Últimas notícias
  • Conselho da Europa deve disciplinar a Turquia sobre ativista preso O Conselho da Europa disse na sexta-feira que vai lançar uma ação disciplinar contra a Turquia por se recusar a libertar o proeminente ativista e filantropo Osman Kavala, desencadeando um procedimento usado apenas uma vez na história da organização....
  • Por que a queda da moeda turca não preocupa Erdogan A moeda nacional da Turquia caiu 45% em relação ao dólar este ano e, no entanto, o Presidente Recep Tayyip Erdogan não parece ter se incomodado com isso....
  • CoE insta “fortemente” as autoridades turcas a liberar Demirtaş O Comitê de Ministros do Conselho da Europa adotou na quinta-feira uma resolução provisória "instando fortemente" as autoridades turcas a assegurar a libertação imediata do líder curdo preso Selahattin Demirtaş....
  • A crise monetária da Turquia Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses....
  • Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom....
  • Papa pede por cura em um Chipre dividido, arcebispo ortodoxo ataca a Turquia Papa encontra os líderes cristãos ortodoxos de Chipre. Pede por cura na ilha dividida. Líder cipriota turco convida papa a visitar o norte. Muitos dos participantes da missa são filipinos que trabalham no Chipre...
  • Ministro das finanças da Turquia, Lutfi Elvan, demite-se em meio à crise monetária O Ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, Lutfi Elvan, renunciou em meio a uma forte queda da lira turca, de acordo com um decreto presidencial emitido no jornal oficial turco na quinta-feira....
  • Documentário sobre femicídios na Turquia é a indicação ao Oscar do Reino Unido Um documentário relatando os esforços dos ativistas que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres na Turquia foi escolhido como a entrada oficial do Reino Unido para a categoria de Melhor Longa Metragem Internacional no Oscar....
  • Homem sequestrado pela inteligência turca forçado a testemunhar contra deputados da oposição Segundo Gergerlioğlu, Yasin Ugan foi forçado a testemunhar sob tortura que os dois deputados eram filiados ao movimento Hizmet, um grupo baseado na fé inspirado nos ensinamentos do clérigo turco Fethullah Gülen, que tem sido alvo do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno....
  • 8 morrem em fortes tempestades que assolaram o oeste da Turquia As províncias do oeste da Turquia, incluindo a cidade mais populosa do país, Istambul, foram duramente atingidas por condições climáticas adversas, com oito pessoas morrendo como resultado de acidentes relacionados ao clima em três províncias, noticiou a mídia turca na terça-feira....

Feminicídios aumentam na Turquia, mas governo continua sem divulgar dados

Feminicídios aumentam na Turquia, mas governo continua sem divulgar dados
janeiro 04
16:24 2018

Asli tinha 37 anos quando foi assassinada em novembro de 2016, pouco após sair pela primeira vez em três meses de um centro de proteção para mulheres vítimas de abuso no oeste da Turquia.

No caminho para visitar seu filho e acompanhada por uma psicóloga da instituição, ela foi baleada pelo ex-marido em plena rua e à luz do dia.

A organização Kadin Cinayetleri (“Assassinatos de mulheres”) registrou sua morte violenta através de informações divulgadas na imprensa turca, já que praticamente não recebe dados oficiais das autoridades.

Diante da falta de estatísticas oficiais, as associações feministas da Turquia se veem obrigadas a depender da imprensa para conhecer o alcance dos assassinatos de mulheres.

“Enviamos a cada mês solicitações a quatro ministérios e à polícia para conhecer os dados de feminicídios, mas nunca obtemos resposta”, explicou Ceyda Ulukaya, uma das responsáveis da Kadin Cinayetleri, cujo site compila dados de feminicídios e elabora perfis e biografias das vítimas e dos agressores.

Ulukaya declarou à Agência Efe que mais da metade destes assassinatos ocorrem quando a vítima pede o divórcio ou discute com seu companheiro.

Nos dez primeiros meses de 2017, 240 foram assassinadas na Turquia pelo mero fato de serem mulheres, segundo a organização.

A Agência Efe também solicitou ao Ministério de Justiça, ao de Interior e ao da Família dados sobre os assassinatos de mulheres na Turquia, sem obter resposta alguma.

Outra organização turca, chamada “We Will Stop Femicides” (“Acabaremos com os feminicídios”), foi criada após a decapitação de uma jovem de 17 anos pelo namorado em 2009.

A diretora da organização, Gülsüma Kav, destaca que quando o governo começou a tomar medidas concretas contra esses crimes, eles diminuíram.

Em 2010, cerca de 180 mulheres foram assassinadas, e um ano depois foram “apenas” 121, coincidindo com a assinatura do “Convênio de Istambul” para prevenir a violência doméstica.

Além disso, o governo aprovou em 2011 a Lei 6284, que oferece uma melhora da proteção das mulheres que sofrem agressões.

No entanto, as associações feministas observaram um forte aumento dos assassinatos devido aos pedidos de divórcio, que cresceram 82% nos últimos anos, segundo números da Direção Geral de Registros e Estatísticas Penais.

“As mulheres cada vez são mais independentes, têm o apoio da família e se atrevem a pedir o divórcio e pôr fim às agressões que sofrem. Mas os homens não aceitam, e alguns casos acabam em assassinato”, comentou uma ativista feminista de Istambul, que pediu anonimato.

“O governo trata este tema de forma nada lógica. Se a mulher pede divórcio, existe a possibilidade de que acabe morta, por isso o governo quer preservar a integridade da família”, explicou.

“No ano passado, o governo criou uma comissão de investigação para tomar medidas para reduzir as separações”, acrescentou.

“We Will Stop Femicides” também oferece apoio psicológico e jurídico aos familiares de mulheres assassinadas e denuncia que em muitos casos os agressores têm a pena reduzida ao mostrar boa conduta no tribunal.

Só nos três primeiros meses de 2017 foram realizados 108 julgamentos por violência machista, e metade das sentenças foi reduzida por “boa conduta”.

Todos os partidos do Parlamento, inclusive algumas vozes críticas dentro do islamita e governista Partido de Justiça e Desenvolvimento (AKP), são contra esta redução de penas.

“É possível aplicar uma redução de condenação só por usar gravata em um caso por assassinato? É necessária uma nova lei sobre este tema”, disse a deputada do AKP Gökcen Özdogan a um jornal local.

Fatman, uma jornalista da “Sujin”, uma agência de notícias voltada à violência contra as mulheres no sudeste da Turquia, denunciou que a lei aprovada em 2011 oferece mais proteção às mulheres, ainda que muitos policiais a desconheçam.

“Ainda descobrimos casos nos quais as mulheres denunciam, e é pedido um documento que certifique seu casamento, o que já não é necessário. Há desconhecimento entre os oficiais”, disse.

A “Sujin” foi fechada por decreto sob o estado de emergência vigente desde julho de 2016 e que dá amplos poderes ao governo.

No entanto, os jornalistas e ativistas da agência continuam investigando os feminicídios, ainda que em condições mais difíceis.

“Se não encontrarmos informações na imprensa, iremos casa por casa entrevistar familiares e amigos das vítimas”, declarou a jornalista sobre a tarefa de divulgar as agressões sofridas pelas mulheres na Turquia.

EFE

Lara Villalón

Originalmente publicado em: http://www.jornalfloripa.com.br

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer