Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Repressão à internet na Turquia: exército de trolls online de Erdogan força dissidentes a fugir do país

Repressão à internet na Turquia: exército de trolls online de Erdogan força dissidentes a fugir do país
julho 17
21:22 2020

Na Turquia, milhares de contas que emitem ameaças de morte a críticos do governo foram vinculadas ao partido no poder do país.

O coração de Tuna Beklevic se despedaçou quando ele acessou o Twitter para encontrar um dilúvio de ameaças de estupro e morte de apoiadores do governo turco.

“Essas pessoas devem ser estranguladas”, disse uma mensagem do usuário “GumustepeF”, referindo-se ao ativista de direitos humanos de 43 anos e sua família. “Eles estarem vivos é haram [proibido].”

“É um dever mandar esse cara para a morte ou para atrás das grades”, escreveu o usuário “kayaorhann”, enquanto duas outras mensagens, que são fortes demais para se escrever aqui, ameaçavam estuprar a mãe e a esposa de Beklevic.

Embora os abusos cometidos sejam muito comuns no Twitter, Beklevic sentiu que havia algo incomum nas mensagens. Todos foram enviados em uma hora, em resposta a um único tweet que criticava levemente Recep Tayyip Erdogan, o pugnaz líder da Turquia.

Então, em 12 de junho, o Twitter publicou uma investigação que confirmou suas suspeitas. O site disse que suspendeu 7.300 contas pró-Erdogan por violar suas regras – incluindo aquelas que enviaram ameaças de morte a Beklevic.

E de acordo com o Twitter, todas as contas que enviaram as mensagens pareciam ter sido coordenadas pela ala jovem do AKP, o partido no poder da Turquia – embora isso tenha sido fortemente negado pelos funcionários do AKP.

“Após a decisão do Twitter, olhei novamente e quase todas foram fechadas. Você pode adivinhar facilmente que essas ameaças são organizadas”, disse Beklevic ao Telegraph.

As ameaças enviadas em 2018 e 2019 foram tão extremas que Beklevic diz que elas foram um fator-chave para ele ser forçado a deixar a Turquia e viver exilado em Washington DC, onde ele continua fazendo campanha contra o governo.

“Tornou-se impossível continuar essa resistência apenas dentro das fronteiras da Turquia, porque o país não é livre, é cativo”, acrescentou Beklevic, que diz que também foi atacado pelo governo turco e seus apoiadores por aumentar a conscientização sobre os direitos dos curdos, que têm sido discriminados.

Desde que chegou ao poder em 2014, Erdogan foi acusado de levar o país para o autoritarismo e corroer sua reputação como uma democracia secular pró-ocidental.

Até o momento, cerca de 80 jornalistas turcos estão presos, muitos deles críticos das políticas de Erdogan, enquanto que em 2017 um parlamentar da oposição recebeu uma sentença de 25 anos de prisão por vazar informações confidenciais para a mídia.

Erdogan diz que essas são medidas duras e necessárias para proteger os cidadãos turcos após a tentativa de golpe militar de 2016, que teve seu quarto aniversário nesta semana.

Mas os críticos do presidente alertaram que ele agora quer expandir sua influência ainda mais, assumindo o controle do mundo on-line, que para muitos é a última plataforma restante para seu ativismo.

Logo após a investigação do Twitter ter sido publicada, Erdogan se comprometeu a introduzir um projeto de lei que proibisse o Twitter e o Facebook por completo, ou pelo menos os colocaria firmemente sob controle estatal.

“É imperativo que esses canais sejam controlados”, disse Erdogan a colegas do AKP no início deste mês, acrescentando que ele também teria como alvo o site de streaming de vídeo Netflix por seu conteúdo “imoral”.

Quando abordado para comentar, um funcionário do governo turco rejeitou sugestões de que o projeto representaria uma repressão à liberdade de expressão.

“A idéia é regular as plataformas de mídia social para evitar violações sistemáticas das leis locais e proteger os direitos dos cidadãos”, disseram eles. “Não há diferença notável entre a proposta da Turquia e os regulamentos do Reino Unido. Não se trata de liberdade de expressão, mas de aplicação da lei.”

A investigação liderada pelo Twitter disse que as 7.300 contas suspensas estavam “sendo usadas para ampliar narrativas políticas favoráveis ​​ao AKP e demonstraram forte apoio ao presidente Erdogan”.

Acrescentou que essas contas estavam “associadas à ala juvenil” do AKP, que é um vestibular para futuras figuras de importância no partido.

Por seu lado, o governo turco emitiu uma forte negação em resposta à investigação do Twitter. “As alegações da empresa … são falsas”, disse Fahrettin Altun, diretor de comunicações do governo turco.

Altun acrescentou que os motivos que o Twitter deu para sua decisão eram “claramente não científicos, totalmente tendenciosos e motivados politicamente”.

No entanto, ativistas de direitos humanos dizem ter detectado na Turquia um objetivo mais amplo de censurar informações que não se adequam ao governo ou à narrativa do partido.

“Não há dúvida de que o plano do presidente turco de restringir as mídias sociais é aumentar bastante a capacidade de limitar a circulação de notícias e comentários críticos ao governo. Em outras palavras, é um projeto de censura”, disse Emma Sinclair Webb, diretora da Human Rights Watch turco.

E outros dizem que o abuso online, às vezes, se transforma em violência no mundo real.

Barbaros Şansal, um dos designers de moda mais famosos da Turquia e ativista dos direitos LGBT, afirma que ele foi espancado por bandidos pró-Erdogan que o deixou com o nariz quebrado.

“O atacante nunca foi encontrado, e agora é ainda pior … recebo ameaças de morte e estupro, mensagens homofóbicas, tudo”, disse ele.

“Eles me chamam de traidor, me chamam de b***a, me chamam de kaffir [infiel], até publicaram meu número de telefone e endereço particulares nas mídias sociais”.

Apesar da violência, Şansal e Beklevic dizem que continuarão fazendo campanha contra Erdogan, mesmo que o único meio seguro de fazê-lo seja on-line e além das fronteiras da Turquia.

“Tenho sorte, estou seguro agora, moro em Washington DC há dois anos”, disse Beklevic. “Não tenho medo de Erdogan”.

Fonte: Turkey internet crackdown: Erdogan’s army of online trolls forces dissidents to flee country

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer