Últimas notícias

Usuários turcos do Twitter pedem a libertação de mulher grávida

Usuários turcos do Twitter pedem a libertação de mulher grávida
agosto 18
17:16 2021

Usuários turcos do Twitter lançaram uma campanha de hashtag no domingo pedindo às autoridades para libertar Huriye Acun, uma mulher grávida de oito meses e meio que foi mantida na prisão por supostos vínculos com o movimento Gülen, informou o Stockholm Center for Freedom. 

A hashtag #HuriyeAcunHapisteDoğurmasın (Huriye Acun não deve fazer parto na prisão) foi amplamente compartilhada pelos usuários da mídia social turca, apelando ao governo turco para que liberte Acun. 

A atriz turca Demet Evgar também apoiou a campanha da hashtag. 

Acun, uma ex-professora, foi presa em Konya em 7 de julho e encarcerada. Ela foi condenada a nove anos e quatro meses de prisão, sob a acusação de terrorismo. Seu caso está pendente de recurso no Supremo Tribunal de Recursos. 

De acordo com seu marido, Uğur, ela está passando por complicações relacionadas à sua gravidez na prisão. As prisões turcas são famosas por suas condições precárias e pela superlotação. 

O Presidente turco Recep Tayyip Erdoğan tem como alvo os seguidores do movimento Gülen, inspirado pelo clérigo turco Fethullah Gülen, desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então Primeiro Ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno. 

Desistindo das investigações como um golpe e conspiração Gülenista contra seu governo, Erdoğan designou o movimento como uma organização terrorista e começou a alvejar seus membros. Ele intensificou a repressão ao movimento após uma tentativa de golpe em 15 de julho de 2016, que ele acusou Gülen de ser o mandante. Gülen e o movimento negam fortemente o envolvimento no golpe abortivo ou em qualquer atividade terrorista. 

De acordo com a Lei sobre a Execução de Sentenças e Medidas de Segurança, mesmo que uma mulher grávida seja condenada, sua sentença deve ser adiada. A lei estipula que “a execução da sentença de prisão é adiada para mulheres grávidas ou que tenham dado à luz no último ano e meio”. 

No entanto, as autoridades turcas têm detido e prendido mulheres grávidas e mulheres com recém-nascidos. A questão foi levada ao Conselho de Juízes e Promotores [HSK] pelo defensor dos direitos humanos e ex-deputado Ömer Faruk Gergerlioğlu. 

De acordo com um relatório da Solidariedade com OUTROS, uma organização não governamental que consiste principalmente de exilados políticos da Turquia, um total de 219 mulheres grávidas e mulheres com crianças menores de seis anos de idade foram arbitrariamente detidas ou presas por suspeita de ligações com o movimento Gülen. 

Tais atividades diárias como ter uma conta ou depositar dinheiro em um banco filiado ao movimento Gülen, trabalhar em qualquer instituição ligada ao movimento ou assinar certos jornais e revistas foram aceitas como referências para identificar e prender supostos membros do movimento. 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer