Últimas notícias

S-300s gregos e sírios: Estes desenvolvimentos simultâneos poderiam ter ramificações amplas

S-300s gregos e sírios: Estes desenvolvimentos simultâneos poderiam ter ramificações amplas
agosto 29
22:57 2022

Dois desenvolvimentos simultâneos em agosto relacionados aos sistemas de mísseis de defesa aérea S-300 construídos na Grécia e na Síria podem ter ramificações substanciais para ambas as regiões. 

Creta bloqueada 

Em 28 de agosto, a imprensa estatal da Turquia informou que o radar de rastreamento de um sistema grego S-300 em Creta travou em jatos de caça F-16 turcos voando a uma altitude de 10.000 pés a oeste das ilhas gregas de Rodes em 23 de agosto. De acordo com a Turquia, seus F-16 estavam sendo submetidos a uma missão de reconhecimento no espaço aéreo internacional. 

Se confirmado, o incidente levanta sérias questões sobre o status desses mísseis baseados em Creta. 

A República do Chipre ordenou originalmente aqueles S-300 em Creta em meados dos anos 90. Eles acabaram sendo desviados para a Grécia depois que a Turquia ameaçou destruí-los preventivamente se chegassem à ilha dividida. A Grécia os colocou em depósito e mais tarde os testou pela primeira vez em 2013. 

Se um radar grego S-300 de fato se fixou nos F-16 turcos em agosto, isso poderia indicar que Atenas pode estar testando o sistema novamente ou considerando colocá-los em serviço militar ativo. 

O Ministro da Defesa grego Nikos Panagiotopoulos descartou a perspectiva de a Grécia transferir seus S-300 para a Ucrânia no início de junho, proclamando que a Grécia enfrenta “uma ameaça real” e não iria transferir “o que precisamos, o que é útil, e principalmente ativo operacionalmente”. 

Panagiotopoulos sem dúvida tinha a Turquia em mente quando falou sobre a ameaça que a Grécia enfrentava. Embora as tensões entre a Grécia e a Turquia tenham aquecido novamente nos últimos meses, colocar os S-300s gregos em serviço ativo poderia aumentar ainda mais as tensões e possivelmente até desencadear uma crise. 

Quando a Grécia obteve os S-300 pela primeira vez, a Turquia alegou que a ameaça de conflito estava apenas sendo deslocada do Mediterrâneo Oriental para o Mar Egeu. Levantando pontos semelhantes que os EUA e a OTAN recentemente levantaram para a Turquia para sua aquisição dos mais recentes e mais avançados S-400s russos, as autoridades turcas advertiram que os S-300s no arsenal da Grécia poderiam prejudicar a segurança da OTAN. Afinal, esses mísseis foram projetados para abater aviões de guerra da OTAN. 

Em 1999, um diplomata sênior da OTAN advertiu que os S-300s gregos poderiam ameaçar tanto os aviões de guerra gregos quanto os turcos, uma vez que não possuíam os sistemas padrão da OTAN de Identificação Amigo ou inimigo (IFF). Ao mesmo tempo, um diplomata sênior ocidental também advertiu que esses mísseis poderiam inadvertidamente desencadear uma guerra, afirmando: “É absolutamente possível que os aviões de guerra turcos voem dentro do alcance dos mísseis durante voos de rotina no espaço aéreo internacional, que os mísseis se fixem neles e que os aviões turcos respondam”. 

Vinte e três anos depois, se a última alegação de Ankara for de fato precisa, um radar S-300 foi travado em aviões de guerra turcos. 

Não está claro se a Grécia resolveu a IFF e outras questões mencionadas acima por esses diplomatas no final do século passado. Entretanto, o fato de terem disparado o S-300 em exercícios de treinamento sugere que os gregos estão, pelo menos, adequadamente familiarizados com o seu funcionamento. 

De qualquer forma, colocar esses sistemas estratégicos de mísseis russos em serviço ativo agora poderia arriscar uma escalada significativa nas recorrentes tensões greco-turcas sobre o Egeu com consequências imprevisíveis. 

A redistribuição da Síria 

Imagens de satélite recentes divulgadas pela empresa privada ImageSat Intl. mostram que a Rússia pegou o sistema aparentemente sírio S-300 baseado em Masyaf no noroeste da Síria e o enviou para fora do país. 

A Rússia entregou o S-300 pela primeira vez em 2018. Alegou que a bateria ajudaria a modernizar as antigas defesas aéreas da Síria depois que um míssil S-200 sírio antigo derrubou um transporte militar russo enquanto tentava atingir jatos israelenses atacando alvos na província de Latakia. Todos os 15 militares russos a bordo daquele avião pereceram. 

Entretanto, desde aquela entrega, ficou claro que somente o pessoal russo estava encarregado desses mísseis sírios. Consequentemente, a Síria nunca foi autorizada a usá-los contra aviões de guerra israelenses que frequentemente penetram no espaço aéreo do país para atacar alvos suspeitos relacionados ao Irã. Por isso foi notável quando um míssil S-300 foi disparado no dia 13 de maio pela primeira vez logo após jatos israelenses atacarem alvos perto de Masyaf. O míssil não tinha uma trava de radar em nenhum dos jatos e, como especulado aqui na época, o disparo foi claramente um tiro através da proa apenas com o objetivo de advertir Israel contra o cruzamento das linhas vermelhas russas. 

De fato, o Ministro da Defesa israelense Benny Gantz descreveu-o como “um incidente pontual” no final de julho e enfatizou que os jatos israelenses não estavam em perigo e “não estavam sequer na área” quando o míssil foi lançado. 

Em 14 de agosto, os jatos israelenses visavam um carregamento de mísseis de fabricação iraniana nos arredores do porto Tartus da Rússia, na Síria ocidental. Esse incidente demonstrou que Israel não tinha sido dissuadido de atingir alvos iranianos na Síria, mesmo que estejam em áreas que a Rússia veja como uma violação de suas linhas vermelhas. 

Com a Rússia tendo empacotado e enviado o “S-300 da Síria” para fora do país, as defesas aéreas de Damasco continuam limitadas, antiquadas e incapazes de impedir a continuação dos ataques aéreos israelenses. A Rússia mantém seus mísseis militares S-400 em sua base aérea na província de Latakia, na Síria, mas é pouco provável que os utilize contra os jatos israelenses em nome da Síria. 

Enquanto a Rússia atrai algumas de suas forças na Síria para apoiar a guerra da Ucrânia, tem havido temores e especulações recorrentes de que isto está permitindo que o Irã se enraíze mais profundamente no país em seu lugar. 

Ao mesmo tempo, a remoção do Maysaf S-300, nas palavras de alguém que opinou na imprensa israelense, abriu o caminho para as greves israelenses. Além disso, a redistribuição do S-300 coincide com a revelação, divulgada pelo New York Times em 26 de agosto, de que a Síria disse ao Irã que não quer nenhuma retaliação pelas greves israelenses realizadas a partir de solo sírio, temendo que isso possa desencadear uma guerra total. Consequentemente, o Irã e seus procuradores retaliaram pelo ataque israelense de 14 de agosto, visando as bases dos EUA na Síria no dia seguinte. 

A redistribuição do S-300 sírio acaba por provar o que já era claro há muito tempo: a redistribuição do sistema para a Síria pela Rússia em 2018 foi um gesto totalmente inútil (assim como o seu 13 de maio), que nunca iria impedir Israel de atacar os procuradores do Irã na Síria. Sua redistribuição também poderia sinalizar que a Força Aérea israelense tem ainda maior liberdade de ação sobre aquele país, já que a Rússia concentra mais de seus recursos e atenção em sua dispendiosa guerra na Ucrânia. 

Paul Iddon 

Sou um jornalista/colunista que escreve sobre assuntos militares e políticos do Oriente Médio. 

Fonte: Of Greek And Syrian S-300s: These Concurrent Developments Could Have Wide-Ranging Ramifications (forbes.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer