Últimas notícias

Turquia não pode mais ser permitida a manter a adesão à OTAN como refém, diz o sindicato sueco de jornalistas

Turquia não pode mais ser permitida a manter a adesão à OTAN como refém, diz o sindicato sueco de jornalistas
novembro 07
21:59 2022

A presidente da Associação Sueca de Jornalistas (Journalistförbundet) pediu às autoridades suecas que tomassem medidas para proteger os jornalistas turcos no exílio naquele país e que não permitissem que a Turquia utilizasse a proposta de adesão do país à OTAN como moeda de troca para a extradição de jornalistas. 

Em um artigo publicado pelo jornal Expressen na segunda-feira, Ulrika Hyllert disse que os jornalistas turcos exilados na Suécia estão sendo visados pelo presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, que disse aproveitar o pedido pendente de adesão da Suécia à aliança de defesa ocidental e que as autoridades suecas devem fornecer proteção a esses jornalistas. 

O REGIME DE ERDOĞAN ESTÁ CAÇANDO OS JORNALISTAS TURCOS EXILADOS NA SUÉCIA. ELES DEVEM SER PROTEGIDOS PELAS AUTORIDADES SUECAS. NÃO SE PODE MAIS PERMITIR QUE OS MEMBROS DA OTAN SEJAM MANTIDOS COMO REFÉNS. @IFJGLOBAL @EFJEUROPE 

– JOURNALISTFÖRBUNDET (@JOURNALISTFORB) 31 DE OUTUBRO DE 2022 

A Turquia, membro da OTAN, está ameaçando descarrilar as tentativas da Suécia e da Finlândia de aderir à aliança a menos que extradite dezenas de pessoas que Ancara acusa de “terrorismo”, incluindo alguns jornalistas turcos exilados que vivem na Suécia. 

Hyllert explicou que jornalistas exilados da Turquia que vivem na Suécia sempre estiveram em risco, mas com o pedido da Suécia para aderir à OTAN, a pressão sobre esses jornalistas aumentou. 

Os jornalistas turcos exilados na Suécia, particularmente aqueles que constam de uma lista de dissidentes políticos cuja extradição é exigida pelo governo turco, foram recentemente alvo de um jornal turco pró-governamental, que revelou seus endereços de casa e publicou fotos tiradas secretamente. No mês passado, o jornal Sabah publicou as fotos dos jornalistas Bülent Keneş e Abdullah Bozkurt, que vivem ambos em Estocolmo. 

Na quarta-feira foi outro jornalista turco exilado em Estocolmo, Levent Kenez, cujas fotos e endereço foram publicados secretamente pelo Sabah. 

“O braço longo do Presidente Recep Tayyip Erdoğan chega até a Suécia para reprimir os dissidentes. Há também exemplos de jornalistas que foram ameaçados e espancados na Suécia depois de expor as atividades do regime em Ancara”, disse Hyllert. 

O jornalista Bozkurt sofreu ferimentos em um ataque em 2020 por dois homens fora de sua casa em Estocolmo por suas opiniões críticas sobre o governo turco. 

Da mesma forma, outro jornalista turco que vive no exílio na Suécia, Ahmet Dönmez, foi severamente espancado por dois homens em Estocolmo em março, após publicar um artigo crítico sobre as relações entre o estado turco e a máfia. 

Esses jornalistas estão entre as dezenas de pessoas que deixaram a Turquia após um golpe fracassado em julho de 2016 para evitar uma repressão pós golpe liderada pelo governo, visando tanto os jornalistas críticos quanto os cidadãos não lealistas. 

Eles continuam seu trabalho a partir do exterior, e suas reportagens e os posts nas mídia social enfurecem o governo e seus apoiadores enquanto falam sobre as relações sujas do governo turco e do presidente Erdoğan com grupos criminosos e organizações radicais, assim como sobre sua corrupção. 

Hyllert ressaltou que ao retratar críticos do regime, como os jornalistas sediados na Suécia, como terroristas e criminosos, a Turquia está tentando usar princípios democráticos para exercer pressão sobre a Suécia. 

Ela também argumentou que há muito tempo a Turquia abandonou todos os princípios democráticos, citando vários relatórios internacionais como os da V-Dem, Freedom House e EIU, que todos pintam um quadro sombrio das liberdades no país. 

Hyllert também disse que o Presidente Erdoğan queria aproveitar as negociações da OTAN para silenciar vozes críticas sobre a Turquia na Suécia e que, portanto, o governo sueco precisava tomar uma posição clara a favor da liberdade de expressão. 

“A Suécia deve parar de fingir que as exigências que a Turquia está apresentando nas negociações da Otan são baseadas em fundamentos democráticos”, acrescentou Hyllert. 

“Os jornalistas que estão sendo caçados por Erdoğan na Suécia devem ser protegidos pelas autoridades suecas. Exigimos que, nas conversações com a Turquia, o governo trabalhe para proteger os direitos humanos de uma forma condizente com uma democracia como a Suécia”, disse Hyllert. 

Um acordo não vinculativo que a Suécia e a Finlândia, aspirante à OTAN, assinaram com a Turquia em junho, os compromete a examinar “rápida e minuciosamente” os pedidos de Ancara para suspeitos ligados ao movimento Hizmet, que é rotulado como o cérebro de um golpe falhado e uma “organização terrorista” pelo governo turco, bem como membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que é reconhecido como uma organização terrorista pela Turquia e por grande parte da comunidade internacional. 

Tanto os funcionários dos governos sueco e finlandês disseram que continuarão a respeitar as leis nacionais e internacionais relativas aos pedidos de extradição da Turquia e que a decisão de extradições caberá às autoridades independentes e aos tribunais. 

Fonte: Turkey can’t be allowed to hold NATO membership hostage any longer, says Swedish journalists union – Stockholm Center for Freedom (stockholmcf.org)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer