Últimas notícias

Nem Leste nem Oeste: Os cálculos da Turquia na crise da Ucrânia 

Nem Leste nem Oeste: Os cálculos da Turquia na crise da Ucrânia 
fevereiro 26
21:18 2022

A crise na Ucrânia, da perspectiva de Ancara, acarreta riscos significativos, mas também alguma oportunidade. Não é uma crise de sua própria autoria, nem uma crise que eles acolheram bem; no entanto, Ancara desenvolveu claramente um plano básico para resistir à tempestade. Da perspectiva dos formuladores de políticas de Washington, é provável que sua estratégia tenha mais frustração do que tranquilidade. 

Ao mesmo tempo, uma melhor compreensão de como a Turquia espera resistir à crise na Ucrânia pode servir para esclarecer alguns debates em andamento em Washington sobre como conceituar a evolução da política externa de Ancara e seu lugar na aliança da OTAN. 

Nos últimos meses, a Turquia tem estado em uma espécie de ofensiva de encanto, trabalhando (com diferentes graus de sucesso) para amenizar tensões com uma longa lista de países, incluindo Armênia, Israel, Emirados Árabes, Arábia Saudita, Egito, Grécia e, talvez especialmente, engajando-se em um esforço prolongado para reiniciar suas relações tensas com os Estados Unidos. A medida em que esses esforços representam uma séria mudança de tom para a política externa turca ou uma recalibração temporária para enfrentar o isolamento e a crise econômica é assunto de algum debate. 

Em particular, há um número razoável de vozes em Washington que acreditam que as tensões turco-americanas foram em grande parte suportadas por erros de cálculo e que os dois aliados da OTAN são parceiros “naturais” contra a Rússia e o Irã. Estes especialistas apontam a crise da Ucrânia como uma importante oportunidade para a Turquia e os Estados Unidos se unirem em torno de objetivos políticos compartilhados. Sua análise, penso eu, é muito otimista sobre as oportunidades de cooperação turco-americana que a crise oferece e, fundamentalmente, interpreta erroneamente o cuidadoso ato de equilíbrio que a Turquia está implementando. 

Em parte, o problema com grande parte da análise da política externa da Turquia é que ela é vista da perspectiva das preocupações de Washington e não das de Ancara. Ou seja, a questão é frequentemente enquadrada em termos quase civilizacionais de se a Turquia está “se voltando contra o Ocidente”. Mas, não há segredo para o pensamento da política externa da Turquia, que por muitos anos se concentrou em expandir sua influência regional em um ambiente estratégico cada vez mais multipolar e complexo. Suas relações com o Ocidente e seu papel na OTAN continuam a ser importantes, mas não são mais existenciais, e certamente não são vistas como uma restrição ao alcance da Turquia na Rússia, na China ou mesmo no Irã. 

Na crise atual, a política da Turquia é colorida por suas ambições de longo prazo, por sua contínua ofensiva de encanto em relação aos seus aliados ocidentais, por seus fortes laços econômicos tanto com a Rússia quanto com a Ucrânia, por seu próprio trabalho econômico e pela percepção de que uma ofensa muito grande contra a Rússia ou seus aliados da OTAN poderia ter custos devastadores. A política de Ancara em relação à Ucrânia tem como objetivo a promoção destes interesses concorrentes. Não é, talvez, terrivelmente idealista. Mas é racional. 

Em 2014, quando a Rússia invadiu e anexou a Crimeia, a resposta da Turquia foi, apesar dos laços históricos com a região e com sua minoria Tatar, decididamente silenciada. Rejeitou a anexação de jure da Rússia à região, mas aceitou com um desconfortável encolhimento o controle de fato da Rússia. Apesar das sérias tensões nos meses após a Turquia ter derrubado um Sukhoi Su-24 russo em 2015, os laços entre eles rapidamente se reacenderam. Uma razão para isso é que o Presidente Recep Tayyip Erdoğan e seu círculo parece acreditar que os Estados Unidos foram, pelo menos parcialmente, responsáveis pela tentativa de golpe de julho de 2016. Apesar do recente aquecimento nas relações EUA-Turquia, não há razão para acreditar que a liderança turca tenha mudado de ideia. O processo em andamento contra o estudioso americano Henri Barkey e o filantropo turco Osman Kavala é, afinal de contas, baseado nesta crença. Neste contexto, o estreitamento dos laços, e particularmente o aumento da cooperação militar, com a Rússia foi uma escolha sem surpresas. É sob esta luz que a decisão da Turquia de comprar o sistema de defesa antimíssil S-400 da Rússia deve ser entendida – uma tentativa de resistência a golpes, talvez, mas mais importante, um sinal para os Estados Unidos de que a Turquia era capaz de buscar um caminho independente. 

Nada disso impediu a Turquia de competir com a Rússia em outras esferas, incluindo Líbia e Síria, mas Ancara e Moscou tiveram, no entanto, o cuidado de manter essa competição limitada em seu escopo. A resposta da Turquia à crise atual segue nessa mesma linha. O Presidente Erdoğan tem sido simultaneamente crítico em relação à resposta da OTAN e franco em sua condenação da invasão russa. 

Em um dos tratamentos recentes mais valiosos de como a elite da Turquia vê a crise atual, Selim Koru argumenta que, “Ancara não pensa necessariamente no ressurgimento da Rússia como uma ameaça”. Ele prossegue: 

    “Isto porque a visão do mundo de Erdogan, assim como da direita turca como um todo, está muito mais próxima da de Putin do que da das elites liberais ocidentais. Isto pode parecer irrelevante para os formuladores de políticas, mas é o pano de fundo emocional de todo o aparato político, moldando as percepções populares e a cultura estratégica. … 

    A direita turca sonha com uma esfera de influência turca revitalizada, projetando poder em três continentes. Vinte anos à frente do governo permitiram-lhes infundir esta visão no país. Os pais fundadores da Turquia derrotaram as forças ocidentais em batalha a fim de construir uma república que tomou a modernidade ocidental como um modelo. O governo atual, que pode traçar suas raízes até os dissidentes radicais de direita desta tradição, procura fazer o contrário. Eles veem o Ocidente como um anti-modelo: um rival a ser espelhado, e eventualmente a ser vencido em seu próprio jogo”. 

Estas suposições ideológicas maiores à parte, o fator mais saliente na situação atual, quando visto de Ancara, é o próprio estreito da Turquia. A Turquia está no meio de sua mais grave crise econômica em uma geração e as tensões palpáveis desta crise em praticamente todos os lares têm, a acreditar nas pesquisas, cortado profundamente a popularidade do Presidente Erdoğan. Com as eleições marcadas para junho de 2023, a crise econômica representa o desafio político mais sério que Erdoğan e sua coalizão governista enfrentaram desde a tentativa de golpe de Estado de 2016. Em particular, a Turquia depende da Rússia para seu trigo e seu gás. O país já está testemunhando, pela primeira vez em décadas, protestos populares contra o aumento dos preços das commodities básicas. Neste escrito, a lira turca perdeu mais de 5% de seu valor desde o início da invasão. Neste contexto, Ancara tem capacidade limitada para resistir a choques econômicos e não tem apetite para minar as relações econômicas com a Ucrânia ou com a Rússia. 

Ancara, neste contexto, precisa equilibrar uma variedade de considerações. Ela quer e precisa manter seu status na OTAN; sem ela, a Turquia é apenas mais uma potência intermediária com ambições. Além disso, a Europa Ocidental continua sendo o parceiro econômico mais importante da Turquia, não obstante seu esforço de décadas para chegar a novas direções. Ela também não fará nada para irritar Vladimir Putin e resistirá a qualquer pressão para iniciar sanções econômicas contra a Rússia. Os especialistas estão divididos sobre se a Turquia tem o direito legal de fechar o Estreito Turco, que liga o Mar Negro e o Mediterrâneo, à Rússia e à Ucrânia durante esta crise, como Kyiv solicitou; exceto por uma mudança radical das circunstâncias, Ancara está certa de não o fazer, já que tal medida resultaria em retaliação imediata à Rússia. 

A política da Turquia nesta crise é soar assertiva, mas agir cautelosamente. Se a invasão russa de alguma forma vacilar e a Ucrânia conseguir manter sua independência, a Turquia terá mantido sua posição na OTAN e continuará a se engajar na cooperação econômica tanto com a Ucrânia quanto com a Rússia. Se a Rússia tiver sucesso e a OTAN parecer desdentada, a elite da Turquia a verá como uma nova evidência de impotência e fraqueza ocidental; ela fará sua contabilidade regional de longo prazo em conformidade. Em certo sentido, a política da Turquia hoje se assemelha à sua política de “Neutralidade Ativa” da Segunda Guerra Mundial, na qual Ancara fez aberturas tanto para os Aliados quanto para o Eixo, posicionando-se no final para estar do lado vencedor, sem arriscar muito no processo. Então, como agora, a Turquia equilibra ambição com vulnerabilidade. Pode ser uma política cínica, mas não é uma política estúpida. 

Escrito por Howard Eissenstat, que é professor associado de História na Universidade St. Lawrence, onde leciona cursos sobre História e Política do Oriente Médio, e estudioso não-residente do Programa MEI da Turquia. As opiniões expressas nesta peça são as suas próprias. 

Fonte: https://www.mei.edu/publications/neither-east-nor-west-turkeys-calculations-ukraine-crisis  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer