Últimas notícias

Nova política externa da Turquia pode acionar um ajuste de contas com seus aliados

Nova política externa da Turquia pode acionar um ajuste de contas com seus aliados
setembro 10
11:54 2020

A Turquia deseja se tornar um ator mais influente no Oriente Médio e no Mediterrâneo Oriental, onde os equilíbrios de poder foram afetados pelas recentes mudanças na ordem global. A contenção nos Estados Unidos sob o presidente Donald Trump acentuou essas mudanças e diminuiu as oportunidades de resolução de conflitos em toda a região. Confrontado com consequências potencialmente desestabilizadoras, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan adotou uma política externa e de segurança que expande o alcance do país, mesmo à custa do aumento das tensões com os seus parceiros tradicionais no Ocidente.

Erdoğan adotou uma política externa e de segurança que amplia o alcance do país, mesmo ao custo do aumento das tensões.

Os esforços de Erdoğan para consolidar o poder no seu país mantiveram em grande parte a política externa da Turquia refém dos cálculos políticos internos. Operações militares no Iraque, Líbia e Síria; táticas de hard-power no Mediterrâneo Oriental; e as relações amargas com a União Europeia colocaram a política externa da Turquia em um modo de gestão de crise permanente que, por sua vez, ressaltou a necessidade de uma liderança forte em casa.

Infundida com nostalgia por suas raízes otomanas, a política externa da Turquia carrega cada vez mais a marca do Partido da Justiça e Desenvolvimento de Erdoğan, que a moldou para promover a narrativa de uma Turquia independente líder na região e diversificando suas parcerias globais. Isso é evidenciado pela compra, pela Turquia, do sistema de defesa antimísseis S-400 da Rússia, apesar da ameaça de sanções dos Estados Unidos. Erdoğan cortou o interesse estratégico da Turquia das expectativas anteriores de permanecer no ocidente.

A política externa da Turquia também está servindo para promover uma narrativa de ascensão nacional. Essa visão política impulsionou iniciativas como as tentativas fracassadas de mudança de regime na Síria e, mais recentemente, o envio de tropas turcas à Líbia para apoiar o governo de acordo nacional contra Khalifa Haftar. A expansão da presença regional da Turquia – com sua presença militar avançada em Chipre, Líbia, Qatar e Somália – fortaleceu essa narrativa, assim como suas crescentes capacidades em tecnologia de vigilância e drones armados.

Por quanto tempo esse caminho de autarquia estratégica pode ser sustentado é uma questão urgente.

Por quanto tempo esse caminho de autarquia estratégica pode ser sustentado é uma questão urgente para Ancara. A Turquia é cada vez mais um caso teste para uma política de não alinhamento, à medida que tenta navegar uma relação combativa com parceiros no Ocidente enquanto mantém sua adesão à OTAN – colocando sua economia em risco no curto prazo e suas alianças no longo prazo. Qualquer resolução em potencial do conflito na Líbia, Síria ou outros pontos críticos regionais são, portanto, de importância considerável. Eles muito provavelmente determinarão a direção futura da política externa da Turquia e as chances de sua liderança permanecer alinhada com o Ocidente.

Fonte: Europe’s Global Test: On Turkey – The Day After 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer