Últimas notícias
  • Mais dois navios com grãos partem da Ucrânia, diz o Ministério da Defesa da Turquia  Mais dois navios transportando grãos que saíram dos portos do Mar Negro da Ucrânia no sábado, disse o Ministério da Defesa da Turquia, elevando para 16 o número total de navios a sair do país sob um acordo entre a ONU e a Turquia. ...
  • [ANÁLISE] Erdoğan aumenta o domínio sobre as TSK para facilitar a colaboração com regimes autoritários  O mundo está evoluindo de uma ordem mundial unipolar dominada por um único poder para um sistema político multipolar no qual mais de um poder luta pelo domínio. Na atual luta de grandes potências, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan acredita que pode manter seu poder político aliando-se à Rússia, China e Irã. Após sua reunião bilateral com o presidente russo Vladimir Putin em Sochi em 5 de agosto, Erdoğan disse aos repórteres que Putin o havia convidado para uma reunião da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) a ser realizada no Uzbequistão de 16 a 18 de setembro de 2022. Como o Erdoğan explica que, como presidente de um país membro da OTAN, ele possa participar de uma reunião da SCO, que reúne regimes autoritários? Qual é a conexão entre a estreita cooperação do Erdoğan com os regimes autoritários e os regulamentos que levaram ao domínio do Erdoğan sobre as Forças Armadas Turcas (TSK) após uma tentativa de golpe na Turquia em 15 de julho de 2016? ...
  • “Eles estão nos matando”: Migrantes presos em uma pequena ilha pedem ajuda A organização AGreek de direitos humanos tem chamado as autoridades para ajudar dezenas de migrantes e requerentes de asilo que dizem ter ficado presos em uma pequena ilha fluvial na fronteira entre a Grécia e a Turquia. O Conselho Grego de Refugiados disse à CBS News que o contato com o grupo foi perdido na quarta-feira depois que uma jovem entre o povo desesperado foi alegadamente morta por um escorpião esta semana. ...
  • Envolvimento da Turquia com o Afeganistão cresceu desde a tomada do Talibã Enquanto muitos países cortaram os laços diplomáticos com o Afeganistão após o retorno do Talibã ao poder no ano passado, a Turquia, o único membro da OTAN com presença diplomática no país devastado pela guerra, tem sido ativa em muitas frentes. ...
  • Menino britânico, quatro anos, desaparece depois de viajar para a Turquia com sua mãe  Um menino britânico de quatro anos foi dado como desaparecido após viajar para a Turquia com sua mãe. Acredita-se que George Jack Temperley-Wells tenha viajado de Darlington para a região de Antalya com sua mãe, Brogan Elizabeth Temperley, em 29 de junho deste ano. ...
  • 69,3% dos turcos que lutam para pagar por alimentos, diz pesquisa A maioria das pessoas na Turquia está lutando para pagar pelos alimentos, uma vez que o aumento do custo de vida está afetando sua renda, informou a Turkish Minute, citando os resultados de uma pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisa Social Yöneylem. ...
  • Turquia acatou a sentença do TEDH sobre Kavala, argumenta o ministro da justiça Ao contrário do que o Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) disse em um julgamento no mês passado, o ministro da justiça da Turquia, Bekir Bozdağ, argumentou que os tribunais...
  • Navio com grãos ucranianos recusados pelo Líbano atraca na Turquia Um navio com milho ucraniano, anteriormente rejeitado por um comprador no Líbano devido a "violação das condições de entrega" atracou no porto de Mersin, na Turquia. ...
  • Bancos turcos adotando o sistema de pagamentos russo Cinco bancos turcos assumiram o sistema de pagamentos russo conhecido como Mir, disse no sábado o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, após suas conversas com o presidente Vladimir Putin no resort do Mar Negro de Sochi.  ...
  • Putin tem a chave para a reeleição de Erdoğan, diz o analista russo O contínuo apoio político e financeiro do presidente russo Vladimir Putin é necessário para que o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan ganhe a reeleição no próximo ano, disse um importante analista russo na segunda-feira, refletindo sobre uma reunião entre eles em Sochi, Rússia, que gerou alarme nas capitais ocidentais. ...

O Ramadã, a economia e o bem-estar das pessoas

O Ramadã, a economia e o bem-estar das pessoas
junho 09
15:20 2016

O Ramadã de 2016 começa hoje, segunda-feira dia 6 de junho. Nos próximos 30 dias, muçulmanos de todo o mundo praticarão o jejum ritual, desde a hora que o sol nasce até o momento em que o Sol se põe.

Para os muçulmanos de Jacarta, na Indonésia, isso significa que eles só poderão comer e beber qualquer coisa entre as 17:45 de um dia e as 6:00 da manhã do dia seguinte.

Parece difícil, mas para os muçulmanos de Istambul, na Turquia, a tarefa é mais complicada: comida e bebida só entre as 20:30 de um dia e as 5:30 do dia seguinte.

Será que o ele tem implicações para a economia desses países?

Os dias do Ramadã variam conforme o ano (por exemplo, no ano que vem, ele começará dia 27 de maio). Em alguns lugares, essas variações modificam bastante o período do jejum. Por exemplo, quando ele cai no final de dezembro, no inverno de Istambul, jejum só entre as 7:30 e as 16:45. Em Jacarta, as variações são bem menos relevantes.

Filipe Campante e David Yanagizawa-Drott, pesquisadores da Harvard Kennedy School, utilizaram essas variações para testar o efeito do Ramadã na economia.

A ideia é a seguinte: é possível comparar, de maneira informal, o que acontece com as economias da Turquia e da Indonésia quando o ele cai em dezembro (o período de jejum é bem mais curto na Turquia) e quando cai em junho (o período de jejum é bem mais longo na Turquia). Será que a economia da Turquia vai relativamente melhor quando o Ramadã é mais curto?

Métodos estatísticos apropriados permitem estimar esse efeito de maneira formal, utilizando uma base de dados com todos os países de maioria muçulmana e todos os anos desde 1950.

Campante e Yanagizawa-Drot encontram de fato um efeito negativo substancial de um Ramadã mais longo sobre a economia.

Um Ramadã longo (como o da Turquia em 2016) reduz o crescimento do PIB do país no ano em pouco mais de 1 ponto percentual quando comparado a um Ramadã mais normal.

É efeito do Ramadã mesmo? Não pode ser alguma outra coisa que acontece, por acaso, mais ou menos na mesma época do Ramadã? Se fosse esse o caso, esse efeito deveria estar presente em países não muçulmanos, mas os pesquisadores não acham efeito algum para essa amostra de países.

A estimação utiliza as diferenças no período de jejum do Ramadã, mas o resultado sugere uma conclusão mais geral: ele é uma prática religiosa com um custo econômico.

Só que o trabalho não para aí.

Campante e Yanagizawa-Drott estimaram também o efeito de um Ramadã mais longo sobre as respostas das pessoas em questionários sobre felicidade e bem-estar, do mesmo modo que estimaram o efeito sobre o PIB.

Em média, nas respostas a esses questionários, as pessoas se dizem mais felizes quando o Ramadã é mais longo que o normal.

Os resultados sugerem, portanto, que o Ramadã é um ritual com custos econômicos que traz uma sensação de bem-estar para os fiéis. Eu acho que essa conclusão concorda com uma visão comum sobre a religião.

Dados de questionários não são dados ideais, mas nesse caso não temos dado melhor para tentar medir variações na sensação de bem estar de uma pessoa. Se as pessoas se dizem mais felizes, quem sou eu para duvidar? Então, para quem for participar, bom Ramadã.

Referência:

– O artigo citado é “Does Religion Affect Economic Growth and Happiness? Evidence from Ramadan”, de Filipe Campante e David Yanagizawa-Drott, no Quarterly Journal of Economics 130, 615-658 (2015).

– Uma outra visão econômica da religião é que os rituais religiosos são custosos, mas fazem parte de um todo que traz benefícios para a comunidade.

Por Bernardo Guimarães

Fonte: aeconomianoseculo21.blogfolha.uol.com.br

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer