Últimas notícias

Zelensky, da Ucrânia, recebe o chefe da ONU e líder da Turquia

Zelensky, da Ucrânia, recebe o chefe da ONU e líder da Turquia
agosto 18
22:16 2022

Como potencial corretor de poder, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan usará sua primeira visita à Ucrânia desde que a guerra começou há quase seis meses para buscar maneiras de expandir a exportação de grãos do celeiro da Europa para os necessitados do mundo. O Secretário Geral da ONU, António Guterres, usará sua visita para se concentrar em conter a situação volátil em uma usina nuclear ocupada pela Rússia. 

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky recebe ambos os homens na quinta-feira, longe das linhas de frente, na cidade ocidental de Lviv, onde os esforços diplomáticos para ajudar a acabar com a guerra também estarão na agenda. 

Enquanto isso, os gritos das conchas que chegam ainda dominam os sussurros da diplomacia. Pelo menos 11 pessoas foram mortas e 40 ficaram feridas em uma série de ataques maciços de mísseis russos na região de Kharkiv, na quarta-feira à noite e na quinta-feira de manhã. 

O ataque de última quarta-feira em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, matou pelo menos sete pessoas, feriu outras 20 e danificou edifícios residenciais e infraestrutura civil, disseram as autoridades. 

Ao mesmo tempo, o Ministério da Defesa russo, na manhã de quinta-feira, afirmou que tinha como alvo “uma base temporária de mercenários estrangeiros” em Kharkiv, matando 90 deles. 

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse que os três líderes também discutirão a situação na usina nuclear de Zaporizhzhia, controlada pela Rússia, no sul da Ucrânia – que é a maior usina nuclear da Europa. Moscou e Kyiv acusaram um ao outro de bombardear o complexo. 

Em seu discurso noturno em vídeo na quarta-feira, Zelensky reafirmou sua exigência de que os militares russos deixem a usina, enfatizando que “somente a absoluta transparência e controle da situação” por parte, entre outros, da Agência Internacional de Energia Atômica da ONU, poderia garantir um retorno à segurança nuclear. 

A Rússia jogou as ameaças que a fábrica representava em tempo de guerra. O tenente-general Igor Kirillov, comandante das forças de proteção radiológica, química e biológica do exército russo, acusou que as tropas ucranianas estavam planejando atacar a usina novamente na sexta-feira, enquanto Guterres ainda visitará a Ucrânia para acusar a Rússia de terrorismo nuclear. A Ucrânia tem negado firmemente que está tendo como alvo a usina. 

Kirillov disse que uma emergência na usina poderia ver “uma descarga de substâncias radioativas na atmosfera e espalhá-las para centenas de quilômetros de distância … Uma emergência deste tipo causará uma migração maciça e terá conseqüências mais catastróficas do que a crise energética de gás que se aproxima na Europa”. 

Com tais desafios, o papel de um intermediário como Erdogan pode se tornar cada vez mais importante. 

Erdogan, cuja nação é membro da OTAN, que apoia a Ucrânia na guerra, também supervisiona uma economia vacilante que tem se tornado cada vez mais dependente da Rússia para o comércio. Esse pano de fundo transforma as reuniões de quinta-feira em Lviv em uma caminhada na corda bamba diplomática. No início deste mês, o líder turco se reuniu sobre os mesmos assuntos com o presidente russo Vladimir Putin. 

Erdogan está marcado para ter uma reunião de uma hora com Zelensky antes que ambos sejam acompanhados por Guterres. 

No mês passado, a Turquia e a ONU ajudaram a intermediar um acordo para que a Ucrânia exportasse 22 milhões de toneladas de milho e outros grãos presos em seus portos do Mar Negro desde que a Rússia invadiu em 24 de fevereiro. Um memorando separado entre a Rússia e a ONU objetivava liberar bloqueios de estradas para remessas de alimentos e fertilizantes russos para os mercados mundiais. 

A guerra e as exportações bloqueadas agravaram significativamente a crise alimentar global porque a Ucrânia e a Rússia são grandes fornecedores de alimentos. 

A Turquia está em condições de ajudar a acelerar as exportações, que até agora foram reduzidas a uma gota de água. O Ministério da Defesa da Turquia disse que mais de 622.000 toneladas de grãos foram embarcadas dos portos ucranianos desde o início do acordo do Mar Negro. 

Os preços dos grãos atingiram um pico após a invasão da Rússia e, embora alguns tenham voltado aos níveis anteriores à guerra, eles continuam significativamente mais altos do que antes da pandemia da COVID-19. Os países em desenvolvimento foram particularmente atingidos pela escassez de oferta e pelos preços altos. Embora os navios estejam agora deixando a Rússia e a Ucrânia, a crise alimentar ainda não terminou. 

Antes de suas reuniões, Guterres visitou a Universidade Nacional Ivan Franko de Lviv, a mais antiga da Ucrânia, e elogiou o papel das instituições acadêmicas na construção de instituições democráticas. 

Se os transportes de grãos e a segurança nuclear são questões em que algum progresso poderia ser feito, não se esperava que as conversações sobre o fim geral do conflito produzissem nada de substancial. 

Em março, a Turquia sediou uma rodada de conversações entre negociadores russos e ucranianos, que discutiram um possível acordo para pôr fim às hostilidades. As conversações fracassaram após a reunião em Istambul, com ambas as partes culpando uma à outra. 

Erdogan se engajou em um delicado ato de equilíbrio, mantendo boas relações tanto com a Rússia quanto com a Ucrânia. A Turquia forneceu drones à Ucrânia, que desempenhou um papel significativo em dissuadir um avanço russo no início do conflito, mas se absteve de aderir às sanções ocidentais contra a Rússia por causa da guerra. 

Enfrentando uma grande crise econômica com uma inflação oficial próxima a 80%, a Turquia depende cada vez mais da Rússia para o comércio e o turismo. O gás russo cobre 45% das necessidades energéticas turcas, e a agência atômica russa está construindo a primeira usina nuclear da Turquia. 

Durante sua reunião em Sochi neste mês, Putin e Erdogan concordaram em reforçar os laços energéticos, financeiros e outros entre seus países, levantando preocupações no Ocidente de que Ancara poderia ajudar Moscou a contornar as sanções dos Estados Unidos e da União Europeia. 

___ 

Por DEREK GATOPOULOS e SUZAN FRASER 

Suzan Fraser relatou de Ancara, Turquia. 

Fonte: Ukraine’s Zelenskyy hosts talks with UN chief, Turkey leader (msn.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer