Últimas notícias

[ANÁLISE] Erdoğan aumenta o domínio sobre as TSK para facilitar a colaboração com regimes autoritários 

[ANÁLISE] Erdoğan aumenta o domínio sobre as TSK para facilitar a colaboração com regimes autoritários 
agosto 14
12:39 2022

O mundo está evoluindo de uma ordem mundial unipolar dominada por um único poder para um sistema político multipolar no qual mais de um poder luta pelo domínio. Na atual luta de grandes potências, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan acredita que pode manter seu poder político aliando-se à Rússia, China e Irã. Após sua reunião bilateral com o presidente russo Vladimir Putin em Sochi em 5 de agosto, Erdoğan disse aos repórteres que Putin o havia convidado para uma reunião da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) a ser realizada no Uzbequistão de 16 a 18 de setembro de 2022. Como o Erdoğan explica que, como presidente de um país membro da OTAN, ele possa participar de uma reunião da SCO, que reúne regimes autoritários? Qual é a conexão entre a estreita cooperação do Erdoğan com os regimes autoritários e os regulamentos que levaram ao domínio do Erdoğan sobre as Forças Armadas Turcas (TSK) após uma tentativa de golpe na Turquia em 15 de julho de 2016? 

A TSK tem desempenhado um papel importante na história política da Turquia. O fundador da República Turca, Kemal Atatürk, e seus amigos mais próximos eram generais. Até 15 de julho de 2016, a equipe geral turca, juntamente com o Ministério das Relações Exteriores, era uma das duas instituições mais essenciais que determinavam o curso da política externa turca. As relações da Turquia com a OTAN e os EUA eram conduzidas através do TSK. A continuidade das relações com a OTAN e os EUA foi mantida graças à estrutura institucional da TSK. A promoção e nomeação de generais e almirantes foi feita através do Conselho Militar Supremo (YAŞ). Antes de 15 de julho de 2016, o YAŞ incluía o primeiro-ministro, o ministro da defesa, o chefe do estado-maior geral, os comandantes de força, o comandante geral da gendarmaria e os outros generais e almirantes quatro estrelas da TSK. Como as decisões no YAŞ foram tomadas por maioria, a burocracia militar foi mais decisiva do que a vontade política na promoção e nomeação de generais e almirantes. A burocracia militar geralmente decidia sobre promoções e nomeações de acordo com a cultura corporativa da TSK, as carreiras profissionais dos candidatos e suas habilidades. 

A tentativa de golpe que ocorreu em 15 de julho de 2016 mudou a estrutura do YAŞ, pois mudou muitas coisas na Turquia. Com exceção do chefe de pessoal geral e dos comandantes de força, os outros generais quatro estrelas e almirantes foram excluídos da filiação ao YAŞ. O vice-presidente, ministro de finanças e tesouraria, ministro das relações exteriores, ministro da justiça, ministro do interior e ministro da educação foram nomeados como novos membros. Com este arranjo, o poder na promoção e nomeação de almirantes e generais passou da burocracia militar para o governo de Erdoğan. 

Após um referendo de 2017, a Turquia passou de um sistema parlamentar para um sistema presidencial de governança. Graças ao sistema presidencial, o Erdoğan assumiu completamente o poder executivo. O ex-chefe de gabinete geral, Hulusi Akar, foi nomeado ministro da defesa. Os comandos de força e o Estado-Maior General foram colocados sob o Ministério da Defesa. Aproveitando tanto a identidade militar de Akar quanto a mudança estrutural que ele havia feito no YAŞ, Erdoğan foi cuidadoso em sua nomeação e promoção de generais e almirantes para selecionar somente aqueles que se colocassem ao seu lado, não importando o que acontecesse, desconsiderando sua competência profissional ou status de carreira. Por exemplo, para um almirante ser o comandante da frota, ele tinha que primeiro servir como comandante de uma fragata, barco de patrulha rápida ou submarino, depois, de preferência, servir como oficial no quartel-general da OTAN, atuar como comodoro e comandante da frota e chefiar um departamento no quartel-general da marinha ou do Estado-Maior. 

Entretanto, nas promoções e nomeações dos últimos anos, não foram estes critérios que foram decisivos, mas a capacidade de trabalhar de acordo com o governo Erdoğan e de cumprir os mandatos dados sem questioná-los. Esta situação prejudicou a estrutura institucional da TSK. A equipe geral se tornou disfuncional e não pode mais se pronunciar sobre questões que afetam a segurança da Turquia. As prioridades do governo Erdoğan foram decisivas para determinar quais sistemas de armas devem ser adquiridos, ao invés das necessidades operacionais, requisitos de missão e conceitos operacionais determinados pelo Estado-Maior Geral ou pelos comandos da TSK. Por exemplo, se a TSK tivesse mantido sua função normal, o sistema de defesa aérea S-400 adquirido da Rússia em 2017, que resultou em sanções dos EUA contra a Turquia, não teria sido adquirido da Rússia. 

As Forças Armadas turcas não podem usar ativamente o S-400 porque os sistemas de radar e de ligação da Turquia estão em conformidade com as normas da OTAN. Qualquer pessoa que tenha servido no TSK por muito tempo sabe disso: A OTAN tem sido um ator essencial na modernização do TSK e na transferência de informações e tecnologia para o desenvolvimento da indústria de defesa nacional. Por esta razão, até 15 de julho de 2016, as Forças Armadas turcas fizeram o melhor para manter as relações com a OTAN e os EUA e para evitar que a Turquia escorregasse para o lado dos regimes autoritários. Entretanto, Erdoğan e Akar mudaram a estrutura da TSK, mas não funcionou bem e destruíram a estrutura institucional e a cultura corporativa dos militares. Um decreto do Ministério da Defesa datado de 10 de agosto de 2022 abriu o caminho para a expulsão de almirantes e generais da TSK por infrações disciplinares, uma desculpa bizarra para tais oficiais de alta patente. Ele transferiu o poder do YAŞ para o Ministério da Defesa e permitiu que Erdoğan, através da Akar, expulsasse os generais e almirantes que ele queria das Forças Armadas turcas. Com isso, Erdoğan e Akar enfiaram o último prego no caixão do TSK. 

Não há mais obstáculos que impeçam Erdoğan de se tornar mais autoritário e cooperar mais estreitamente com os regimes autoritários. Portanto, não deve ser surpresa que o governo do Erdoğan tenha estabelecido relações políticas e econômicas estreitas com a Rússia e participado da reunião da Organização de Cooperação de Xangai, apesar do conceito estratégico da OTAN 2022 que ameaça abertamente a Rússia. A TSK não mantém mais a Turquia no eixo da OTAN e dos EUA. 

* Fatih Yurtsever é um ex-oficial naval das Forças Armadas turcas. Ele está usando um pseudônimo por questões de segurança. 

Fonte: [ANALYSIS] Erdoğan increases dominance over TSK to facilitate collaboration with authoritarian regimes – Turkish Minute  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer