Últimas notícias

Líder sueco entra em ofensiva de charme para ganhar apoio da Turquia para candidatura de adesão à OTAN

Líder sueco entra em ofensiva de charme para ganhar apoio da Turquia para candidatura de adesão à OTAN
novembro 08
20:30 2022

A Suécia ainda tem “muitas medidas a tomar” para ganhar a aprovação da Turquia para sua candidatura de adesão à OTAN, disse um alto funcionário turco na terça-feira, quando o novo primeiro-ministro sueco visitou Ancara na esperança de eliminar o obstáculo para seu país aderir à aliança militar. 

A Suécia e a Finlândia abandonaram suas políticas de longo prazo de não-alinhamento militar e se candidataram à adesão à OTAN depois que as forças russas invadiram a Ucrânia em fevereiro, temendo que o presidente russo Vladimir Putin pudesse atacá-los em seguida. 

Mas a Turquia, que aderiu à OTAN em 1952, ainda não endossou sua adesão, o que requer a aprovação unânime dos membros existentes da aliança. O governo turco acusou a Suécia – e, em menor grau, a Finlândia – de ignorar suas preocupações de segurança. 

O governo do presidente turco Recep Tayyip Erdogan está pressionando os dois países a reprimir os indivíduos que considera terroristas, incluindo apoiadores do Partido dos Trabalhadores do Curdistão proscrito, ou PKK, e pessoas suspeitas de orquestrar um golpe de Estado falhado em 2016 na Turquia. 

O Primeiro-Ministro sueco Ulf Kristersson manteve conversações com o Presidente do Parlamento turco Mustafa Sentop na terça-feira e estava agendado um encontro com Erdogan no complexo do palácio presidencial turco. 

A Turquia também pediu o levantamento de um embargo de armas imposto após sua incursão de 2019 no norte da Síria para combater os militantes curdos. A Suécia disse no mês passado que levantaria o embargo, um passo visto como um esforço para garantir a aprovação de Ancara para sua adesão à OTAN. 

A Sentop disse que o parlamento turco saudou a decisão da Suécia de remover restrições na indústria de defesa, mas disse que grupos que a Turquia considera terroristas ainda são capazes de conduzir “atividades de propaganda, financiamento e recrutamento” na Suécia. 

“Nenhum progresso foi feito em relação aos nossos pedidos de extradição”, acrescentou Sentop. 

Kristersson escreveu segunda-feira no Facebook que “faremos significativamente mais na Suécia através de uma nova legislação que oferece oportunidades completamente novas para parar a participação em organizações terroristas”. 

A Suécia também apoiaria o fundo antiterrorista da OTAN para apoiar a capacidade da aliança de combater o terrorismo, escreveu Kristersson. 

O novo governo de centro-direita da Suécia está tomando uma linha mais dura não apenas em relação ao PKK, mas também em relação ao grupo da milícia curda síria YPG e seu ramo político, o PYD. A Turquia considera o YPG como o braço sírio do PKK 

O Ministro das Relações Exteriores da Suécia Tobias Billström disse em uma entrevista com a Rádio Sueca durante o fim de semana que havia laços estreitos entre o PKK e o YPG/PYD. A Suécia, portanto, “manteria distância” dos grupos sírios para não prejudicar as relações com a Turquia, disse o ministro. 

Membros do anterior governo social-democrata da Suécia criticaram os comentários. O ex-ministro da Justiça Morgan Johansson chamou o tratamento do novo governo do processo de acessão à OTAN de “preocupante e aquiescente”. 

Os curdos na Suécia também foram críticos. Kurdo Baksi, um escritor e comentarista curdo que vive na Suécia há décadas, chamou as observações de Billström de desrespeitosas, dados os sacrifícios feitos pelos curdos sírios na luta contra o grupo do Estado islâmico. 

Na Síria, o porta-voz do PYD, Sama Bakdash, acusou a Turquia de apoiar “facções terroristas” na Síria. 

“Acreditamos que o fato de o governo sueco se curvar à chantagem turca contradiz os princípios e a moral da sociedade sueca e as atitudes humanitárias que caracterizaram a Suécia em nível global”, disse ela. 

Todos os 30 países membros da OTAN devem ratificar oficialmente o protocolo de adesão para que a Finlândia e a Suécia adiram à aliança. Somente os parlamentos da Turquia e da Hungria ainda não o fizeram. 

Na semana passada, o Secretário Geral da OTAN Jens Stoltenberg viajou para a Turquia e instou o país a deixar de lado suas reservas, insistindo que os vizinhos nórdicos tinham feito o suficiente para satisfazer as preocupações de Ancara. 

As autoridades turcas disseram que a Suécia e a Finlândia devem primeiro atender às exigências que foram acordadas em um memorando conjunto. O memorando de 10 artigos foi revelado antes de uma cúpula da OTAN em junho, depois que a Turquia ameaçou vetar os pedidos dos países. 

“Ambos os países tomaram uma série de medidas, mas é difícil dizer que cumpriram seus compromissos nesta etapa”, a agência estatal Anadolu citou o Ministro das Relações Exteriores turco Mevlüt Çavuşoğlu como dizendo no final da segunda-feira. 

Çavuşoğlu descreveu a visita de Kristersson como “crítica” em termos de a Suécia tomar “medidas concretas” para atender às exigências da Turquia. 

(AP) 

Fonte: Sweden’s leader goes on charm offensive to win Turkish support for NATO membership bid (msn.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer