Últimas notícias

Como um tratado de 1936 poderia forçar a Turquia a tomar partido na guerra da Ucrânia 

Como um tratado de 1936 poderia forçar a Turquia a tomar partido na guerra da Ucrânia 
março 22
14:15 2022

A Turquia rotulou oficialmente a invasão russa da Ucrânia como uma guerra e diz que restringirá a passagem de alguns navios de guerra pelas principais vias navegáveis, em um movimento que, segundo os especialistas, poderia potencialmente prejudicar algumas das atividades militares de Moscou na região. 

Na quinta-feira, as forças russas lançaram um ataque terrestre, marítimo e aéreo à Ucrânia no maior ataque de um Estado contra outro na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. 

O embaixador da Ucrânia na Turquia, Vasyl Bodnar, foi à televisão local na semana passada e apelou para o governo de Ancara para fechar seus principais estreitos com os navios de guerra russos sob as disposições da Convenção de Montreux de 1936. A Turquia disse que só poderia fazer isso se reconhecesse oficialmente o conflito como uma guerra, e no domingo, foi o que fez. 

Na segunda-feira, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse que seu governo “usaria a autoridade dada ao nosso país pela Convenção de Montreux sobre o tráfego de navios nos estreitos, de forma a evitar que a crise se agrave”. 

O Ministro das Relações Exteriores Mevlut Cavusoglu disse mais tarde que a Turquia havia advertido tanto os países do Mar Negro quanto os países não pertencentes ao Mar Negro a não passarem navios de guerra pelo Estreito de Bósforo e Dardanelles, de acordo com a agência estatal de notícias Anadolu da Turquia. 

“Não houve nenhum pedido de passagem pelo Estreito [desde que a guerra começou]”, disse Cavusoglu. 

Enquanto Erdogan disse que considerava “o ataque da Rússia à Ucrânia inaceitável”, ele também disse que a Turquia não abandonaria seus laços com a Rússia ou a Ucrânia. 

Aqui está o que você precisa saber. 

O que é a Convenção de Montreux? 

A convenção dá à Turquia certo controle sobre a passagem de navios de guerra dos Estreitos de Dardanelles e Bósforo que ligam o Mar Egeu, Mármara e Mar Negro. 

Em tempo de paz, os navios de guerra podem passar os Estreitos mediante notificação diplomática prévia com certas limitações no peso dos navios e armas que transportam – e dependendo se o navio pertence ou não a uma nação do Mar Negro. E em tempos de guerra, a Turquia pode impedir a passagem dos navios de guerra das partes beligerantes de atravessar. 

De acordo com a convenção, se a Turquia for parte da guerra ou se considerar ameaçada de perigo iminente, pode fechar os estreitos para a passagem dos navios de guerra. 

Como isso afeta a Rússia? 

Tanto a Rússia quanto a Ucrânia estão no Mar Negro, junto com a Romênia e os membros da OTAN Bulgária e Geórgia. A Turquia pode limitar o trânsito de navios de guerra russos do Mediterrâneo para o Mar Negro através de seus estreitos sob a Convenção de Montreux, mas o pacto tem uma advertência: os navios de guerra dos Estados beligerantes podem atravessar se estiverem retornando à sua base de origem. 

“Se o navio do país de guerra retornar ao seu porto, é feita uma exceção. Vamos implementar todas as disposições de Montreux com transparência”, disse o Ministro das Relações Exteriores turco Mevlut Cavusoglu, acrescentando que a exceção não deve ser abusada. 

A medida seria apenas simbólica, disse Mustafa Aydin, presidente do Conselho de Relações Internacionais da Turquia. 

“A Rússia tem poder de fogo suficiente no Mar Negro que não faz sentido para os países da OTAN [entrar]”, disse ele. “A Rússia tem total supremacia sobre as águas”. 

Mas se a guerra se arrastar, Moscou pode sentir o calor, uma vez que a Rússia já havia completado sua construção naval no Mar Negro mudando unidades do Mar Báltico antes do início das hostilidades, disse Serhat Guvenc, professor de relações internacionais da Universidade Kadir Has de Istambul. 

No início de fevereiro, seis navios de guerra russos e um submarino transitaram os estreitos de Dardanelles e Bósforo para o Mar Negro, para o que Moscou chamou de exercícios navais próximos às águas ucranianas. 

“Eles [a Rússia] provavelmente têm recursos suficientes para manter seu poder naval no Mar Negro por cerca de dois a três meses”, disse ele. “Mas se o conflito se arrastar, será uma história diferente”. 

Por que a Turquia declarou o conflito uma guerra? 

Guvenc disse que não esperava que a Turquia tomasse uma decisão tão cedo, mas o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky “colocou Ankara no local” agradecendo prematuramente à Turquia no Twitter por seu apoio. 

    Agradeço ao meu amigo Sr. Presidente de 🇹🇷 @RTErdogan e ao povo de 🇹🇷 pelo seu forte apoio. A proibição da passagem dos navios de guerra 🇷🇺 para o Mar Negro e o apoio militar e humanitário significativo para 🇺🇦 são extremamente importantes hoje em dia. O povo de 🇺🇦 nunca se esquecerá disso! 

    – Володимир Зеленський (@ZelenskyyUa) 26 de fevereiro de 2022 

A Turquia disse que respeitou historicamente o tratado e continuará a fazê-lo. 

Guvenc disse que é do interesse de Ancara fazê-lo porque o tratado apoia a Turquia em tempos de guerra. Qualquer exceção feita para agradar a Rússia poderia comprometer a credibilidade do tratado a longo prazo. 

“Os Estados Unidos estão muito interessados na idéia de liberdade irrestrita de navegação através dos estreitos turcos, como é o caso de outras vias navegáveis como os canais do Suez e do Panamá”, disse ele. Um desvio da convenção daria aos Estados Unidos “um motivo legítimo para questionar o status da Turquia como o cão de guarda de Montreux”. 

Como isso poderia afetar as relações exteriores da Turquia? 

A Turquia tem uma fronteira marítima com a Ucrânia e a Rússia no Mar Negro e vê ambos os países como amigáveis. Ancara depende da Rússia para turismo e gás natural, mas também tem estreitos laços econômicos e de defesa com a Ucrânia e, apesar das objeções russas, tem vendido drones para o país. 

A União Soviética, predecessora do Estado russo, foi uma das signatárias originais da Convenção de Montreux. 

“A Rússia conhece os meandros da política e da lei e estaria preparada para tal eventualidade”, disse Guvenc. Moscou, entretanto, pode não ter esperado que Ankara agisse tão cedo no tratado, acrescentou ele. 

“A Turquia pode vender este movimento como se estivesse apenas observando uma obrigação sob o direito internacional”, disse ele, mas o movimento pode ser uma indicação de onde a Turquia pode se apoiar se o conflito se arrastar. “A Turquia decidiu alinhar-se mais com seus aliados tradicionais na OTAN e na União Européia, e um pouco longe da Rússia”. 

Outras notícias importantes do Oriente Médio 

Irã rejeita prazos, reivindicações “politicamente motivadas” nas negociações nucleares 

O Irã disse no domingo que não aceitará nenhum prazo estabelecido pelo Ocidente para reviver seu acordo nuclear de 2015 com as potências mundiais, e quer que o que descreveu como reivindicações “politicamente motivadas” da AIEA de vigilância da ONU sobre o trabalho nuclear de Teerã seja abandonado, informou a TV estatal iraniana. 

    Antecedentes: Um dos pontos de colisão nas conversações indiretas entre o Irã e os Estados Unidos para reavivar o acordo parece ser a questão dos vestígios de urânio encontrados pela AIEA em locais antigos, mas não declarados, no Irã.  

    Por que isso é importante: A mídia disse que os EUA haviam estabelecido um prazo para as conversações nucleares na capital austríaca, Viena. O principal negociador nuclear do Irã deveria retornar a Viena no domingo à noite para as conversações.  

Os Emirados Árabes Unidos não tomaram partido na guerra da Ucrânia, disse um alto funcionário 

Os Emirados Árabes Unidos querem encorajar uma solução política para a guerra da Ucrânia e tomar partido só encorajaria a violência, disse um alto funcionário dos Emirados Árabes Unidos no domingo. 

    Antecedentes: O comentário, publicado por Anwar Gargash no Twitter, vem depois que os Emirados Árabes Unidos se abstiveram de votar, na sexta-feira, um projeto de resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas condenando a invasão de Moscou na Ucrânia. Ela não passou por causa do veto da Rússia. Leia a história completa  

    Por que isso é importante: Os estados árabes do Golfo têm assumido até agora uma posição neutra entre os aliados ocidentais e a Rússia, com os quais são parceiros sob uma aliança de produtores de petróleo conhecida como OPEP+. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos também têm laços comerciais e de investimento com Moscou.  

Conselho de Segurança da ONU votará sobre o embargo às armas Houthi 

O Conselho de Segurança deverá votar na segunda-feira uma proposta dos Emirados Árabes Unidos para impor um embargo de armas aos Houthis do Iêmen após o grupo ter reivindicado vários ataques com drones e mísseis ao país este ano. 

    Antecedentes: Há um ano, os EUA revogaram a designação dos Houthis como uma organização terrorista por receio de que isso agravaria a crise humanitária do Iêmen. Os EAU, a Arábia Saudita e alguns legisladores dos EUA estão pressionando a Casa Branca a devolver o movimento Houthi à lista de grupos terroristas estrangeiros dos EUA sobre os recentes ataques Houthi contra os EAU e a Arábia Saudita.  

    Por que isso é importante: A medida ampliaria um embargo de armas direcionado da ONU a vários líderes Houthi para todo o grupo. A medida precisa de nove votos a favor e nenhum veto de nenhum dos membros permanentes do Conselho de Segurança – Rússia, Estados Unidos, Grã-Bretanha, França ou China.  

Em torno da região 

Uma vista mostra a antiga cidade de Hatra no Iraque, outrora destruída por militantes do Estado islâmico anos atrás, durante uma cerimônia que revelou um projeto de renovação em 24 de fevereiro. 

Uma vista mostra a antiga cidade de Hatra no Iraque, uma vez destruída por militantes do Estado Islâmico anos atrás, durante uma cerimônia revelando um projeto de renovação no dia 24 de fevereiro. 

Autoridades arqueológicas iraquianas reabriram um local na antiga cidade de Hatra na semana passada, após a conclusão parcial de um projeto de renovação do local uma vez destruído por militantes do ISIS anos atrás, relata a Reuters. 

As autoridades dizem que quase 15% do local foi destruído pelos militantes do ISIS, que tomaram conta de grandes extensões do país. 

Imagens publicadas online em 2015 alegadamente mostraram o que é descrito como militantes ISIS destruindo estátuas e artefatos no local com marretas e picareta. 

O projeto de renovação é realizado em cooperação com a Associação Internacional Italiana de Estudos Mediterrânicos e Orientais (ISMEO). Apenas 5% da destruição foi renovada e o restante do projeto está em andamento, acrescentaram as autoridades. 

Hatra, patrimônio mundial da UNESCO, foi um dos muitos locais destruídos pelos militantes do ISIS no Iraque e na Síria, incluindo a cidade de Khorsabad, com 2.700 anos de idade, famosa por suas estátuas colossais de touros com asas de cabeça humana. 

ISIS governou uma vez um califado autodeclarado em partes do Iraque e da Síria que contêm alguns dos mais ricos tesouros arqueológicos da Terra, onde antigos impérios assírios construíram suas capitais, a civilização greco-romana floresceu e seitas muçulmanas e cristãs coexistiram durante séculos. 

Por Isil Sariyuce e Arwa Damon, CNN 

Fonte: https://edition.cnn.com/2022/02/28/middleeast/mideast-summary-02-28-2022-intl/index.html  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer