Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Turquia condena ativistas de direitos humanos sob acusações de terrorismo

Turquia condena ativistas de direitos humanos sob acusações de terrorismo
julho 06
21:38 2020

Um tribunal turco condenou quatro ativistas da Anistia Internacional a entre dois e seis anos de prisão por acusações de terrorismo em um julgamento de alto nível na sexta-feira, que o grupo de direitos humanos descreveu como uma “farsa de justiça de proporções espetaculares”.

O presidente honorário da Anistia Internacional da Turquia, Taner Kilic, foi condenado a seis anos e três meses de prisão por uma acusação de ser membro de uma organização terrorista, enquanto o ex-diretor do grupo, İdil Eser, foi condenado a dois anos e um mês de prisão por uma acusação de ajudar uma organização terrorista.

Os membros da Anistia Günal Kursun e Özlem Dalgiran também foram condenados a dois anos e um mês de prisão por uma acusação de ajudar um grupo terrorista.

O grupo de direitos humanos nega todas as acusações e disse que cada alegação contra seus membros foi “amplamente exposta como uma calúnia sem fundamento”.

Outros sete réus foram absolvidos. Os 11 ativistas de direitos humanos foram presos e acusados, no verão de 2017, de terrorismo.

Os réus têm o direito de recorrer ao Tribunal de Apelação, o que a Anistia turca tuitou dizendo que eles usarão. “Como dissemos antes do julgamento, não aceitaremos que nem mesmo um de nossos amigos seja condenado”. Continuaremos a acompanhar o caso através de tribunais superiores”, disse.

Os quatro militantes não ficarão presos enquanto aguardam seus recursos. O processo de apelação pode levar meses ou anos.

Andrew Gardner, da Anistia Internacional, disse em uma declaração: “Hoje, testemunhamos uma farsa na justiça de proporções espetaculares”. Este veredito é um golpe esmagador não apenas para Taner, Özlem, İdil e Günal e suas famílias, mas para todos que acreditam na justiça e no ativismo dos direitos humanos na Turquia e além”.

“A decisão do tribunal é espantosa”. Durante 12 audiências judiciais, toda e qualquer alegação foi exposta de forma abrangente como uma calúnia sem fundamento. O veredito do tribunal desafia a lógica e expõe este julgamento de três anos como uma tentativa politicamente motivada de silenciar vozes independentes, o que aconteceu desde o primeiro dia”, acrescentou Gardner.

O membro mais importante do grupo, Kilic, foi acusado pelo promotor de ser um membro do Movimento Hizmet, que o governo da Turquia considera uma organização terrorista.

Kilic nega ser membro da organização, encabeçada pelo pregador Gulen, que mora nos Estados Unidos, organização que o governo turco acusa e culpa de ter, supostamente, coordenado a tentativa de golpe de 2016, durante a qual cerca de 250 pessoas morreram.

Kilic também foi acusado de baixar um aplicativo de mensagens chamado ByLock usado pela organização, o que ele nega.

Os outros 10 acusados, incluindo o ex-diretor Eser da Anistia Internacional da Turquia, foram presos separadamente em um hotel na ilha de Büyükada, na costa de Istambul, onde estavam participando de uma oficina de segurança digital.

Eles foram acusados de participar de uma reunião secreta, dirigida por Kilic, em um caso chamado localmente de “julgamento de Büyükada”, de acordo com a Anistia Internacional.

De acordo com a Human Rights Watch, “as acusações de terrorismo continuaram a ser amplamente utilizadas”, pois a tentativa fracassada de golpe e muitos julgamentos de terrorismo na Turquia “carecem de provas convincentes de atividade criminosa”.

A prática de manter indivíduos acusados de crimes de terrorismo em prisão preventiva prolongada “levantou preocupações de que seu uso se tornou uma forma de punição sumária”, disse a organização.

É o segundo caso judicial recente da Turquia envolvendo ativistas de direitos proeminentes, dando destaque à contínua detenção de ativistas do país, mais de três anos após a tentativa de golpe de 2016.

O veredito chega apenas meses depois que o proeminente filantropo, Osman Kavala, recebeu uma breve amostra de liberdade quando foi absolvido durante os protestos de 2013 no Parque Gezi em Istambul – e horas depois voltou a ser preso por supostos vínculos com o golpe.

Kavala foi um dos vários ativistas absolvidos por seu envolvimento nos protestos no Parque Gezi há sete anos, que começou com um plano para transformar um pequeno parque no centro de Istambul em um shopping center. As manifestações rapidamente se transformaram em grandes manifestações antigoverno por toda a Turquia.

Mas as celebrações para os ativistas absolvidos foram de curta duração, depois que os promotores anunciaram que Kavala permaneceria em detenção.

Milena Buyum, ativista da Anistia Internacional na Turquia, disse em uma declaração que a decisão foi “deliberada e calculada com crueldade”.

Fonte: Turkey convicts human rights activists on terror charges

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer