Últimas notícias
  • Zelensky, da Ucrânia, recebe o chefe da ONU e líder da Turquia Como potencial corretor de poder, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan usará sua primeira visita à Ucrânia desde que a guerra começou há quase seis meses para buscar maneiras de expandir a exportação de grãos do celeiro da Europa para os necessitados do mundo. O Secretário Geral da ONU, António Guterres, usará sua visita para se concentrar em conter a situação volátil em uma usina nuclear ocupada pela Rússia. ...
  • Banco Central da Turquia corta taxas em Decisão Surpresa Os investidores venderam a lira e os títulos em dólares da Turquia depois que o banco central baixou sua taxa principal para 13%. ...
  • 168 jornalistas turcos compareceram no tribunal em 3 meses Um total de 168 jornalistas apareceram em audiências em seus julgamentos na Turquia de abril a junho, de acordo com um relatório recente preparado pelo projeto Expression Interrupted e publicado pela mídia turca. ...
  • Homem preso por ligações com Hizmet morre um dia antes do previsto para sua libertação Ramazan Açıkgöz, que foi condenado por supostos vínculos com o movimento Hizmet, morreu de um ataque cardíaco na terça-feira à noite, um dia antes de ser libertado da prisão, informou o site de notícias Bold Medya. ...
  • Tensões entre Grécia e Turquia se exaltam por causa das controversas reivindicações às ilhas Turquia acusou a Grécia de militarizar as ilhas dadas aos gregos na condição de não as armar, alimentando as tensões entre os dois países. ...
  • Autoridade turca duvida de notícia sobre nova venda de sistema de defesa aérea russa Uma agência noticiosa estatal russa disse na terça-feira que a Rússia e a Turquia haviam assinado um contrato para enviar a Ankara um segundo lote de sistemas de defesa aérea S-400, mas um funcionário da defesa turca imediatamente lançou dúvidas sobre o relatório. ...
  • Mais dois navios com grãos partem da Ucrânia, diz o Ministério da Defesa da Turquia  Mais dois navios transportando grãos que saíram dos portos do Mar Negro da Ucrânia no sábado, disse o Ministério da Defesa da Turquia, elevando para 16 o número total de navios a sair do país sob um acordo entre a ONU e a Turquia. ...
  • [ANÁLISE] Erdoğan aumenta o domínio sobre as TSK para facilitar a colaboração com regimes autoritários  O mundo está evoluindo de uma ordem mundial unipolar dominada por um único poder para um sistema político multipolar no qual mais de um poder luta pelo domínio. Na atual luta de grandes potências, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan acredita que pode manter seu poder político aliando-se à Rússia, China e Irã. Após sua reunião bilateral com o presidente russo Vladimir Putin em Sochi em 5 de agosto, Erdoğan disse aos repórteres que Putin o havia convidado para uma reunião da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) a ser realizada no Uzbequistão de 16 a 18 de setembro de 2022. Como o Erdoğan explica que, como presidente de um país membro da OTAN, ele possa participar de uma reunião da SCO, que reúne regimes autoritários? Qual é a conexão entre a estreita cooperação do Erdoğan com os regimes autoritários e os regulamentos que levaram ao domínio do Erdoğan sobre as Forças Armadas Turcas (TSK) após uma tentativa de golpe na Turquia em 15 de julho de 2016? ...
  • “Eles estão nos matando”: Migrantes presos em uma pequena ilha pedem ajuda A organização AGreek de direitos humanos tem chamado as autoridades para ajudar dezenas de migrantes e requerentes de asilo que dizem ter ficado presos em uma pequena ilha fluvial na fronteira entre a Grécia e a Turquia. O Conselho Grego de Refugiados disse à CBS News que o contato com o grupo foi perdido na quarta-feira depois que uma jovem entre o povo desesperado foi alegadamente morta por um escorpião esta semana. ...
  • Envolvimento da Turquia com o Afeganistão cresceu desde a tomada do Talibã Enquanto muitos países cortaram os laços diplomáticos com o Afeganistão após o retorno do Talibã ao poder no ano passado, a Turquia, o único membro da OTAN com presença diplomática no país devastado pela guerra, tem sido ativa em muitas frentes. ...

Por que a Turquia está em uma posição única para mediar

Por que a Turquia está em uma posição única para mediar
março 31
20:07 2022

Enquanto as delegações russa e ucraniana chegam terça-feira em Istambul para conversações de paz, a posição política única da Turquia está sob os holofotes. Poderia a nação que se encontra na Europa e no Oriente Médio emergir como pacificadora? 

À medida que a guerra avança, uma lista crescente de países está explorando a possibilidade de mediar, intervindo para evitar mais derramamento de sangue e a propagação do conflito para além das fronteiras da Ucrânia. 

No início deste mês, a Turquia recebeu os ministros das relações exteriores ucraniano e russo para uma reunião trilateral em sua cidade de Antalya, no sul do país. Posteriormente, o Ministro das Relações Exteriores turco visitou Moscou e Kiev. Da mesma forma, o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett visitou Moscou com o mesmo objetivo. E a China sinalizou prontidão para a mediação. Potencialmente outros países, como os Emirados Árabes Unidos, a Índia ou a África do Sul, podem entrar em fila para intermediar algum tipo de resolução. 

Quase todos os países que têm se engajado no papel de mediação também se engajaram em um ato de equilíbrio estratégico entre o Ocidente e a Rússia por algum tempo. Desempenhar um papel intermediário é uma forma de evitar novas catástrofes no conflito, e de projetar a estatura internacional. Mas também é uma forma de evitar que façam escolhas difíceis que a guerra possa impor-lhes, como escolher ou inclinar-se para um lado mais claramente. 

Mas a lista de esgrimistas no conflito Rússia-Ucrânia não se limita aos mediadores. Muitos outros países escolheram permanecer “neutros”, incluindo Egito, Arábia Saudita, Paquistão e Marrocos. As razões para a abstenção diferem entre os países, mas algumas razões são transversais. 

O sistema internacional está mudando. E a ideia de que o mundo não é mais centrado no Ocidente, e cada vez mais multipolar, é generalizada no mundo não-ocidental. Ele informa suas políticas em relação à Rússia, e em relação à China. 

Enquanto a narrativa dominante desta guerra for colocada em uma dicotomia Oeste/NATO versus Rússia, ela terá pouca ressonância no mundo não-ocidental. Além do mais, a abordagem de “cercas” também é uma forma de sinalizar o descontentamento com a política dos EUA/ocidental. 

Foi ilustrativo que os governantes dos EAU e da Arábia Saudita, que dependem dos EUA para sua segurança, se abstiveram de receber chamadas do Presidente Joe Biden no início deste mês. Esta indelicadeza era para transmitir seu descontentamento com os Estados Unidos pelo apoio insuficiente de Washington para sua campanha malsucedida do Iêmen. 

Desde o fornecimento de alimentos e energia até as vulnerabilidades geopolíticas, muitos outros fatores também definem sua abordagem. Por exemplo, apesar de seus estreitos laços militares com os EUA, o Egito depende muito de Moscou em termos de sua segurança alimentar. Ele também coopera estreitamente com a Rússia na Líbia, com ambos apoiando o senhor da guerra Khalifa Haftar. (Kiev acusa Haftar de enviar mercenários para ajudar a Rússia na Ucrânia). 

Da mesma forma, a Índia, apesar de precisar do Ocidente como força compensatória contra a China, mantém há muito tempo laços estreitos com Moscou; adquiriu os sistemas de mísseis S-400 de fabricação russa; e tem seguido uma política de equilíbrio entre a Rússia e o Ocidente. 

Mas de todos esses países sentados na cerca e tentando mediar, a Turquia tem um perfil e uma posição únicos. É um membro da OTAN, uma organização para a qual a Rússia e anteriormente a União Soviética serviram de razão de ser ou de ameaça fundacional. 

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan vem castigando cada vez mais o sistema internacional centrado no Ocidente. Mas como membro de muitas instituições ocidentais, a Turquia também é beneficiária e, de certa forma, parte do Ocidente geopolítico. 

Enquanto isso, a Turquia também tem fronteiras marítimas com a Ucrânia e a Rússia. Além disso, a Turquia é o maior parceiro comercial da Rússia na região do Oriente Médio e do Norte da África. E tem competido e cooperado com a Rússia através de zonas de conflito na Síria, Líbia e Nagorno-Karabakh nos últimos anos. 

Em comparação com outros concorrentes para mediação, a Turquia tem o maior interesse neste conflito. A guerra está mudando fundamentalmente a geopolítica e o equilíbrio de poder na região do Mar Negro, e a Turquia é uma grande potência do Mar Negro. 

A Turquia provavelmente desempenhará também um papel humanitário em breve, à medida que o número de refugiados – já em milhões – aumentar. O anúncio do presidente francês Emanuel Macron de que a França, a Turquia e a Grécia realizarão uma missão conjunta de evacuação em Mariupol é um prenúncio de um papel humanitário que pode se tornar mais destacado na política de Erdogan ao longo do caminho. 

Apesar de sua política de não provocar a Rússia, a Turquia não está simultaneamente perseguindo uma política de equidistância. Ela vende drones armados à Ucrânia, que estão exigindo perdas significativas nos alvos russos, e fechou os estreitos turcos aos navios de guerra. 

Além da Rússia dominar o Mar Negro, tem uma presença mediterrânea considerável, onde está profundamente envolvida em pontos de conflito na Síria e na Líbia. O fechamento do mar da Turquia pressionará a política russa nessas zonas de conflito se a guerra for prolongada. 

No entanto, ao contrário de outros membros da OTAN, a Turquia não aderiu às sanções ocidentais contra Moscou nem fechou seu espaço aéreo à Rússia. Fazê-lo teria provavelmente desencadeado um veto russo contra a busca da Turquia para mediar o conflito. E há um número crescente de ativistas russos antiguerra e figuras pró-Kremlin que se dirigem à Turquia. 

A Turquia está basicamente tentando ser pró-Ucrânia sem se tornar muito agressivamente anti-Rússia. Sua capital, Ancara, está muito profundamente exposta à Rússia tanto economicamente quanto geopoliticamente. A Rússia é a maior fonte de turistas, de importação de grãos e de gás da Turquia. 

Em qualquer caso, nesta fase, ainda não há nenhum sinal de que o Ocidente esteja empurrando a Turquia mais fortemente para a adesão ao regime de sanções contra Moscou. E, apesar dos esforços da Turquia, o conflito ainda não está maduro para mediação, porque Moscou ainda parece estar inflexível com a opção militar. Isto não significa que os esforços ou conversações cessarão neste conflito; pelo contrário, é provável que vejamos mais. 

A Rússia quer dar a impressão de que está interessada na diplomacia para ganhar tempo e evitar mais sanções ocidentais, mas em vão. Não se deve esperar nenhum avanço em breve. Apesar disso, manter viva a ideia de um processo diplomático ainda é importante. Além disso, a mediação serve bem aos interesses da Turquia. Ela aumenta sua estatura internacional; transforma a Turquia em um dos principais centros da diplomacia neste conflito; e atrasa algumas das decisões difíceis que ela pode enfrentar no caminho. 

Dito isto, à medida que a guerra se arrasta, o ato de malabarismo estratégico anterior da Turquia pode não ser mais viável, particularmente porque a Rússia é agora tratada mais abertamente como um inimigo da OTAN e da segurança europeia. 

Desde a época imperial otomana até o presente, a Turquia e a Rússia lutaram 13 vezes entre si, mas também cooperaram. No passado, as queixas em relação ao Ocidente, ou mesmo ao antiocidentalismo, geralmente os levaram mais próximos um do outro. Agora, o revisionismo geopolítico da Rússia e a dramática mudança de Putin nas ambições pós-soviéticas aproximarão uma Turquia inquieta em relação ao Ocidente. 

Fonte: Russia-Ukraine peace talks: Why Turkey is in a unique position to mediate (Opinion) – CNN  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer