Últimas notícias

Venda de F-16 poderia consertar laços entre EUA e Turquia, mas tensão com Rússia atrapalha

Venda de F-16 poderia consertar laços entre EUA e Turquia, mas tensão com Rússia atrapalha
janeiro 23
21:56 2022

Membros do Congresso que se opõem à relação de Erdogan com Putin resistem à compra em potencial de Ancara de um caça

A administração Biden está pesando uma proposta turca para comprar uma frota de caças F-16 que, segundo autoridades em Ancara, corrigiria os laços de segurança rompidos entre os países, mas a venda enfrenta a oposição de membros do Congresso que criticam os crescentes laços da Turquia com a Rússia.

Altas autoridades turcas dizem que o acordo poderia ser uma linha de salvação para seu relacionamento com os EUA, que tem sofrido durante anos com as compras de armas russas pela Turquia, confrontando interesses na guerra na Síria e as críticas dos EUA ao histórico de direitos humanos de Ancara. E em ambos os países, os analistas dizem que bloquear a venda poderia empurrar Ancara para mais perto da Rússia.

A perspectiva da venda de F-16 para a Turquia, membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), surge quando a Rússia está testando a determinação da aliança na fronteira ucraniana, onde Moscou enviou dezenas de milhares de tropas e provocou temores de uma invasão.

O acordo tem sua origem em 1999, quando a Turquia se juntou ao consórcio internacional liderado pelos americanos, construindo o avançado caça F-35. Em 2017, Ancara decidiu comprar o sistema russo de defesa aérea S-400 por causa de objeções dos EUA, que temiam que ele pudesse hackear os F-35. Em resposta, dois anos depois, os EUA expulsaram a Turquia do programa F-35.

Com o F-35 fora de alcance, os novos F-16 substituiriam os velhos F-16 e os jatos F-4 da frota da Turquia. Mas a venda proposta enfrenta a resistência dos legisladores, que têm uma visão fraca da compra do S-400, da estreita relação do presidente turco Recep Tayyip Erdogan com o presidente russo Vladimir Putin, e das políticas turcas no Mediterrâneo oriental, disseram autoridades americanas e assessores do congresso.

A administração Biden ainda não sinalizou se apoiará o acordo F-16. As leis de controle de exportação de armas dos EUA exigem que a administração notifique o Congresso sobre as vendas militares estrangeiras propostas, dando aos legisladores uma chance de rever e se opor ou tentar bloquear um acordo. A administração ainda não notificou formalmente o Congresso sobre a proposta de venda de F-16.

“Ela atingiria lobadas no percurso”, disse um assessor do congresso. “A questão é se essas lombadas a quebrariam, ou se ela seria capaz de passar por cima delas”.

O acordo proposto ilustra as complexas questões de segurança nacional no relacionamento dos EUA com a Turquia, um aliado da OTAN e potência regional que hospeda milhares de soldados americanos. A relação de segurança de décadas entre Ancara e Washington se tornou tensa nos últimos anos, pois o Sr. Erdogan estabeleceu laços mais estreitos com a Rússia. A Turquia também atacou as milícias curdas apoiadas pelos Estados Unidos na Síria. Enquanto isso, o Sr. Erdogan disse em novembro que a Turquia estava pronta para mediar entre a Ucrânia e a Rússia.

Os Estados Unidos estão negociando com autoridades turcas a venda, de acordo com autoridades turcas. Um conselheiro chefe do Sr. Erdogan, Ibrahim Kalin, perguntou sobre o acordo durante uma chamada em 10 de janeiro com o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, de acordo com uma pessoa familiarizada com a discussão.

Um porta-voz do Conselho Nacional de Segurança se recusou a comentar.

“Os Estados Unidos e a Turquia têm laços de defesa bilaterais antigos e profundos, e a interoperabilidade contínua da Turquia com a OTAN continua sendo uma prioridade”, disse um porta-voz do Departamento de Estado. Vários Estados membros da OTAN usam os F-16, incluindo a Turquia.

Os atuais e antigos oficiais turcos disseram que o acordo sobre os F-16, se aprovado, impediria o desvio do aliado da OTAN em direção à Rússia. Além do acordo dos S-400, Erdogan disse no outono passado que havia discutido com a Rússia o reforço da cooperação de defesa, inclusive em aviões de combate e motores a jato.

“A Turquia é um jogador importante no jogo e tem que ser mantida no grupo ocidental”, disse Ilnur Cevik, conselheiro chefe de política externa do Sr. Erdogan.

A compra do S-400 provocou uma fenda entre os dois países que resistiu ao reparo. O Sr. Cevik disse que o país ainda não implantou as baterias de mísseis, embora o Sr. Erdogan tenha dito que quer comprar mais.

“A venda do F-16 é uma saída brilhante”, disse James Jeffrey, um ex-embaixador dos EUA na Turquia que agora está com o Wilson Center, um think tank de Washington. “O problema é que há uma atitude tão negativa sobre a Turquia, particularmente no Congresso dos EUA, que temo que as pessoas tropecem nela”.

O acordo enfrenta um ceticismo significativo entre os principais senadores que se opõem à compra da Turquia do sistema de mísseis russo, de acordo com os assessores do Congresso. Os líderes do Comitê de Relações Exteriores do Senado, Sens. Robert Menendez (D., N.J.) e James Risch (R., Idaho), ainda não tomaram posições públicas sobre o acordo.

Na Câmara, um grupo de membros de ambas as partes, incluindo membros da bancada helênica pró-grega, se opôs ao acordo em cartas ao Secretário de Estado Antony Blinken no ano passado, citando as compras de armas russas de Ancara e a disputa da Turquia com a Grécia sobre as fronteiras marítimas no Mediterrâneo.

“Nossa preocupação é, se estamos lhes dando equipamento militar, se eles vão continuar a agir desta maneira agressiva em relação ao Chipre, em relação às ilhas gregas”, disse a deputada Nicole Malliotakis (R., N.Y.). “Estamos preocupados que nossa propriedade intelectual seja compartilhada com a Rússia”. [A Turquia] está agindo de muitas maneiras, como um adversário”.

Autoridades turcas atuais e antigas dizem que afundar o acordo dos F-16 puniria o estabelecimento da defesa da Turquia, que permanece amplamente alinhada com os EUA e oposta à Rússia, apesar da relação do Sr. Erdogan com o Sr. Putin.

“Eles realmente precisam dessas aeronaves”, disse Charles Forrester, um analista líder da Janes, uma publicação da indústria de defesa. “O desafio para eles, no entanto, é que a situação do S-400 não foi realmente resolvida de forma pública”.

Se a Turquia não puder comprar os jatos americanos, poderá ir às compras em Moscou, que oferece seu caça Su-35 e Su-57, bem como o Checkmate, o caça furtivo monomotor de quinta geração proposto pela Rússia, disseram os analistas.

As sanções britânicas sobre a incursão da Turquia na Síria impediriam Ancara de comprar o Eurofighter Typhoon, e é pouco provável que a França aprove a venda de seus caças Dassault Rafale, em parte porque vendeu aviões para a Grécia, rival da Turquia, no ano passado, disse o Sr. Forrester.

Autoridades turcas seniores disseram que Ankara não se juntaria ao campo russo, mas os analistas dizem que o possível colapso do negócio F-16 poderia levar Erdogan para mais perto de Moscou.

“Eles podem ir para os russos”, disse o Sr. Jeffrey, o ex-embaixador. “E então você terá uma espiral descendente de acusações e maus sentimentos, e isso só reforçará o caminho na direção errada. É por isso que o F-16 é tão importante”.

Escreva para Jared Malsin em [email protected] e Brett Forrest em [email protected]

Fonte: F-16 Sale Could Mend U.S., Turkey Ties, but Tension With Russia Intrudes – WSJ

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer