, o maior problema que elas vêm enfrentando são as dificuldades econômicas (97,9%), seguidas por problemas psicológicos (88,6%), perda de prestígio social e exclusão social (83,7%), desintegração dos círculos sociais (83,1%), desemprego/falta de emprego (80,4%) e falta de seguridade social (73,2%).

A pesquisa indica que 99,1% das vítimas são licenciados ou titulares de mestrado ou doutorado, o que significa uma imensa perda de recursos humanos para a administração pública da Turquia.

Fonte: https://www.turkishminute.com/2021/11/27/smissed-teacher-reinstated-6-months-after-he-died-of-cancer/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer