Últimas notícias

A Turquia está se tornando um problema para a OTAN – os Estados Unidos devem prestar atenção

A Turquia está se tornando um problema para a OTAN – os Estados Unidos devem prestar atenção
outubro 08
21:05 2021

O presidente russo Vladimir Putin e o presidente turco Recep Tayyip Erdogan reuniram-se recentemente em Sochi para discutir as operações militares no noroeste da Síria. Enquanto estava em lados opostos na Síria, antes das conversações, Erdogan descreveu a cooperação militar turca com a Rússia como “de suma importância”, aludindo ao que os EUA já sabem: a Turquia não se sente constrangida por suas responsabilidades na OTAN. Ela não hesitará em seguir o caminho mais alinhado com seus próprios interesses, não importa onde esteja: no Ocidente ou na Rússia. Os Estados Unidos podem aprender algo com esta realpolitik astuta e desavergonhada. 

Em 2019, depois de anos de trabalho na linha de fronteira entre as relações aconchegantes com a Rússia e o Ocidente, a Turquia parecia colocar o toque de morte em sua credibilidade junto à OTAN, comprando sistemas de defesa S-400 de fabricação russa, iniciando a Turquia a partir do programa conjunto F-35 de combate à greve. A Casa Branca divulgou uma declaração sobre a decisão, alegando que a compra da Turquia tornou “impossível o envolvimento contínuo com o F-35”, pois “o F-35 não pode coexistir com uma plataforma russa de coleta de informações”. Entretanto, funcionários como o Senador Jim Risch (R-Idaho) foram muito mais francos sobre as implicações da compra. “Não se trata de uma pequena confusão com este país”, disse ele. “Eles nos deram um dedo no nariz, e eles deram um dedo no nariz a seus outros aliados da OTAN”. 

Os Estados Unidos sancionaram a Turquia e instaram Erdogan a reverter a decisão. Erdogan redobrou antes das reuniões de Sochi: “Não nos é possível voltar atrás nos passos que demos. … É de grande importância para nós continuar fortalecendo as relações Turquia-Rússia a cada dia”. A Turquia escolheu sua trajetória. Os Estados Unidos devem ajustar seu comportamento em conformidade e deixar de tratar suas alianças da OTAN como sacrossantas quando a Turquia claramente não vê a relação de forma semelhante. 

A Turquia, apesar de ter a segunda maior força militar permanente da OTAN, está se aproximando de um ponto em que se torna um passivo possível, ao invés de um ativo. Embora não descontando os pontos de tensão na Síria e na Líbia, o ponto mais gritante para um possível conflito é o compromisso duradouro da Turquia com a defesa do Azerbaijão contra a Armênia, através do treinamento de oficiais azerbaijaneses e do fornecimento de equipamento militar. Se um conflito eclodisse mais uma vez, seria entre o Azerbaijão, apoiado pela Turquia, e a Armênia, apoiada pela Rússia, apresentando o potencial da Turquia para, mais uma vez, estar em desacordo com os militares russos e pedir ajuda ou assistência da OTAN. 

Mesmo entre os próprios aliados da OTAN, a Turquia tem alimentado as chamas do conflito, com Erdogan se tornando cada vez mais agressivo no Mediterrâneo. Em 2020, a Turquia desconsiderou um embargo de armas imposto pela ONU em torno da Líbia e respondeu com hostilidade quando confrontada por patrulhas francesas. As tensões greco-turcas no Egeu quase entraram em guerra no mesmo ano, depois que as fragatas gregas e turcas quase colidiram com as disputas de perfuração, forçando os EUA a intervir e pressionar para a desescalada e as negociações. No entanto, entre essas hostilidades, a Turquia foi deixada relativamente ileso por seus aliados da OTAN. 

Como a Turquia continua a alimentar o fogo das tensões em curso, os EUA devem deixar claro que não combaterão as guerras de Erdogan sob a obrigação de defesa da Otan se essas disputas eclodirem além do controle de Erdogan. As concessões contínuas e a ajuda aos parceiros americanos, por serem simplesmente aliados, são a razão pela qual aliados americanos como a Turquia têm abusado e tirado proveito dessas leniências e se afastado dos interesses americanos. 

As alianças não devem ser tratadas como vínculos sagrados de um pacto. Elas são formadas para reconhecer interesses paralelos e se comprometem a servir conjuntamente a esses interesses. A OTAN foi formada para apoiar as nações europeias que queriam combater a influência e o poder de Moscou e proporcionar uma defesa unificada contra a agora dissolvida União Soviética. Se esses mesmos aliados da OTAN estão agora flertando com Putin sem desculpas, os Estados Unidos deveriam ajustar a extensão de sua obrigação àqueles cujos interesses são opostos aos interesses americanos. Os Estados Unidos deveriam repensar sua responsabilidade de defesa perpétua europeia e deixar de servir aos aliados como a Turquia seu bolo em uma bandeja, para que ambos possam tê-lo e comê-lo também. 

Natalie Armbruster é uma associada de pesquisa da Defense Priorities. 

Fonte: Turkey is Becoming a Problem for NATO—the U.S. Should Pay Attention | Opinion (msn.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer