Últimas notícias

Relatório da JWF revela abuso político do sistema de notificação da INTERPOL pelo governo do AKP

Relatório da JWF revela abuso político do sistema de notificação da INTERPOL pelo governo do AKP
novembro 20
23:06 2021

Um relatório da Journalists and Writers Foundation (JWF), uma organização internacional da sociedade civil com sede em Nova York dedicada à cultura da paz, direitos humanos e desenvolvimento sustentável, demonstrou através de dois casos que as autoridades turcas deram informações falsas à INTERPOL e aos Estados membros, criando pedidos enganosos de detenção e extradição. 

O relatório enfoca os fatos e a análise dos casos de Selahaddin Gülen, professor e sobrinho do erudito islâmico Fethullah Gülen, que retornou do Quênia à força para a Turquia em maio; e Muaz Türkyılmaz, um empresário turco que passou vários meses em detenção pré-extradição na Cidade do Panamá após a apreensão de seu passaporte pelas autoridades de imigração panamenhas em setembro de 2020. 

Gülen e Türkyılmaz estão entre os dissidentes no exterior alvos do governo do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) da Turquia devido a seus supostos vínculos com o movimento Gülen, um grupo baseado na fé que o Presidente Recep Tayyip Erdoğan e seu AKP designaram como uma organização terrorista e acusam de idealizar uma tentativa de golpe de Estado em 15 de julho de 2016. 

O movimento, que se concentra na educação científica, voluntariado, envolvimento comunitário, trabalho social e diálogo inter-religioso e intercultural e se inspira nos ensinamentos do pregador muçulmano Fethullah Gülen, sediado nos Estados Unidos, nega firmemente qualquer envolvimento no golpe fracassado ou em quaisquer atividades terroristas. 

Ambos os casos se referem às tentativas do AKP de “intimidar dissidentes no exterior, emitindo Avisos Vermelhos políticos através da Interpol, contrariando o espírito da Constituição da Interpol e do direito nacional e internacional aplicável”, desde a tentativa de golpe de Estado em 2016, diz o relatório, acrescentando que enquanto viajavam ao exterior, milhares de cidadãos turcos foram detidos devido a Avisos Vermelhos ou cancelamentos de passaportes, deportados à força para a Turquia ou enfrentam o risco de serem extraditados para a Turquia. 

De acordo com dados do Ministério do Interior, 622.646 indivíduos foram investigados por vínculos com o movimento Hizmet enquanto 301.932 foram detidos até o final de fevereiro de 2021, como parte da repressão doméstica do AKP após a tentativa de golpe. 

O governo também confirmou que tinha sido capaz de “raptar e transferir ilegalmente para a Turquia 139 vítimas de 33 países” como parte de seu expurgo global desde 2014, uma estatística que faz da Turquia o país número um a realizar entregas de outros estados, disse o JWF. 

De acordo com o relatório, o caso de Selahaddin Gülen é um excelente exemplo de abuso político do sistema INTERPOL pela Turquia desde que ele foi procurado por supostos crimes pelos quais ele já havia sido julgado e absolvido em 2018, após ser detido no aeroporto de Nairobi em 17 de outubro de 2020, com base em um alerta de Aviso Vermelho emitido pelo escritório da INTERPOL em Ancara. 

“Após seu sequestro e sua transferência ilegal para Ancara, ele foi, entretanto, investigado e processado pelas autoridades turcas por crimes contra a ordem constitucional e o terrorismo. O primeiro parágrafo da acusação contra Selahaddin Gülen refere-se especificamente ao fato de que ele é sobrinho de Fethullah Gülen, o que parece ser seu único ‘crime’ durante toda a acusação”, disse o JWF. 

O caso de Türkyılmaz é outro exemplo de abuso político do sistema INTERPOL pela Turquia, disse a JWF, acrescentando que embora ele tenha sido preso em 14 de setembro de 2020, na Cidade do Panamá, enquanto embarcava num avião para os Países Baixos, ele foi finalmente libertado pelo tribunal e pôde chegar a um terceiro país em segurança, após vários meses de detenção pré-extradição. 

“Após analisar os casos de Selahaddin Gülen e Muaz Türkyılmaz, acusações sem fundamento contra eles, e os pedidos rejeitados pela Secretaria Geral da Interpol e pelo governo do Panamá, é óbvio que as autoridades turcas deram informações falsas à Interpol e aos Estados membros, criando pedidos enganosos de detenção e extradição”, disse o relatório. 

O JWF enfatizou ainda que os registros perturbadores dos direitos humanos da Turquia, incluindo a detenção arbitrária, tortura e desaparecimento forçado de dissidentes, levantam sérias preocupações de que “se extraditados ou de outra forma transferidos para a Turquia, indivíduos sujeitos a notificações vermelhas da Interpol correrão o risco de tortura, maus-tratos ou mesmo de morte”. 

O relatório, que antecede a 89ª Assembleia Geral da INTERPOL, programada para ser realizada em Istambul 23-25 de novembro, visava lembrar as autoridades turcas de “conformar suas ações com a Constituição da Interpol e o conjunto de princípios que protegem os direitos humanos”. 

Levando em conta o abuso turco do sistema INTERPOL, a JWF também exortou a INTERPOL e todos os outros Estados membros a “adotar uma abordagem mais cautelosa de acordo com o espírito da Declaração Universal dos Direitos Humanos ao fazer cumprir notificações ou difusões originárias da Turquia”. 

Fonte: JWF report reveals political abuse of INTERPOL’s notice system by AKP gov’t – Turkish Minute  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer