Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Refugiados sírios enfrentam medo e fome na Turquia

Refugiados sírios enfrentam medo e fome na Turquia
maio 29
15:44 2020

O apartamento de dois quartos da família de refugiados se inclina ladeira abaixo e não há água corrente.

Zaineb, de três anos, está chorando de fome. A menina não comeu o dia todo, diz sua mãe, Ismahan, enquanto enrola arroz em folhas de uva que será o jantar da família.

Eles arrancaram as folhas das árvores, ela explica, porque não têm dinheiro para comprá-las.

Como muitas famílias de refugiados sírios que vivem na Turquia durante a pandemia, eles também não podem pagar o aluguel.

Oito pessoas, incluindo os dois filhos de Ismahan, estão aglomeradas no pequeno apartamento e em um abrigo abandonado nas proximidades. O aluguel é de apenas US $ 30, muito barato para Istambul, mas eles não pagam há dois meses.

“O proprietário diz que nos expulsará se não pagarmos”, diz Ismahan. “Ele não gosta de sírios.”

Em todo o país, famílias como a dela passaram de pobres a carentes, à medida que são cada vez mais isoladas pelo lockdown da pandemia.

A maioria dos refugiados sírios depende da renda do setor informal do país, em trabalhos como limpeza, indústria têxtil, lojas e vendas nas ruas. A maioria desses trabalhos foi extinta desde o início do COVID-19.

Uma colcha de retalhos de organizações de ajuda fornece comida, dinheiro e suprimentos, mas nunca é suficiente. Muitas famílias, como a de Ismahan, temem que sejam forçadas a morarem nas ruas se a pandemia continuar por muito mais tempo.

Ismahan costumava vender pequenos pacotes de lenços de papel para os motoristas nos semáforos. O trabalho nunca foi legal, mas foi tolerado. Policiais nas ruas deixaram claro que agora está proibido.

“Mesmo que a polícia nos deixe vender nossos lenços de papel”, acrescenta Ismahan, “as pessoas não querem abrir as janelas dos carros por causa do vírus”.

Hostilidade e negligência

A poucos quilômetros da casa de Ismahan, Mohammed, sua esposa Marwa e os cinco filhos moram em um apartamento um pouco mais espaçoso, pago por uma instituição de caridade local.

No início de março, a família morava em outra cidade turca e Mohammed ganhou dinheiro pintando casas e consertando motocicletas. Mas quando o governo anunciou que estava abrindo sua fronteira com a Grécia, Mohammed vendeu seus móveis e eles foram para a fronteira.

Como dezenas de milhares de outros, ele pensou que isso significava que eles poderiam se mudar para a Europa.

No entanto, a Grécia nunca abriu seu lado da fronteira. Depois de quase duas semanas acampadas em um posto de gasolina, a família embarcou em um ônibus para Istambul, desabrigada e sem dinheiro. Grupos de ajuda os encontraram na estação de ônibus e os ajudaram a se instalar.

“Mas eles me disseram que não pagarão nosso aluguel novamente”, diz Mohammed, enquanto seus filhos mais velhos empurram sua filha em uma caixa vazia que antes continha ajuda alimentar. “Agora, fico acordado a noite toda, toda noite, preocupado em como manter meus filhos fora das ruas.”

A Turquia abriga mais de 3,5 milhões de refugiados sírios, mais do que qualquer outro país do mundo. Mas, à medida que o país fica mais pobre, o ressentimento público em relação aos refugiados se aprofunda.

“As pessoas aqui nos dizem o tempo todo: ‘Voltem para o seu país'”, explica Mohammed. Mas como ex-combatente rebelde na Síria, ele não tem essa opção. “Eles acham que estamos tirando comida da boca deles, mas não estamos. Estamos apenas tentando trabalhar para alimentar nossas famílias. ”

Tensão mental

O isolamento da pandemia também trouxe de volta lembranças da guerra, diz Marwa, esposa de Mohammed, fazendo-a sentir como se estivesse revivendo os piores momentos da sua vida.

“É o mesmo medo”, continua ela. “Na Síria, estávamos presos em casa com medo de sermos mortos pelas bombas. Agora, temos medo de sair e pegar o vírus. ”

Mais de 5 milhões de pessoas fugiram da Síria em nove anos de guerra e quase todas sofreram algum tipo de trauma psicológico, diz o Dr. Mohammed Khaled Hamza, neuropsicólogo e professor de saúde mental da Universidade Lamar, no Texas, depois de milhares de entrevistas com refugiados sírios.

O impacto da guerra na saúde mental das famílias sírias é tão grande que Hamza e a Sociedade Médica Americana da Síria o chamam de “Síndrome de Devastação Humana”.

E para muitos refugiados sírios presos em campos e à margem da sociedade, a pandemia está piorando as coisas.

“É ruim quando se tem problemas de saúde”, diz Hamza. “Mas é muito pior quando você tem problemas de saúde e não tem dinheiro ou finanças suficientes para se cuidar.”

Em seu apartamento em Istambul, Mohammed descreve uma crescente ansiedade e sentimentos de depressão causados ​​pelo estresse financeiro.

“Quando seus filhos procuram você e pedem comida porque estão com fome”, diz ele, “a coisa mais difícil do mundo é dizer: ‘Não, não temos nada”.

Fonte: Fear, Hunger Grip Syrian Refugees in Turkey

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer