Últimas notícias

Turquia tenta recuperar a influência do Império Otomano e suas consequências

Turquia tenta recuperar a influência do Império Otomano e suas consequências
outubro 26
15:23 2020

Se for apresentado um mapa do Oriente Médio, Norte da África, Mediterrâneo Oriental e Ásia Central, é possível perceber que a Turquia está presente em vários dos conflitos que assolam a região.

Alguns anos atrás, Ancara afirmou ter “conflito zero com seus vizinhos”.

Hoje está presente de forma polêmica na Síria, Líbia e Nagorno-Karabakh. Tem sérios problemas com os curdos em seu território e na Síria, e um confronto perigoso com Atenas pelo Chipre, e com outros países por recursos energéticos no Mar Mediterrâneo.

Da mesma forma, as tensões com a Rússia, os Estados Unidos, Israel, a União Europeia e a OTAN estão crescendo.

Por 600 anos, com um boom especial nos séculos 16 e 17, o Império Otomano dominou do sudeste da Europa aos territórios que atualmente são a Áustria e a Hungria, os Bálcãs, a Grécia, parte da Ucrânia, Iraque, Síria, Israel, os territórios Palestinos e Egito. Seu poder alcançou a Argélia no norte da África e grande parte da península Arábica.

O governo de Recep Tayyip Erdogan do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), que governa desde 2002, vem adotando uma política externa cada vez mais ambiciosa, com o pano de fundo mítico de seu passado imperial.

Poder regional

Os setores civil e militar turcos consideram seu país uma potência regional emergente com fortes capacidades demográficas, econômicas e comerciais. Faz fronteira com oito estados e 74% da população total (84.339.067 pessoas) professa o Islã sunita.

A Turquia é um dos estados que se formaram após o fim do Império Otomano.

Desde 1928, é oficialmente secular. No entanto, o Islã tem um grande peso na sociedade e na política. O presidente Erdogan foi inicialmente conciliador entre secularistas e islâmicos, mas formou um poder autoritário com forte orientação religiosa.

Entre 2014 e 2016, a Turquia promoveu a política de “conflito zero” com os vizinhos e a mediação em disputas internacionais.

Da mesma forma, promoveu medidas não militares (soft power), como a abertura de embaixadas na África e América Latina, cooperação Sul-Sul para o desenvolvimento, influência cultural (principalmente novelas), co-patrocinou a Aliança das Civilizações e foi membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Como explica Kerem Öktem, do Centro de Estudos do Sudeste Europeu (Universidade de Graz, Áustria), ele incentivou os investimentos nos Bálcãs e no Oriente Médio e na criação de uma zona de livre comércio com a Síria, Jordânia e Líbano.

No conflito israelense-palestino, a Turquia desempenha um papel importante e contraditório. Por um lado, a animosidade entre Erdogan e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu é pública.

Israel e Turquia entraram em confronto diplomático em 2010 por causa da flotilha humanitária para Gaza, apoiada pelo governo de Ancara. Boas relações comerciais e militares foram substancialmente reduzidas.

A Turquia apoia a causa palestina e criticou os Estados Unidos por moverem sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, contrariando várias resoluções das Nações Unidas.

O Bahrein e os Emirados Árabes Unidos recentemente reconheceram Israel e cortaram sua ajuda aos palestinos. Ancara aproveitou a ocasião para sediar a primeira de uma série de reuniões em Istambul no mês passado para mediar entre as facções palestinas do Fatah e do Hamas.

A Turquia também apoia o Catar contra a pressão da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, e é crítica ao governo egípcio por sua repressão à Irmandade Muçulmana. Apesar dessas divergências, há sinais de que as relações com Israel podem melhorar.

Projeção de força

Erdogan vem ganhando controle sobre as forças armadas (tradicionalmente seculares) e adotou uma postura intervencionista por ocasião da “Primavera Árabe”, quando apoiou a Irmandade Muçulmana no Egito e as milícias islâmicas contra Bashar al-Assad na Síria.

Suas posições foram radicalizadas após a tentativa de golpe contra eles em julho de 2016.

Mas a crise econômica e financeira e a forte presença de refugiados sírios (3,7 milhões) deterioraram o partido de Erdogan e deram mais peso ao Partido de Ação Nacional nacionalista e de direita, de acordo com Pinar Tank, investigadora do Instituto de Pesquisa de Oslo (PRIO).

Soli Özel, professor da Universidade Kadir Has (Istambul), considera que diferentes escolas de pensamento têm promovido desde o fim da Guerra Fria que a Turquia tenha uma visão expansiva (a estratégia da “Pátria Azul”) de seus interesses e competir com os Monarquias sunitas do Golfo Pérsico pela hegemonia regional.

Atualmente, as escolas islâmicas do AKP fundiram-se com as escolas nacionalistas, anti ocidentais e pró-asiáticas, nas quais coincidem civis e militares, que preconizam a projeção de forças e o estabelecimento de bases militares, a reivindicação dos direitos marítimos e a obtenção de espaços geográficos, incluindo várias ilhas sob soberania grega.

Tensões no Mediterrâneo Oriental

Durante a Guerra Fria, a Turquia foi um forte aliado do Ocidente como membro da OTAN e do Conselho da Europa.

Pela sua posição geográfica e pelas suas características culturais, nas quais o Islã convive com uma forte tradição secular, foi considerada uma ponte com o Oriente e também um muro de contenção contra a influência da ex-URSS e, em particular desde setembro de 2001, do Islã político radical.

Este esquema teve seus problemas. Ancara enfrenta a Grécia, outro membro da OTAN, pela soberania de Chipre desde que a Turquia invadiu o norte desta ex-colônia britânica em 1974.

Em 1983, declarou a República Turca do Norte de Chipre, que não foi reconhecida pela comunidade internacional. Chipre está dividido com uma missão de observação permanente das Nações Unidas.

Em agosto passado, as tensões entre a Grécia e a Turquia renasceram quando o governo de Erdogan ordenou a prospecção de gás nas águas de Chipre que estão em disputa com a Grécia.

Israel, Grécia, Chipre, Itália e Egito estão assinando acordos de cooperação para explorar o gás no Mediterrâneo e vendê-lo para a Europa. A Turquia considera que tem direitos sobre esses depósitos.

A Alemanha está tentando mediar entre a Grécia e a Turquia, mas a questão dividiu os aliados da União Europeia (UE) e da OTAN. Os Estados Unidos se alinharam com a Grécia.

Ancara tem uma carta forte perante a UE: a presença de milhões de refugiados da Síria e de outros países que aguardam no seu território a oportunidade de marchar em direção à Europa. Ancara fez um pacto com a UE em 2016 para conter os refugiados em troca de 6 bilhões de euros.

A questão curda e a Síria

A situação dos curdos é outra fonte de conflito com o Ocidente. A população curda, cerca de 20 milhões, está espalhada por quatro países (Iraque, Síria, Turquia e Irã). No caso turco, eles ocupam parte do leste da Anatólia, onde vivem cerca de 55% dos curdos, o que representa cerca de 20% da população total da Turquia.

Durante décadas, Ancara lutou muito contra as tentativas pacíficas e violentas de independência dos curdos. Desde 2015, o governo intensificou a repressão contra políticos e membros da sociedade civil curdos.

Em outubro de 2019, as tropas turcas entraram no território sírio em Idlib e atacaram as organizações curdas Partido da Unidade Democrática da Síria (SDF) e seu braço armado, as Unidades de Proteção do Povo (YPG).

Eles lutaram contra o Estado Islâmico com o apoio dos Estados Unidos, França e Reino Unido. Erdogan considerou que a autonomia que os curdos tinham na Síria poderia encorajar o secessionismo dos curdos na Turquia.

Os Estados Unidos anunciaram em outubro que retirariam seus 2.500 soldados dessa operação. Posteriormente, Bashar al-Assad reconquistou parte do território curdo sírio e as relações entre a Turquia, a Rússia e a Síria foram fortalecidas.

Em outubro de 2019, as tropas turcas entraram no território sírio de Idlib e atacaram organizações curdas.

Forças turcas e russas se coordenaram para controlar a região. A OTAN criticou a operação turca e Erdogan Ele respondeu que seu país pode lançar ações de segurança nacional “sem pedir permissão a ninguém”.

Intervenção na Líbia e Nagorno-Karabakh

Rússia e Turquia intervêm em lados opostos da guerra civil na Líbia, o país com as maiores reservas de petróleo da África.

Em dezembro passado, o governo turco anunciou que aumentaria o apoio militar ao Governo de Acordo Nacional (GAN) da Líbia, que conta com o apoio das Nações Unidas contra a ofensiva liderada por Khalifa Haftar, comandante militar do ex-presidente Muammar Khadafi.

Haftar lidera uma aliança de milícias, algumas delas islâmicas radicais, chamada Exército Nacional da Líbia.

O GAN controla a parte ocidental do país graças ao apoio militar turco e do Catar, da Itália e da Irmandade Muçulmana. Ancara financia mercenários sírios. O General Haftar é apoiado pelos Emirados Árabes Unidos, Egito e Jordânia. Por sua vez, a Rússia paga cerca de 1.000 mercenários, segundo Sylvie Kauffmann, diretora do Le Monde.

França e Turquia entraram em confronto devido ao papel ambíguo de Paris, mas apoiando Haftar, tentando estabelecer uma aliança com a Rússia. O governo de Emmanuel Macron também tem disputas com Ancara pelo acesso a fontes de energia no Mediterrâneo oriental.

Em troca do seu apoio, a Turquia obteve do frágil governo líbio a criação de uma zona marítima exclusiva no Mediterrâneo, a fim de competir com os projetos da Grécia e de Chipre.

Além disso, ninguém respeita o embargo de armas decretado pelas Nações Unidas. Em fevereiro passado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou sua frustração ao acusar Egito, Turquia, Rússia e Emirados Árabes Unidos por quebrá-lo.

Um desafio para as tentativas russas de manter sua hegemonia no antigo espaço soviético é representado pela política turca em Nagorno-Karabakh, um território que a Armênia e o Azerbaijão disputam.

Nagorno Karabakh

Internacionalmente reconhecido como parte do Azerbaijão, tem uma população de etnia armênia majoritária. Em setembro passado, as forças do Azerbaijão tentaram recapturar áreas capturadas pela Armênia em confrontos entre 1992 e 1994.

A Rússia mantém um equilíbrio delicado e polêmico, fornecendo armas e mediação, entre as duas partes. Mas Moscou descobriu que a Turquia, que sempre apoiou o Azerbaijão diplomaticamente, agora está fornecendo armas e, de acordo com alguns relatos, financiando mercenários sírios.

Moscou e Ancara: aliados ou inimigos?

As relações geopolíticas entre a Rússia e a Turquia giraram desde o século 21 em torno do controle dos Bálcãs, do Mar Negro, do Cáucaso e da influência no Oriente Médio.

Embora tenham posições diferentes em vários conflitos, eles compartilham uma visão estratégica. Tanto Erdogan quanto Putin consideram que o mundo é multipolar e que seus países merecem, junto com a China e outros países emergentes, uma fatia maior do poder em relação aos Estados Unidos e à Europa.

Pinar Tank indica que a nova aliança entre Moscou e Ancara “não deve ser vista como uma substituição da OTAN, mas como uma associação de conveniência que serve para proteger os interesses nacionais de ambas as partes: o desejo turco de ter uma política externa mais autônoma e o da Rússia para desafiar a relação da Turquia com a OTAN. “

Apesar das discrepâncias regionais, os dois países têm uma relação econômica próxima. A Rússia é o terceiro maior parceiro comercial da Turquia e seu principal fornecedor de energia, e vai construir uma usina nuclear para ela.

Em janeiro passado, os dois países decidiram dar continuidade ao projeto de um gasoduto de 930 quilômetros que atravessa o Mar Negro (e evita a passagem pela Ucrânia) para fornecer gás à Europa.

Dificuldades com a OTAN e a União Europeia

As relações com os Estados Unidos também são contraditórias. Washington tenta impedir o governo de Erdogan de se inclinar totalmente a favor do Irã. O governo turco critica o abandono do governo Trump do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano de 2015.

Os Estados Unidos e a OTAN têm a importante base militar Incirlik na Turquia, a partir da qual realizaram operações, entre outras, no Iraque e no Afeganistão. Erdogan ameaçou fechá-la.

Os Estados Unidos se recusaram a extraditar Fethullah Gülen, um oponente de Erdogan. Da mesma forma, em 2019 o governo turco estava inclinado a adquirir o sistema de defesa anti mísseis S-400 Triumph da Rússia, alegando que Washington não queria vender a ele mísseis Patriot em 2017.

Com a União Europeia, é improvável que a integração da Turquia seja negociada a médio prazo.

A renovação do acordo sobre a contenção de refugiados sírios em território turco foi complicada pela tentativa de Ancara de realocá-los para parte da Síria, e as relações econômicas entre os dois lados foram interrompidas pela crise financeira turca.

Saindo do continente, Ancara também está presente nas tensões que cercam a crise política venezuelana. Junto com a União Européia, tenta chegar a acordos entre setores opostos da oposição na Venezuela sobre a participação ou não nas eleições legislativas convocadas para dezembro próximo. A UE está inclinada a participar com condições e os Estados Unidos são contra.

Marc Pierini, do think-tank Carnegie Europe sintetiza: “Do ponto de vista da UE, a Turquia tem uma tripla identidade: é um parceiro estratégico da Europa, especialmente na economia e no comércio; é um adversário no Mediterrâneo Oriental e no Médio Oriente; e um jogador negativo na OTAN. “

* O autor Mariano Aguirre é associado da Chatham House (Londres) e conselheiro do Instituto de Direitos Humanos da Universidade de Deusto (Bilbao).

Fonte: Cómo Turquía intenta recuperar la influencia del Imperio otomano y qué consecuencias tiene para el equilibrio internacional 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer