Últimas notícias
  • Inflação turca se aproximou de 85% em setembro, em torno de 72% no final do ano Espera-se que a inflação anual da Turquia suba perto de 85% em setembro e foi vista diminuindo apenas para 72% no final de 2022, uma pesquisa da Reuters mostrou na quarta-feira, depois que o banco central chocou os mercados ao cortar as taxas duas vezes, apesar do aumento da inflação. ...
  • Turquia se curva à pressão dos EUA, corta os laços bancários com os russos O florescente comércio da Turquia com Moscou em tempo de guerra deu um grande passo atrás na quarta-feira com a confirmação de que os três últimos bancos ainda processando pagamentos com cartão russo estavam se retirando sob pressão de Washington. ...
  • Jornalista investigativo que reporta desde o exílio é alvo de jornal pró-Erdoğan Cevheri Güven, um jornalista de investigação no exílio, cujos vídeos no YouTube, nos quais ele fala sobre a corrupção e as relações obscuras do governo turco, atraem centenas de milhares de espectadores, foi alvo de um jornal pró-governo que revelou seu endereço e publicou secretamente fotos sua, noticiou o Turkish Minute. ...
  • Turquia promete defender interesses contra Grécia em meio a tensões A Turquia convocou na segunda-feira o embaixador grego para protestar contra o suposto envio de dezenas de veículos blindados fabricados nos EUA para as ilhas gregas que, segundo Ankara, deveriam permanecer desmilitarizadas em conformidade com os tratados internacionais. ...
  • Relatório da ONU implica que Turquia pode ter cometido crimes de guerra com mortes de civis em ataques na Síria Há motivos razoáveis para acreditar que o uso de armas explosivas não guiadas para atacar áreas urbanas e vilarejos equivale ao crime de guerra de lançar um ataque indiscriminado causando morte e ferimentos a civis, disse a Comissão Internacional Independente de Inquérito da ONU sobre a República Árabe da Síria em um relatório publicado em 14 de setembro, referindo-se a morteiros que podem ter sido disparados da Turquia e vários ataques com drones matando civis em várias ocasiões em 2022. ...
  • Fundação sediada nos EUA dirigida pela família de Erdoğan se finge de morta após transferências de dinheiro suspeita O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan tinha uma programação em Nova York, aonde vai todos os anos à Assembleia Geral das Nações Unidas, para participar do tradicional jantar de gala da Fundação Turken, que é dirigido por seus familiares e parentes. Entretanto, este ano, Erdoğan não participou de nenhum evento da Turken. O presidente da Turken teve uma breve reunião com Erdoğan junto com uma dúzia de outros representantes de ONGs turco-americanas no domingo. A decisão do escritório Erdoğan está no fato de que a fundação está enfrentando sérias acusações de recebimento ilegal do dinheiro dos contribuintes turcos. Curiosamente, a fundação não tem se envolvido em nenhuma atividade por muito tempo.  ...
  • Procurador turco expulso por supostamente ajudar inteligência iraniana a sequestrar dissidentes De acordo com a mídia turca, o mais alto conselho judicial da Turquia expulsou um promotor público que foi anteriormente preso como parte de um caso envolvendo acusações de espionagem e sequestro em nome da inteligência iraniana. ...
  • Possível risco sancionatório força bancos turcos a agir sobre sistema de pagamento russo Dois bancos privados na Turquia suspenderam o uso do sistema de pagamento russo Mir no início desta semana, após sinais de alerta dos Estados Unidos. ...
  • O significado das ideias econômicas incomuns de Erdogan para a Turquia O presidente turco Recep Tayyip Erdogan não é o único político que não gosta quando os bancos do país cobram das pessoas relativamente pesado para pedir dinheiro emprestado. O que o diferencia é sua crença pouco ortodoxa em taxas de juros baixas e sua determinação em obter o controle da política monetária dos banqueiros centrais. O resultado: Uma sucessão de cortes de taxas de referência que alimentou a inflação desenfreada e precipitou um colapso da moeda.  ...
  • Voos Moscou-Istambul esgotados em meio à mobilização militar de Putin Os russos compraram todos os voos diretos entre Moscou e Istambul para os próximos três dias após a mobilização parcial dos militares russos anunciada pelo Presidente Vladimir Putin, informou na quarta-feira o Middle East Eye. ...

O assim chamado “golpe” na Turquia

O assim chamado “golpe” na Turquia
julho 22
20:45 2020

As forças armadas da Turquia são conhecidas por sua eficiência. No entanto, os militares estragaram tanto o “golpe” que muitos questionam se aquilo foi encenação. Os críticos descrevem os eventos de 15 de julho de 2016 como um “auto-golpe” organizado pelo presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, para justificar a consolidação de seu poder. De acordo com o ex-secretário de Estado dos EUA John Kerry, “não parece ter sido um evento planejado ou executado de maneira brilhante”.

Aprendemos por experiência própria as melhores práticas para realizar um golpe:

– Matar ou capturar o chefe de governo

– Assumir o controle da mídia

– Reunir apoio público

– Apresentar alguém dentre as fileiras de golpistas para tranquilizar o público

Tropas turcas renegadas não seguiram este roteiro em 15 de julho. Quando os golpistas chegaram ao hotel de Erdogan em Marmaris, ele já tinha ido embora. Perderam o horário do seu check-out. O avião presidencial de Erdogan foi autorizado a decolar do aeroporto de Dalaman. F-16s não conseguiram derrubá-lo. A CNN Turk e a TRT, dois dos canais de notícias menos vistos, foram retirados do ar. No entanto, outros canais foram autorizados a transmitir. As mídias sociais – Twitter, Facebook e YouTube – continuaram em operação. Os militares não apresentaram alguém como o rosto da rebelião para garantir ao público que a ordem foi mantida. E enquanto os imãs pró-Erdogan usavam muezzins para reunir apoio popular, os golpistas instruíam as pessoas a ficarem dentro de casa.

Erdogan afirmou que a Grande Assembléia Nacional da Turquia foi bombardeada por aviões de guerra. No entanto, análises de crateras mostraram que explosões vieram de dentro do parlamento. Ao retornar a Istambul no dia 16 de julho às 03h00 da manhã, Erdogan estava em cima de um ônibus em Istambul cercado por apoiadores empolgados que estavam acenando bandeiras turcas e cantando seu nome. Foi um momento feito para a televisão. “A tentativa de golpe é um presente de Deus”, proclamou.

Em poucas horas, as autoridades começaram a prender oponentes políticos. Erdogan declarou um estado de emergência sem dar previsão de fim, que permitiu ele governar o país com decretos presidenciais. Mais de 40.000 pessoas foram detidas ou presas logo após o chamado golpe de Estado. Mais de 100.000 membros das forças armadas, polícia e judiciário foram demitidos.

O setor educacional, um bastião do secularismo kemalista, também estava na mira. Mais de 1.500 reitores de universidade foram forçados a renunciar e cerca de 21.000 professores foram suspensos ou demitidos.

Erdogan também teve como alvo o judiciário, demitindo 2.754 juízes, incluindo membros do Conselho Superior de Juízes e Promotores, e acusando um membro do tribunal constitucional de conluio. Os detidos foram impedidos de ter assessoria jurídica por até 90 dias.

Parlamentares pró-curdos do HDP e líderes comunitários curdos foram mantidos presos sob acusações falsas de terrorismo. Pelo menos 30 governadores foram destituídos. O artigo 301 do Código Penal, que torna a “denegrir a identidade da nação turca” um crime, foi usado para silenciar os dissidentes.

Erdogan transformou a Turquia em um gulag domesticamente e um pária internacionalmente. O World Justice Index classificou a Turquia em 99ª, dos 113 países, atrás do Irã e Mianmar.

Ele também tomou medidas para redefinir dramaticamente as relações internacionais da Turquia, distanciando a Turquia dos Estados Unidos. Ele acusou os EUA de planejar o golpe e ajudar a realizá-lo. Erdogan destacou o general Joseph Votel, chefe do Comando Central dos EUA por “tomar partido com conspiradores”. Seus comentários incendiários alimentaram o antiamericanismo, arriscando a segurança dos cidadãos americanos na Turquia.

Erdogan se enfureceu contra os EUA por processar o Halkbank, de propriedade do Estado, acusado de violar as sanções dos EUA ao Irã. De acordo com Erdogan, “aqueles que não tiveram sucesso na tentativa de golpe militar na Turquia em 15 de julho, estão agora fazendo uma tentativa diferente contra o nosso país”.

Após o “golpe”, Erdogan intensificou uma política externa expansionista, enviando tropas para a Síria, Iraque e Líbia. Ele repetidamente questionou o Tratado de Lausanne por sua demarcação das fronteiras da Turquia. Zombarias com aviões da força aérea grega e confrontos marítimos no Mediterrâneo Oriental tornaram-se rotina.

Erdogan encenou o “golpe” para promover objetivos políticos? É difícil imaginar uma farsa de tal magnitude, especialmente quando o incidente resultou em 254 mortes e mais de 2.000 feridos. É mais provável que o golpe foi descoberto; Erdogan deixou prosseguir para parecer credível e depois acabou com ele.

Erdogan proclamou que derrotar o golpe era uma vitória para a democracia. Provou-se, no entanto, que foi um pretexto para consolidar a ditadura e expurgar os reformistas na sociedade civil.

Em 2018, Erdogan convocou eleições presidenciais e parlamentares, levando à reforma constitucional que institucionalizou amplos poderes executivos. Sob a ditadura de Erdogan, a Turquia está inexoravelmente em declínio. Sua democracia está em frangalhos; a economia está cheia de crateras. A Turquia tornou-se uma exceção na Europa e um estado pária na OTAN.

Um golpe militar ou interferência externa não pode trazer reforma. Para controlar ou remover Erdogan, a comunidade internacional deve apoiar os turcos que aspiram a uma transição política pacífica.

Fonte: The so-called coup in Turkey | Comment | ekathimerini.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer