Últimas notícias
  • Mais dois navios com grãos partem da Ucrânia, diz o Ministério da Defesa da Turquia  Mais dois navios transportando grãos que saíram dos portos do Mar Negro da Ucrânia no sábado, disse o Ministério da Defesa da Turquia, elevando para 16 o número total de navios a sair do país sob um acordo entre a ONU e a Turquia. ...
  • [ANÁLISE] Erdoğan aumenta o domínio sobre as TSK para facilitar a colaboração com regimes autoritários  O mundo está evoluindo de uma ordem mundial unipolar dominada por um único poder para um sistema político multipolar no qual mais de um poder luta pelo domínio. Na atual luta de grandes potências, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan acredita que pode manter seu poder político aliando-se à Rússia, China e Irã. Após sua reunião bilateral com o presidente russo Vladimir Putin em Sochi em 5 de agosto, Erdoğan disse aos repórteres que Putin o havia convidado para uma reunião da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) a ser realizada no Uzbequistão de 16 a 18 de setembro de 2022. Como o Erdoğan explica que, como presidente de um país membro da OTAN, ele possa participar de uma reunião da SCO, que reúne regimes autoritários? Qual é a conexão entre a estreita cooperação do Erdoğan com os regimes autoritários e os regulamentos que levaram ao domínio do Erdoğan sobre as Forças Armadas Turcas (TSK) após uma tentativa de golpe na Turquia em 15 de julho de 2016? ...
  • “Eles estão nos matando”: Migrantes presos em uma pequena ilha pedem ajuda A organização AGreek de direitos humanos tem chamado as autoridades para ajudar dezenas de migrantes e requerentes de asilo que dizem ter ficado presos em uma pequena ilha fluvial na fronteira entre a Grécia e a Turquia. O Conselho Grego de Refugiados disse à CBS News que o contato com o grupo foi perdido na quarta-feira depois que uma jovem entre o povo desesperado foi alegadamente morta por um escorpião esta semana. ...
  • Envolvimento da Turquia com o Afeganistão cresceu desde a tomada do Talibã Enquanto muitos países cortaram os laços diplomáticos com o Afeganistão após o retorno do Talibã ao poder no ano passado, a Turquia, o único membro da OTAN com presença diplomática no país devastado pela guerra, tem sido ativa em muitas frentes. ...
  • Menino britânico, quatro anos, desaparece depois de viajar para a Turquia com sua mãe  Um menino britânico de quatro anos foi dado como desaparecido após viajar para a Turquia com sua mãe. Acredita-se que George Jack Temperley-Wells tenha viajado de Darlington para a região de Antalya com sua mãe, Brogan Elizabeth Temperley, em 29 de junho deste ano. ...
  • 69,3% dos turcos que lutam para pagar por alimentos, diz pesquisa A maioria das pessoas na Turquia está lutando para pagar pelos alimentos, uma vez que o aumento do custo de vida está afetando sua renda, informou a Turkish Minute, citando os resultados de uma pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisa Social Yöneylem. ...
  • Turquia acatou a sentença do TEDH sobre Kavala, argumenta o ministro da justiça Ao contrário do que o Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) disse em um julgamento no mês passado, o ministro da justiça da Turquia, Bekir Bozdağ, argumentou que os tribunais...
  • Navio com grãos ucranianos recusados pelo Líbano atraca na Turquia Um navio com milho ucraniano, anteriormente rejeitado por um comprador no Líbano devido a "violação das condições de entrega" atracou no porto de Mersin, na Turquia. ...
  • Bancos turcos adotando o sistema de pagamentos russo Cinco bancos turcos assumiram o sistema de pagamentos russo conhecido como Mir, disse no sábado o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, após suas conversas com o presidente Vladimir Putin no resort do Mar Negro de Sochi.  ...
  • Putin tem a chave para a reeleição de Erdoğan, diz o analista russo O contínuo apoio político e financeiro do presidente russo Vladimir Putin é necessário para que o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan ganhe a reeleição no próximo ano, disse um importante analista russo na segunda-feira, refletindo sobre uma reunião entre eles em Sochi, Rússia, que gerou alarme nas capitais ocidentais. ...

Erdoğan tem muito a ganhar com a crise entre Rússia e Ucrânia 

Erdoğan tem muito a ganhar com a crise entre Rússia e Ucrânia 
fevereiro 24
22:36 2022

A Turquia está presa entre “a cruz e a espada” durante a crescente crise entre a Rússia e a Ucrânia devido a seus interesses políticos e econômicos com ambos os lados, disse a analista Iyad Dakka. 

A Turquia está procurando equilibrar seus laços com a Ucrânia e o Ocidente, de um lado, e com a Rússia, do outro, protegendo ao mesmo tempo seus interesses nacionais. Com o aumento das tensões, as relações estreitas formadas entre o Presidente Recep Tayyip Erdoğan e o Presidente russo Vladimir Putin nos últimos cinco anos provavelmente permanecerão intactas, disse Dakka, um colega do Centro de Estudos Turcos Modernos da Universidade de Carleton, em Ottawa, Canadá. 

“O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan e seu homólogo russo Vladimir Putin, podem fazer as coisas funcionarem apesar de todas as probabilidades”. Afinal, eles aperfeiçoaram a arte da “geopolítica transacional” – a capacidade de fazer micro negócios mesmo quando discordam do panorama geral”, disse Dakka no World Politics Review (WPR) na quarta-feira. 

Segue abaixo uma reprodução completa do artigo: 

Como a ameaça de guerra entre a Rússia e a Ucrânia se torna cada vez maior, a Turquia se encontra entre uma rocha e um lugar difícil. Ela não quer antagonizar a Rússia, com a qual compartilha interesses estrategicamente vitais, mas também precisa mostrar seu apoio à Ucrânia e seus aliados da OTAN diante da maior ameaça à segurança europeia na era pós-Guerra Fria. Isto forçou a Turquia a percorrer uma corda bamba diplomática bem calibrada durante o mês passado. 

Durante sua visita a Kiev em 3 de fevereiro, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan proclamou seu apoio à soberania ucraniana, reiterou sua oposição à anexação da Crimeia e assinou um acordo histórico de livre comércio para sinalizar o compromisso da Turquia com o relacionamento de longo prazo com a Ucrânia. Isto foi equilibrado, entretanto, com uma oferta para desanuviar a situação, convocando uma cúpula trilateral com o presidente russo Vladimir Putin e o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky em Ancara ou Istambul. Erdoğan continua a pressionar esta proposta com Putin. 

A urgência e a importância das aberturas diplomáticas do Erdoğan são compreensíveis. Ancara afundou seus dentes econômicos na Ucrânia e pode acabar sendo um dos principais perdedores econômicos se a Rússia invadir. Em 2021, a Turquia tornou-se o maior investidor estrangeiro na Ucrânia, com investimentos superiores a 4 bilhões de dólares. Atualmente, há mais de 700 empresas turcas operando no terreno. Nos últimos cinco anos, as exportações turcas para a Ucrânia quase dobraram para US$ 2,6 bilhões, enquanto as importações aumentaram acentuadamente de US$ 2,8 bilhões para US$ 4,4 bilhões. 

A cooperação bilateral está se movendo particularmente rapidamente nos setores de defesa e aeroespacial. Desde 2019, Kiev adquiriu uma dúzia estimada de aviões Bayraktar, a principal exportação militar da Turquia no momento. A marinha ucraniana também encomendou duas corvetas MILGEM classe Ava, que serão produzidas em conjunto em solo turco e ucraniano. Os dois lados já assinaram um acordo para construir instalações de treinamento e manutenção para os zangões turcos na Ucrânia, e deram seguimento a isto assinando um acordo para a produção conjunta de zangões da próxima geração que alavancará a tecnologia aviônica turca e de motores a jato ucranianos. 

A Turquia entende muito bem que a mudança de regime na Ucrânia colocaria em risco esses investimentos e relações comerciais estratégicas. Mas apesar da enxurrada da diplomacia, a margem de manobra da Turquia é um pouco limitada e sua influência diplomática na resolução desta crise provavelmente será modesta. Há algumas razões para isso. Em primeiro lugar, o que a Rússia quer da Ucrânia só pode ser verdadeiramente fornecido pelos Estados Unidos e pelas grandes potências europeias. Washington, Paris, Berlim e Londres são os únicos atores que podem trabalhar com a Rússia para estabelecer uma nova arquitetura de segurança europeia. E é improvável que a Rússia forneça a Ancara qualquer ganho diplomático livre quando vê a Turquia como um jogador periférico nesta crise. Relatórios que Erdoğan queria mediar estão circulando há quase um mês. Quando perguntado se tinha algo mais a acrescentar a essa reunião em potencial, o Kremlin pareceu bastante blasé sobre a ideia, simplesmente declarando que não tinha detalhes para compartilhar. Poder-se-ia pensar que se a Rússia sentisse que os bons ofícios da Turquia foram fundamentais para alcançar até mesmo alguns de seus objetivos, esta reunião já teria acontecido. 

Ancara vê uma oportunidade de recalibrar sua reputação depois de uma década sendo acusada de aventureirismo militarista imprudente na Síria, na Líbia e no Mediterrâneo oriental. 

Em segundo lugar, o equilíbrio de interesses nesta crise, na sua esmagadora maioria, aponta para a Rússia. Dito de outra forma, apesar dos interesses econômicos da Turquia, a Ucrânia não é, e não se tornará, uma linha vermelha de segurança nacional para Ancara. Em contraste, o Kremlin vê uma Ucrânia em potencial aliada à OTAN como um resultado inaceitável que deve ser evitado a todo custo. Os fatos frios e difíceis são que a Rússia entrará em guerra para garantir que a Ucrânia nunca entre na OTAN, enquanto a Turquia poderia viver com uma Ucrânia sob o domínio russo se, em última instância, tivesse que fazê-lo. Esta é a parte tranquila que os turcos não vão dizer em voz alta tão cedo. 

Finalmente, há um desequilíbrio estrutural de poder na região do Mar Negro que favorece fortemente Moscou. A frota turca no Mar Negro é relativamente modesta, e este desequilíbrio tem se inclinado ainda mais a favor da Rússia desde sua anexação da Crimeia em 2014, o que permitiu a Moscou expandir sua zona de negação anti-acesso/área na região. E enquanto a Turquia gostaria que seus parceiros da OTAN e a Ucrânia ajudassem a contrabalançar a hegemonia russa na área, Ancara quer que isso seja gerenciado de forma inteligente e cuidadosa. Os turcos não querem que nenhum acordo de segurança regional entre a Rússia e a OTAN prejudique a Convenção de Montreux de 1936 – um tratado histórico que concede à Turquia plena soberania sobre os estreitos de Bósforo e Dardanelos enquanto governa o fluxo de navios mercantes e militares para o Mar Negro. Fazendo eco destas preocupações na reunião ministerial da OTAN na semana passada, o Ministro da Defesa turco Hulusi Akar declarou que a Convenção de Montreux trouxe “equilíbrio, estabilidade e segurança no Mar Negro”. … Explicamos e continuamos a explicar em todas as ocasiões que isto é de importância vital”. 

Naturalmente, nada disso significa que a Turquia e a Rússia não continuarão a se engajar na Ucrânia. Apesar de ver Ancara como um ator diplomático periférico nesta crise, a Rússia tem coisas a discutir. Por exemplo, quer que os turcos atrasem ou interrompam as transferências avançadas de armas para os ucranianos, incluindo os drones Bayraktar. O Kremlin também acolheria de bom grado a pressão turca sobre a OTAN por dentro, particularmente quando se trata de socializar ainda mais o Ocidente para os interesses de segurança a longo prazo da Rússia. Estas coisas por si só atrairão os russos a manter as linhas de compromisso abertas com Ancara e, pelo menos na superfície, garantirão que Erdoğan nunca receba um “não” duro quando se trata de suas ofertas para mediar. 

Para a Turquia, os esforços diplomáticos valem a pena, independentemente de suas perspectivas de sucesso. Ancara vê uma oportunidade de recalibrar sua reputação como potência regional estabilizadora, após uma década sendo acusada de aventureirismo militarista imprudente na Síria, Líbia e no Mediterrâneo oriental. Há também uma jogada doméstica em jogo para Erdoğan. Numa época em que a economia turca está cambaleando sob o peso da inflação, e com vistas às eleições presidenciais de 2023, o Partido da Justiça e Desenvolvimento, ou AKP, quer aproveitar a crise para reforçar a imagem do Erdoğan como um líder sábio e capaz. O porta-voz do AKP Erdoğan deixou isso claro quando afirmou: “Os países mais importantes do mundo são capazes de apresentar uma abordagem que pode abordar um dos lados desta crise. Mas nosso presidente está lançando uma diplomacia que apela para os dois lados da crise”. 

Mas o mais importante, talvez, é a possibilidade de que Erdoğan e Putin possam fazer as coisas funcionarem apesar de todas as probabilidades. Afinal, eles aperfeiçoaram a arte da “geopolítica transacional” – a capacidade de fazer micro negócios mesmo quando discordam sobre o quadro geral. Esta forma de fazer negócios resistiu relativamente bem em vários teatros geopolíticos, desde a Síria e Líbia até o Cáucaso. Isto potencialmente explica por que a Turquia permite que suas empresas negociem com a Crimeia e Abcázia, apesar de sua posição oficial em apoio à integridade territorial da Ucrânia e da Geórgia, respectivamente. Há muitos poucos motivos para esperar que a Ucrânia mude o nome do jogo entre Ancara e Moscou. 

Fonte: https://ahvalnews.com/turkey-ukraine-crisis/erdogan-has-lot-riding-russia-ukraine-crisis-analyst  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer