Últimas notícias

O centenário da república e o atoleiro turco

O centenário da república e o atoleiro turco
novembro 03
23:16 2022

A conturbada república da Turquia entrou em seu centenário. Tudo pareceria bem no país se você levasse a sério o clima de celebração no dia que marca a ocasião em 29 de outubro de 2022. Uma república controlando aqueles que estão no poder, e sua base religiosa/nacionalista ou aqueles no campo oposto, enquanto espreme os seculares para as linhas costeiras do país. 

O etos do centenário da República Turca era tudo sobre orgulho e progresso. 

Orgulhoso? De verdade? Progresso? Como? 

O cerne da questão é que, como uma enorme crise sistêmica suspende o país em um ponto de coma coletivo, roendo os princípios do Estado, muito se trata de uma grande ilusão. 

Enquanto o poder maioritário e brutal do país e sua base radicalizada vivem em um sonho de silenciar todas as dissidências e oprimir os grupos de identidade indesejáveis, os outros segmentos vivem em um mundo imaginário de destituir o poder por meio de urnas, apesar do fato de que continua sendo incapaz de reunir seu próprio eleitorado unificado em uma única visão para o futuro. 

Em resumo, 99 anos de República Turca foram marcados por desigualdades, uma negação brutal da pluralidade de sua textura social, recusa de devolução de poder, negligência dos valores universais que fundem as repúblicas com a democracia, estado de direito disfuncional e descontentamento constante. É um sistema que nunca atingiu um nível de estabilidade sociopolítica. Foi a posição geopolítica única da república que preparou o caminho para a agitação interna, desacordos incessantes sobre seu governo e sua corrupção em todos os níveis. 

Agora, com uma regra de partido único sem precedentes do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) Erdoğan, o país devastado pela crise se prepara para um confronto, sob o disfarce das eleições no final da primavera de 2023. 

O medo e a esperança nunca estiveram tão interligados como agora e isto porque a votação definirá de vez, através de um sim ou não, o rumo final do país. 

Para Erdoğan, o caminho é claro. Ele está pronto para transformar a Turquia em uma república, na qual ele – com seus parceiros ultranacionalistas, e, negócios assustadores e círculos de segurança implacáveis – continuará sem dúvida, como o governante onipotente. Desafiando o líder turco é um grupo de partidos anões da oposição que enfrenta uma sociedade que, ele espera, terá aprendido o preço terrível da dissidência. Ele tem boas razões para um sucesso. 

Seus movimentos e atos contínuos podem falar contra a ilusão de que ele está enfraquecendo. Como alguém me disse recentemente, “Erdoğan encarna todas as diferentes características da sociedade da qual ele surgiu”. Há um ponto forte nesta declaração. Erdoğan é o produto da cultura que é herdada da era otomana e de muitas maneiras endossada pelos fundadores e “guardiões” da república. Em uma sociedade que reproduz o tribalismo – do rural ao urbano, da esquerda à direita – e o patriarcalismo, os turcos sempre amaram os elementos fortes do “punho de ferro” – seja em seus líderes ou em instituições como os militares. Para eles, é a “autoridade” que possui a única misericórdia de ajudar as massas obedientes. 

Erdoğan sabe disso e realiza implementações bem-sucedidas baseadas em padrões culturais. Ele sabe que as clássicas “teorias de classe” nunca funcionaram na Turquia. Assim que um líder eleito tem a oportunidade de “decodificar o Estado”, ele não tem mais a necessidade de depender das massas. Como um camaleão, ele sabia quando e como purgar seus aliados, e renová-los. Por mais afortunado e astuto que fosse fazê-lo, ele agora tem todas as ferramentas necessárias do Estado e apoio externo para se aproximar de seu sonho: Chegar ao auge de sua carreira política como líder invencível da república. 

Em outras palavras, um transformador formidável, temido, assustado e sempre determinado – no país e no exterior. 

Todas as fichas estão efetivamente empilhadas a seu favor. Contra sua estratégia está um confuso, fragmentado, o chamado bloco de oposição “centrista” que mantém uma força política decisiva na alienação: o HDP pró-curdo. Ao fazer isso, a aliança da oposição se mantém aleijada e vulnerável. 

A doença entre a elite da oposição turca é surpreendente. Após duas décadas de regra, ela continua a subestimar as habilidades, o instinto de sobrevivência e a atitude de temeridade política Erdoğan exibe. O faz-de-conta ainda continua, até hoje, mesmo quando Erdoğan joga seu jogo com sucesso na política internacional, como um mestre de xadrez inteligente de rua. Suas credenciais desempenham um papel na Rússia, na Arábia Saudita, no Golfo e no Reino Unido, proporcionando investimento para ele mesmo no futuro. Ele também está prosperando em uma União Europeia aleijada e em um Estados Unidos indeciso. 

A visão de um pássaro seria suficiente para dizer quão preocupante é o cenário político na Turquia centenária. O bloco de oposição “centrista”, a chamada “Mesa dos Seis”, consiste de todos os partidos nacionalistas ou conservadores. (Sim, a CHP secular não é de modo algum um partido de esquerda: é por definição um partido republicano, estatista, elitista, nacionalista, cuja política externa está cada vez mais distante do Ocidente). 

Ao mesmo tempo, mesmo a “Mesa das Seis” é um produto da cultura, que bloqueia os partidos políticos do rejuvenescimento, do internacionalismo, da modernidade e do patriarcalismo. Assim, em poucas palavras, o palco político da “batalha do século” será motivo de agitação dentro da classe política podre. (Para os interessados, há algumas seções sobre seus padrões em meu livro “Die Hoffnung stirbt am Bosporus” – “A esperança morre em Bosporus”, Droemer, 2018). 

No entanto, os esperançosos podem objetar e ressaltar que Erdoğan pode não ser tão invisível na etapa presidencial das eleições. A grande ilusão que varre os círculos ociosos da oposição turca a realidade de que, pelo menos no momento e a menos que ocorra um milagre, a oposição será incapaz de nomear um candidato que poderá ter a coragem, resistência, eloquência e visão para rivalizar com Erdoğan. 

A história ensina uma e outra vez a mesma lição: Os líderes definem o curso da história. Na Turquia, há (foi) um e ele está na prisão: Selahattin Demirtaş. Assim, mesmo que Erdoğan perca (um resultado altamente improvável dadas as circunstâncias), se considerarmos as estruturas na burocracia que ele formou, seu sucessor pode apenas ser capaz de realizar mudanças cosméticas e será incapaz de superar a tarefa hercúlea de lidar com a crise multidimensional do país. 

Mas permaneçamos esperançosos de que tal análise esteja comprovadamente errada. 

Não percamos de vista a famosa citação: “Os pessimistas são otimistas bem-informados”. 

Fonte: The republic’s centennial and the Turkish quagmire | Ahval (ahvalnews.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer