Últimas notícias

Na Turquia, os críticos dizem que “o sultão está nu”. Os conselheiros de Erdogan não lhe dizem.

Na Turquia, os críticos dizem que “o sultão está nu”. Os conselheiros de Erdogan não lhe dizem.
dezembro 18
18:53 2021

Na Turquia, a lira está caindo, assim como o céu. Os preços nos supermercados estão mudando quase diariamente. As filas para o pão subsidiado estão crescendo. Os turcos não conseguem pagar as contas, pois os custos de batatas, farinha e frango sobem. Quase universalmente, os especialistas culpam um homem: O presidente Recep Tayyip Erdogan.

O autocrático Erdogan – que ascendeu ao poder durante o primeiro mandato de George W. Bush como presidente dos EUA – declarou efetivamente guerra à ortodoxia financeira, jogando combustível no fogo de uma crise cambial, baixando as taxas de juros quando os economistas argumentam que ele deveria estar fazendo exatamente o oposto: elevando-as para defender a lira.

Mas Erdogan, que afirma ter estudado economia, diz que sabe o que é melhor. Pedindo aos turcos para serem “pacientes”, ele insiste em uma moeda mais fraca e taxas de juros mais baixas impulsionarão as exportações turcas, criarão empregos, estimularão o crescimento e combaterão a inflação. O que ele deixa de mencionar, dizem os economistas, é que tal política, especialmente em meio à crise, também fará com que o preço das importações essenciais dispare, afugente os investidores estrangeiros, drene os bancos turcos e empobreça a população, impulsionando a inflação ao invés de domá-la. Na quinta-feira, um novo corte nas taxas – o quarto em quatro meses – fez com que a lira mergulhasse para um recorde de baixa. Na sexta-feira, os investidores votaram com seus pés, acionando disjuntores na bolsa de valores que interromperam as negociações duas vezes em uma hora, em meio a uma forte venda.

Tendo acumulado poder ao longo dos anos, enquanto purgava das fileiras do governo aqueles que o questionavam, Erdogan, dizem os críticos, agora está cercado por homens que só dizem sim. Ele demitiu pensadores livres no Banco Central da Turquia, deixando os especialistas com medo de que não reste ninguém a quem o presidente dá ouvidos para dizer que o sultão está nu. Como a lira continua a cair – perdeu metade de seu valor em relação ao dólar este ano – os turcos pobres e de classe média estão pagando o preço mais alto, já que o custo dos produtos básicos dobra e os custos de combustível aumentam em 40 por cento.

“Eu acho que o fim do mundo está chegando”, disse um vendedor de rua de Ancara ao New York Times.

As ideias irracionais das taxas de juros do Pres. Erdogan estão AFUNDANDO a lira & dando COMBUSTÍVEL à #inflação. Hoje, eu meço com precisão a inflação da #Turquia em 100,65%/ano. Isso é quase 5x a falsa taxa de inflação oficial de novembro de 2021 apresentada pela RTE e seus bonecos de TCMB. É hora de um #ConselhoMonetário.

– Steve Hanke (@steve_hanke) 13 de dezembro de 2021

Os analistas estão começando a questionar se as loucuras financeiras de Erdogan podem fazer o que anos de consolidação de poder e táticas repressivas não fizeram: custarem-lhe seu emprego.

“Ele realmente parece acreditar que está certo, enquanto o resto do mundo acredita que o contrário seja verdade”, disse-me Sinan Ulgen, um especialista turco da Carnegie Europe. “Se esta política falhar, ele continuará a perder popularidade”. Já outros competidores presidenciais estão ganhando nas pesquisas”.

Apostas contra Erdogan muitas vezes falham. Durante as últimas duas décadas, ele conseguiu repetidamente transformar a adversidade em triunfo, navegando com sucesso em crises geopolíticas, uma tentativa de golpe obscuro e uma primavera turca, quase sempre saindo mais forte, mantendo o apoio dos conservadores islâmicos no coração de seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP). A menos que, como a oposição pediu, sejam realizadas eleições antecipadas – uma possibilidade que Erdogan rejeitou – a próxima votação presidencial não acontecerá até 2023.

Ainda assim, as crises econômicas podem ser traiçoeiras para os políticos. Basta perguntar aos argentinos, que, em meio a um colapso monetário devastador e à crise da dívida no final de 2001, passaram por cinco presidentes em duas semanas. A Turquia ainda não chegou lá, e, por uma série de razões, incluindo sua dívida externa mais controlável, provavelmente evitará um colapso ao estilo argentino. No entanto, líderes autoritários como Erdogan têm caído repetidamente em meio ao caos econômico. Em 2019, o presidente do Sudão, Omar Hassan al-Bashir, foi deposto em um golpe militar após manifestações que começaram em resposta ao aumento dos custos de alimentos e combustível. Alguns especialistas citam os altos preços dos alimentos como um fator na primavera árabe. Para permanecer no poder, os autocratas tendem a se tornar mais autocráticos. Na Venezuela, o presidente Nicolás Maduro – um aliado próximo de Erdogan – sobreviveu apesar da hiperinflação, e da horrível crise humanitária que provocou, arrastando o país para mais perto de uma ditadura plena.

Embora agora visto como um autocrata, Erdogan não começou dessa forma. “Eu não subscrevo a opinião de que a cultura islâmica e a democracia não podem ser reconciliadas”, disse ele em 2003. Nos primeiros anos de Erdogan no cargo, ele domou um sistema militar ativista, incluindo dezenas de soldados e oficiais em exercício e aposentados. Sua política de investimentos produziu inicialmente um boom econômico que reduziu os índices de pobreza e trouxe uma nova infraestrutura brilhante para as cidades turcas.

Alguns apontam 2013 como seu ponto de não retorno como autocrata, quando ele apoiou uma resposta violenta aos protestos do Parque Gezi em Istambul que começou em oposição ao desenvolvimento urbano, mas se transformou em um protesto público mais amplo contra as liberdades em declínio.

Em 2018, Erdogan pressionou e ganhou uma mudança do sistema parlamentar para um sistema com um presidente forte, o cargo que ele tem agora e no qual ele tem mais liberdade para se esquivar do parlamento. Mas mesmo antes disso, como primeiro-ministro, ele havia agido para silenciar a dissidência, controlando a imprensa. Ele purgou os militares após o golpe de 2016.

Com a intervenção do banco central não tendo mais do que uma influência fugaz, o Lira continua sob pressão – outros 2% mais fraca até hoje, para pouco mais de 14,70

A julgar pelas experiências de outros países, suspeito que o ritmo da dolarização esteja acelerando #Turquia

– Mohamed A. El-Erian (@elerianm) 15 de dezembro de 2021

Desde 2018, no entanto, a Turquia também tem se livrado de um doloroso ajuste de contas econômico. A lira caiu quando Erdogan procurou o crescimento econômico a qualquer custo, e viu taxas de juros mais baixas como a forma de alcançá-lo. Os problemas se aceleraram em março, quando Erdogan, inclinado a baixar ainda mais as taxas de juros, demitiu seu terceiro chefe do Banco Central em menos de dois anos, substituindo-o por Sahap Kavcioglu.

“A principal qualificação que o novo governador do Banco Central traz para seu cargo é sua relação com o genro do presidente Berat Albayrak, cujo mandato como ministro das finanças e tesouraria foi desastroso”, escreveu Steven A. Cook em Foreign Policy.

Erdogan defendeu sua posição, citando as proscrições islâmicas contra os juros altos, enquanto também apontou a China como um exemplo de como taxas de juros baixas e uma moeda mais fraca podem criar uma próspera classe média.

Mas isso levou tempo – algo que poderia faltar à Turquia, dado a precipitada queda na lira, o que também fez subir os custos de fabricação no país. A Turquia importa peças para grande parte de suas exportações acabadas – como carros – que, dada a fraca lira, são agora mais caras de se comprar. Enquanto isso, os males monetários estão aprofundando o descontentamento e incitando protestos antigovernamentais. Esta semana, segundo o Wall Street Journal, MAK – uma empresa de consultoria política pró-governamental – disse que o apoio da AKP afundou abaixo de 30% nas pesquisas de opinião pela primeira vez.

O despacho do Jornal da cidade natal do presidente Rize captou o sentimento de azedume, o que deve dar ao Erdogan motivos de preocupação.

“Estamos no fundo do poço”. Não temos mais poder de compra”, disse Mehmet Alibaris, um produtor de chá perto de Rize, devastado pela inflação, ao Jornal. “Eu votarei em qualquer um que se livrar deste governo”.

Por Anthony Faiola

Fonte: Turkish currency crisis: Critics say the Sultan has no clothes. Erdogan’s advisors won’t tell him. – The Washington Post

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer