Últimas notícias

Um tribunal turco condenou o rival de Erdogan à prisão. Isso pode ser um tiro pela culatra

Um tribunal turco condenou o rival de Erdogan à prisão. Isso pode ser um tiro pela culatra
dezembro 22
21:31 2022

Na semana passada, um tribunal turco condenou o prefeito de Istambul Ekrem İmamoğlu à prisão por “insultar” funcionários públicos. O İmamoğlu é uma figura popular da oposição que poderia plausivelmente vencer o presidente Recep Tayyip Erdogan nas eleições turcas de 2023, sugerem as pesquisas de opinião. O prefeito está apelando de sua condenação. Mas se a decisão do tribunal for mantida, o İmamoğlu seria destituído do cargo e proibido de concorrer nas eleições que serão realizadas até junho de 2023. 

Erdogan pode vencer a reeleição simplesmente excluindo seus rivais mais populares? Isso é arriscado, a pesquisa sugere, por duas razões: Os tribunais superiores podem não manter a condenação de İmamoğlu, e processar os oponentes pode desencadear uma reação negativa dos eleitores. 

O que este processo judicial significa (e não significa) 

Apesar da sentença do tribunal criminal, o İmamoğlu ainda está no cargo e ainda não foi banido da política. 

Também é improvável que o İmamoğlu vá para a prisão. A sentença de dois anos, sete meses e 15 dias está abaixo do limite de tempo de prisão obrigatória e pode ser convertida em liberdade condicional. Entretanto, se os tribunais superiores mantiverem a condenação, o İmamoğlu será proibido de manter ou concorrer a um cargo durante sua sentença. 

Se tanto o tribunal regional de apelação quanto o Tribunal de Cassação da Turquia, o supremo tribunal de apelação neste caso, decidir contra o İmamoğlu antes de junho de 2023, ele não poderá concorrer à presidência e não poderá ser reeleito como prefeito de Istambul em 2024. Além disso, o conselho municipal de Istambul selecionaria seu substituto. Como o Partido da Justiça e Desenvolvimento de Erdogan (AKP) controla o conselho municipal, um aliado de Erdogan quase certamente assumiria o comando da maior cidade da Turquia. 

Mas pesquisas sobre o Judiciário da Turquia sugerem que os tribunais superiores podem não decidir tão rapidamente. 

Os tribunais superiores da Turquia irão junto? 

A oposição da Turquia vê a convicção de İmamoğlu como politicamente motivada. O İmamoğlu descreveu a decisão como “um ataque à vontade de milhões de cidadãos de Istambul”. Um juiz que foi anteriormente designado para o caso do İmamoğlu informou que ele foi pressionado a impor uma proibição política e foi demitido do caso. 

Agora o İmamoğlu apelará do veredicto, que se tornará definitivo somente após dois tribunais superiores manterem sua condenação. Normalmente, os recursos levam um ano ou mais para passar pelos tribunais superiores da Turquia, deixando o İmamoğlu livre para concorrer ao cargo por algum tempo. 

Entretanto, os tribunais superiores às vezes se movimentam mais rapidamente em casos politicamente relevantes. Por exemplo, em 2018, um tribunal de apelações agiu em um ritmo quase recorde, levando apenas semanas para manter a condenação de Selahattin Demirtas, antigo copresidente do Partido Democrata Popular pró-curdo e candidato presidencial duas vezes, por propaganda terrorista. Isso certamente poderia acontecer novamente desta vez. Os promotores do İmamoğlu já apelaram da decisão, aparentemente esperando conseguir uma decisão rápida e final contra o prefeito de Istambul. 

Mas será que os tribunais superiores da Turquia irão junto? Os tribunais de apelação têm painéis de juízes, tornando-os menos suscetíveis à influência política do que o juiz único que condenou o İmamoğlu. Os juízes dos tribunais superiores da Turquia, especialmente o Tribunal Constitucional, não são “totalmente obedientes”, como mostra a pesquisa do professor de direito Bertil Emrah Oder. Se os tribunais superiores considerassem o caso do İmamoğlu em um ritmo normal – ou mesmo arrastassem seus pés para prolongar estrategicamente o processo de apelação – o İmamoğlu seria capaz de dar certo em 2023. 

Por fim, a própria popularidade de Erdogan pode moldar a forma como os juízes se comportam. Mesmo quando os juízes não são totalmente independentes da pressão política, eles muitas vezes governam contra o governo quando é provável que o ocupante do cargo perca as próximas eleições, a pesquisa da cientista política Gretchen Helmke descobriu. A inflação na Turquia está galopando a mais de 80 por cento ao ano. Se a popularidade de Erdogan continuar flácida, os juízes podem ficar mais dispostos a governar a favor da oposição. 

Este veredicto vai ajudar ou prejudicar Erdogan nas urnas? 

Mas a inflação não é o único perigo que Erdogan enfrenta: Este caso judicial pode voltar para mordê-lo nas eleições do próximo ano. Com certeza, a capacidade de Erdogan de usar as instituições estatais contra os oponentes inclina fortemente o campo de jogo político a seu favor. Mas, como argumenta o cientista político Milan Svolik, os eleitores às vezes se rebelam contra os esforços para subverter a democracia. 

As eleições que levaram o İmamoğlu ao poder são o exemplo perfeito de como líderes iliberais podem calcular mal. Após o candidato escolhido a dedo por Erdogan para prefeito de Istambul ter perdido por pouco para o İmamoğlu em março de 2019, Erdogan e seu partido alegaram irregularidades e apelaram para uma reeleição. Nessa repetição, a margem de vitória do İmamoğlu subiu de menos de 14.000 votos para uma enxurrada de mais de 800.000. 

Como a pesquisa de Svolik descobre, a tentativa do governo de anular as primeiras eleições alimentou a vitória do İmamoğlu de três maneiras. Mais eleitores pró-oposição saíram para votar. Menos eleitores pró-governo foram às urnas. E o mais surpreendente é que, embora a Turquia seja um dos países mais polarizados do mundo, alguns eleitores trocaram de lado. 

Ironicamente, a própria ascensão de Erdogan mostra como as violações das normas democráticas podem galvanizar os eleitores. Depois que Erdogan ganhou as eleições de 1994 para prefeito de Istambul, o establishment político secularista da Turquia o acusou de incitar ao ódio por recitar um poema, levando a uma pena de prisão e a uma interdição política. Longe de terminar a carreira de Erdogan, o caso gerou uma percepção de injustiça que “maximizou a popularidade de Erdogan”, como diz o escritor Kaya Genc. 

Os observadores já chamaram a condenação do İmamoğlu de “mudança de jogo” porque ajudou a unir a coalizão de oposição da Turquia, um grupo de seis partidos conhecidos como a “Mesa dos Seis”, que concordaram em nomear um candidato presidencial conjunto. Os seis partidos organizaram imediatamente um comício na defesa do İmamoğlu, atraindo milhares de apoiadores e líderes-chave da oposição. 

Ao lado do İmamoğlu na noite do veredicto, a política da oposição Meral Akşener declarou: “É quando [os governos] têm medo é que eles oprimam e executem injustiças”. Somente as eleições de 2023 da Turquia – e as batalhas legais que as precederam – dirão se a condenação do prefeito de Istambul foi um sinal da força de Erdogan ou um erro grosseiro de cálculo. 

História de Andrew O’Donohue, Cem Tecimer 

Fonte: A Turkish court sentenced Erdogan’s rival to prison. That could backfire. (msn.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer