Últimas notícias

Rússia instalará sistemas de radar e mísseis próximos a instalações críticas da OTAN na Turquia, o que suscita preocupações com a segurança

Rússia instalará sistemas de radar e mísseis próximos a instalações críticas da OTAN na Turquia, o que suscita preocupações com a segurança
novembro 15
22:09 2022

Os planos russos de instalar sistemas de radar e mísseis em uma cidade turca localizada a cerca de 280 milhas de uma base de radar crítica da OTAN como parte de um acordo para construir uma usina nuclear de 4.500-MW de capacidade na Turquia provocou um protesto e preocupações de segurança por parte da oposição. 

“A instalação de um sistema de radar também significa o estabelecimento de um sistema de defesa aérea”. Em outras palavras, você já deu permissão para a construção de uma usina nuclear que não podemos proteger nós mesmos? Como e em que base o software para este sistema, que será deixado inteiramente para os russos, fará distinção entre amigos e inimigos?” perguntou o legislador da oposição Zeki Hakan Sıdalı durante um debate no parlamento em 26 de outubro. 

Sıdalı representa a província de Mersin, onde a Corporação Russa de Energia Nuclear Estadual Rosatom está construindo a primeira usina nuclear da Turquia na cidade de Akkuyu, perto de Buyukeceli, no distrito de Gulnar. 

O acordo foi assinado originalmente como um acordo intergovernamental entre os dois países em maio de 2010, mas numerosas concessões à Rússia foram feitas pelo presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, que emitiu precipitadamente decretos e apressou leis através do parlamento para agradar ao Kremlin. 

Como os termos do acordo se tornaram mais claros com a construção da usina, descobriu-se que a Rússia estaria instalando um sistema de radar próximo à usina e possivelmente implantando mísseis de longo alcance como os S-400, sob o pretexto de fornecer segurança para a instalação nuclear. 

Não há referência explícita no acordo bilateral ou nos regulamentos adotados na Turquia desde 2010 à permissão concedida para tais sistemas, além das disposições gerais sobre o estabelecimento de Sistemas Centrais de Alarme (MAI) para segurança dentro e ao redor da usina. 

A regulamentação detalhada emitida pela Autoridade Reguladora Nuclear da Turquia (Nükleer Düzenleme Kurumu, NDK) em 8 de agosto de 2020 sobre a segurança da instalação nuclear e dos materiais também não fez nenhuma menção a sistemas de radar ou mísseis. 

A questão foi debatida calorosamente no parlamento turco, e foi apresentada uma contestação legal em um tribunal turco para impedir a empresa turca controlada pela Rússia de prosseguir com a construção como planejado. 

Hasan Cüneyt Zapsu, um confidente do presidente turco, tornou-se membro do conselho de administração da Akkuyu NGS Nuclear Santral A.Ş. em 2013. 

“Você está trazendo uma bomba atômica para Akkuyu [a cidade onde a usina está sendo construída] e entregando o botão a Putin e ao Kremlin”, disse o legislador da oposição Serkan Topal. 

Akkuyu fica na costa leste do Mediterrâneo, não muito longe de uma sofisticada base de radar no distrito de Kürecik em Malatya, parte do sistema de defesa antimísseis da OTAN, que trabalha com interceptores de mísseis na Romênia e na Polônia para combater uma ameaça de mísseis. Que tipo de radar e sistemas de defesa aérea os russos planejam trazer para Akkuyu e se comprometeriam a segurança da Turquia e de seus aliados da OTAN é uma questão em aberto. 

O governo do Presidente Recep Tayyip Erdoğan não tem sido apresentado com detalhes sobre a construção da usina, que está estimada em cerca de US$ 20 a US$ 22 bilhões. Todo o processo tem faltado transparência e está envolto em sigilo. O governo também não tem respondido às críticas da oposição sobre uma série de questões, desde preocupações de segurança nacional até uma maior dependência da Rússia em relação ao fornecimento de energia, desde relatórios de estudos de impacto ambiental falhos até garantias de compra de eletricidade a preços exagerados, que muitos suspeitam foram projetados para enriquecer os amigos do Presidente Erdoğan. 

Os russos parecem estar inventando suas próprias regras à medida que avançam com seus planos em relação à construção da usina elétrica. A Akkuyu NGS Nuclear Santral A.Ş, a empresa criada na Turquia pela Rússia para administrar a usina e supervisionar a construção, foi processada em um tribunal turco pelo único membro da diretoria turca, Hasan Cüneyt Zapsu, que alegou que a diretoria dominada pela Rússia o deixou no escuro e não o incluiu no processo de tomada de decisão. 

Zapsu, um aliado de longa data do Presidente Erdoğan, declarou que a instalação do radar poderia representar um risco de segurança nacional para a Turquia e poderia não estar alinhada com a política externa turca. Ele disse à diretoria que a empresa precisava falar com as autoridades turcas antes de adjudicar um contrato a uma empresa russa, mas ele foi ignorado e os russos da diretoria simplesmente tomaram uma decisão em 6 de junho de 2021 e lhe pediram para carimbar o documento, algo que já vem acontecendo há algum tempo. 

No entanto, Zapsu não se demitiu da diretoria quando foi rejeitado pela maioria, e a ação judicial pode ser simplesmente um movimento tático para fortalecer a mão de seu aliado Erdoğan em conversas com o presidente russo Vladimir Putin na resolução de questões pendentes com o projeto. Ele também pode estar traçando um caminho para uma saída segura caso Erdoğan seja expulso do poder nas eleições do próximo ano e para evitar ser responsabilizado por irregularidades na concessão do contrato multibilionário aos russos. 

Em todo caso, o desafio legal e os debates parlamentares têm gerado uma grande atenção ao projeto Akkuyu nos últimos meses. De acordo com o legislador da oposição Ali Mahir Başarır, a atribuição de 10 milhões de metros quadrados (3,86 milhas quadradas) de terra à Rússia para o projeto parecia suspeita porque usinas similares em outros países operam em uma área média de 1 milhão de metros quadrados. Isso sugere que a Rússia tem alguns outros planos para o terreno que o governo não está divulgando, disse ele. 

Documentos da empresa revelam a oposição de um membro do conselho de administração à construção de uma base de radar perto da usina elétrica controlada pela Rússia. 

Além disso, o governo Erdoğan tem feito tudo ao seu alcance para suprimir as críticas e esconder do público os detalhes dos problemas na construção da usina. 

Uma moção parlamentar apresentada pela principal oposição Partido Republicano do Povo (CHP) em 24 de outubro de 2022 pediu ao legislador que criasse uma comissão de investigação para investigar questões de segurança para o sistema de radar a ser construído pela Rússia em Akkuyu. 

A moção se referia à decisão No.2021/17 do conselho de administração da Akkuyu NGS Nuclear Santral A.Ş. em 16 de junho de 2021 que afirmava que a empresa havia assinado um contrato de segurança com uma empresa chamada New Era of Industrial Technologies (NEPT) A.Ş. para adquirir sistemas de segurança física em e cerca de quatro unidades de geração de energia nuclear em Akkuyu. A NEPT é uma empresa russa que também tem uma filial na Turquia, e o contrato era para “Sistema de Segurança Física para Instalações em Ilhas Nucleares” (Nükleer Ada Tesisleri Fiziksel Koruma Sistemi). A NEPT é especializada em sistemas de segurança perimetral para instalações importantes, especialmente instalações nucleares na Rússia. 

A moção parlamentar que pedia uma investigação sobre as preocupações de segurança na construção de uma base de radar perto da usina foi rejeitada pelo partido Erdoğan e seus aliados. 

Apesar das advertências da oposição de que uma base de radar poderia comprometer a segurança nacional da Turquia e violar sua soberania, a moção foi derrotada na Assembleia Geral em 26 de outubro por maioria de votos do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), no poder, e de seus apoiadores de extrema direita do Partido do Movimento Nacionalista (MHP). 

No entanto, o debate forneceu mais detalhes sobre algumas das disputas sobre o projeto Akkuyu. De acordo com a ação judicial de Zapsu, apresentada no 9º Tribunal de Comércio de Ankara sob o processo No.2022/655, ele foi afastado do processo de tomada de decisão da Akkuyu NGS, que está construindo a usina e a estará operando quando ela entrar em operação. 

Para este projeto, os russos estabeleceram uma firma turca especial em Ancara sob o nome de Akkuyu NGS Elektrik Üretim A.Ş. em 13 de dezembro de 2010 com um capital inicial de 150 milhões de liras turcas. Todos os cinco membros fundadores e acionistas eram empresas russas, listadas como Atomstroyexport, Inter Rao Ues, Konzern Rosenergoatom, Atomtechenergo e Atomenergoremont. Todos os membros da diretoria eram de nacionalidade russa. Em novembro de 2013, o confidente Zapsu, Erdoğan, foi trazido como membro do conselho. 

Com as últimas mudanças comunicadas ao Registro de Comércio no final de 2021, a diretoria é composta por Anastasia Zoteeva (presidente), Anton Dedusenko (vice-presidente), Ekaterina Lyakhova, Hemi Edouard Proglio, Gennady Sakharov, Alexey Zhukov, Zapsu e Sergey Zvegintsev. 

Além disso, surgiram problemas durante a fase de construção da usina. A Akkuyu NGS contratou a construção de uma joint venture chamada T2-IC, que é igualmente propriedade da empresa turca IC İçtaş İnşaat Sanayi ve Ticaret AŞ e da empresa russa Titan-2. O contrato foi adjudicado à T2-IC em 22 de julho de 2019 com um empurrão do Presidente Erdoğan para enriquecer seus associados comerciais próximos, embora İçtaş nunca tivesse estado envolvido na construção de uma usina de energia nuclear. 

A falta de experiência aliada a uma série de erros cometidos pela empresa turca na construção causou atrasos desnecessários. Foram detectadas rachaduras na fundação da usina, mas o órgão regulador turco NDK foi aconselhado pelo governo a ignorar essas falhas e não investigar violações. Com um novo decreto presidencial emitido por Erdoğan em fevereiro de 2019, foram feitas mudanças para corrigir o problema despejando concreto sobre a fundação para cobrir as rachaduras. 

Fartos de uma série de erros cometidos por İçtaş, os russos acabaram decidindo rescindir o contrato com o T2-IC em 26 de julho de 2022, o que levou ao despedimento de milhares de trabalhadores turcos que foram contratados pelo empreiteiro turco. Uma disputa trabalhista irrompeu e foi levada aos tribunais locais, que foram impedidos de investigar as alegações. O assunto foi escalado para o nível intergovernamental e finalmente resolvido durante uma reunião entre Erdoğan e Putin em setembro de 2022 em Samarkand, Uzbequistão, à margem da cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (SCO). İçtaş tornou-se novamente o empreiteiro.  

Em troca, a Rússia teria extraído grandes concessões de Erdoğan sobre diversas questões, como a utilização da Turquia para contornar as sanções ocidentais e fornecer santuário para os oligarcas caçados pelo Ocidente. Mais importante ainda, os russos asseguraram o compromisso de Erdoğan de não contestar as mudanças aprovadas pelo conselho de administração da Akkuyu NGS em uma reunião do conselho em 12 de março de 2019. As mudanças, que não faziam parte do acordo original que foi aprovado pelo parlamento turco, abriram o caminho para a Rússia expandir sua presença no porto de Mersin e suas instalações marítimas no Mediterrâneo. 

De acordo com o acordo original, a Akkuyu NGS tem o direito de construir, gerenciar e utilizar instalações portuárias para o transporte, armazenamento e carregamento e descarregamento de materiais necessários para a usina elétrica. Entretanto, com as novas mudanças introduzidas pelo conselho, a Rússia também adquiriu direitos para construir portos comerciais que possam ser usados como base de expedição para atender às necessidades logísticas dos navios navais russos no Mediterrâneo. Erdoğan alegadamente se comprometeu a não contestar esses planos mesmo que não tenham sido aprovados pelo parlamento. 

O Presidente Recep Tayyip Erdoğan reuniu-se com o Presidente russo Vladimir Putin à margem da 22ª Reunião do Conselho de Chefes de Estado da Organização de Cooperação de Xangai (SCO). 

Para adoçar o acordo, Putin prometeu, segundo informações, ajudar nas eleições do próximo ano de Erdoğan, o que colocará à prova a regra dos 20 anos de Erdoğan em meio ao crescimento das dificuldades econômicas que os eleitores turcos estão sofrendo. Propostas que vão desde operações de influência russa para promover Erdoğan durante a campanha eleitoral até a oferta de descontos no preço da energia que a Turquia compra da Rússia foi trazida à mesa durante as conversações. 

De qualquer forma, as consequências dos problemas com a primeira usina nuclear da Turquia continuam a desencadear o debate político na Turquia, e o profundo envolvimento da Rússia no projeto pode muito bem ter repercussões em termos de preocupações de segurança entre os aliados da OTAN da Turquia. 

por Abdullah Bozkurt  

Fonte: Russia to install radar and missile systems close to critical NATO facilities in Turkey, prompting security concerns – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer