Últimas notícias

HDP não poderia ter encerrado as conversações de reconciliação do AKP com o PKK: Demirtaş

HDP não poderia ter encerrado as conversações de reconciliação do AKP com o PKK: Demirtaş
agosto 25
15:51 2021

O ex-coordenador do pró-curdo Partido do Povo Democrático (HDP), Selahattin Demirtaş, disse que o HDP não pode ser responsabilizado pelo colapso das conversações de reconciliação de Ancara com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), ilegalizado, informou a mídia turca na terça-feira. 

O HDP não estava em posição de encerrar as conversações já que as partes envolvidas eram o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) e o PKK, Demirtaş disse ao site de notícias Medyascope em uma entrevista. 

Designado como um grupo terrorista pela Turquia, Estados Unidos e União Europeia, o PKK empreendeu uma insurgência separatista contra o Estado turco desde 1984. Mais de 40.000 pessoas foram mortas no conflito, centrado no sudeste da Turquia. 

Em 2012 o AKP havia declarado um cessar-fogo com o PKK em um esforço para resolver o conflito em curso com o grupo militante como parte dos esforços para resolver o que eles chamavam de “problema curdo”, um termo predominante no discurso público da Turquia para denotar a luta curda pelo reconhecimento. 

Referindo-se à visita do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan à cidade predominantemente curda de Diyarbakır, onde ele disse que foram as “más intenções, motivos ocultos e agenda oculta” do HDP que puseram fim a um cessar-fogo de dois anos e meio em 2015, Demirtaş disse que a visita de Erdoğan não despertou qualquer interesse nos residentes de Diyarbakır. 

“De fato, ele não tinha nada de sério para lhes dizer. Até onde posso ver, sua visita criou um entusiasmo zero”, disse ele. 

Embora ele não tivesse nada a oferecer às pessoas de Diyarbakır, Erdoğan tem muitas coisas a aprender de sua visita lá, disse Demirtaş. 

“Foi impossível para o HDP terminar oficialmente e praticamente as conversações de reconciliação porque as partes envolvidas eram o AKP e o PKK”. O HDP só o facilitou [as conversações]. Não foi o HDP que iniciou as conversações, portanto não tinha poder ou autoridade para terminá-las”, disse Demirtaş. 

Demirtaş manteve que as pessoas que acusam o HDP de acabar com as conversações estão mentindo ou distorcendo a verdade. 

“Se o AKP dá tanta importância à reconciliação, eles podem iniciar mais conversações. Quem os está segurando”? perguntou o site Demirtaş. 

Chamando a atenção para as políticas contraditórias do AKP e as observações sobre o problema curdo, Demirtaş disse que sua posição é de apoiar qualquer esforço sério para acabar com a violência. 

“É uma contradição para o AKP promover as conversações de reconciliação por um lado e prosseguir com o caso de fechamento [contra o HDP], prisões, pressões e uma continuação do ‘isolamento’ [do líder do PKK Abdullah Öcalan] em İmralı [prisão], por outro. No entanto, infelizmente, tudo é feito de olho nas eleições”, disse ele. 

O Tribunal Constitucional da Turquia, em 21 de junho, aceitou uma acusação apresentada por um procurador sênior, solicitando o fechamento do HDP e a imposição de uma proibição política a 451 membros do partido, bem como o congelamento das contas bancárias do partido por supostos vínculos com o PKK. 

Demirtaş manteve que o AKP pôs um fim às conversações porque estavam sangrando votos nas urnas. 

Depois que o AKP de Erdoğan perdeu sua maioria governamental pela primeira vez nas eleições de junho de 2015, ele reacendeu uma guerra contra os curdos no país. 

As autoridades turcas haviam conduzido conversações diretas com Öcalan, o líder preso de PKK, por mais de dois anos até o verão de 2015, quando a morte de dois policiais perto da fronteira síria tornou-se a razão oficial do colapso das negociações. 

Desde então, houve confrontos contínuos entre as forças de segurança turcas e o PKK. 

Tanto o AKP de Erdoğan como seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), de extrema-direita, frequentemente acusam o HDP, o segundo maior grupo de oposição no parlamento, de vínculos com o PKK. O partido nega a pretensão do governo e diz estar trabalhando para alcançar uma solução pacífica para o chamado problema curdo da Turquia. 

Demirtaş está atrás das grades por acusações de motivação política desde novembro de 2016, apesar das decisões da Corte Europeia de Direitos Humanos exigindo sua libertação imediata. 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer