Últimas notícias

Turquia espionou críticos de Erdogan em campos de refugiados na Grécia

Turquia espionou críticos de Erdogan em campos de refugiados na Grécia
abril 24
15:04 2020

A Organização Nacional de Inteligência (MIT) da Turquia se infiltrou em campos de refugiados na Grécia, a fim de espionar os críticos do governo islamista do presidente Recep Tayyip Erdoğan, informou o site do Nordic Monitor, citando documentos secretos obtidos.

De acordo com um relatório policial confidencial que compilou dados de várias agências governamentais, inteligência foi coletada sobre membros do movimento Hizmet, crítico a Erdogan, que foram forçados a fugir para a Grécia para escapar de uma repressão sem precedentes na vizinha Turquia. O documento foi datado eletronicamente em 29 de junho de 2019, quando foi compartilhado como um documento entre agências com outros ramos do governo por meio do Sistema Eletrônico de Gerenciamento de Informações (Elektronik Bilgi Yönetim Sistemi, ou EBYS).

Embora as atividades clandestinas do MIT na Grécia sejam amplamente conhecidas, o documento é uma rara evidência que confirma essas operações em solo estrangeiro. O documento expõe a vigilância turca de refugiados na Grécia, a fim de identificar os nomes, planos e paradeiro daqueles que foram perseguidos pelo regime de Erdogan, mesmo no exterior.

A nota explicativa de uma mulher chamada Hilal Bilim, procurada por acusações ligadas ao Hizmet, diz que ela é uma das pessoas que fugiram da Turquia após uma tentativa de golpe falso em 15 de julho de 2016. “Como resultado do trabalho da inteligência, ela é uma daquelas participantes do Hizmet identificadas como tendo permanecido em centros de refugiados [na Grécia]”, explicou a nota, enfatizando que alguns membros e simpatizantes do movimento Hizmet haviam cruzado ilegalmente para a Grécia, com alguns permanecendo e solicitando asilo lá e outros se mudando para outros países europeus, principalmente a Alemanha.

A inteligência secreta foi descoberta em uma investigação criminal supervisionada pelo promotor de Ancara, Adem Akıncı, contra vários participantes do Hizmet que vivem no exterior. Entre eles estava o jornalista turco Hasan Cücük, da Dinamarca, que enfrentou uma ameaça de morte real, levando o Serviço de Inteligência e Segurança da Dinamarca (Politiets Efterretningstjeneste, ou PET) a movê-lo para um lugar seguro em 2017 até que a ameaça fosse neutralizada.

A atividade de coleta de inteligência direcionada a participantes do Hizmet na Grécia estava localizada em uma planilha do Excel com uma nota explicativa anexa ao lado do nome de Bilim. De acordo com a documentação, o nome dela também foi mencionado em uma declaração dada por um réu, e o promotor Akıncı ordenou ao departamento de polícia de Ancara em 20 de novembro de 2018 que investigasse Bilim e outros citados no comunicado. Em 7 de janeiro de 2019, Ibrahim Bozkurt, chefe do departamento de contraterrorismo, enviou o relatório completo sobre o professor e outros para o escritório do promotor. O relatório incluiu informações obtidas de várias fontes. No caso do professor, ficou claro que as informações vinham dos serviços de inteligência do governo de Erdogan.

Bilim foi descrita como uma professora que trabalhava para uma escola do Hizmet na Turquia, e um mandado de prisão foi emitido para ela pelo 2º Tribunal Penal Criminal de Konya. Seu marido, Cemal Bilim, também foi apresentado no mesmo documento de inteligência. De acordo com um relatório do Centro de Liberdade de Estocolmo, 96.719 professores e acadêmicos foram expulsos das instituições de ensino públicas e privadas da Turquia. O governo de Erdogan prendeu cerca de 20.000 instrutores e demitiu arbitrariamente 34.185 professores de escolas públicas e 5.719 acadêmicos, incluindo professores de universidades estaduais no período 2016-2017.

O movimento Hizmet, inspirado nas obras e discursos estudioso muçulmano turco Fethullah Gülen, que mora nos EUA, é altamente crítico ao governo de Erdogan em uma série de questões, desde a corrupção até o fornecimento de armas e dinheiro do governo a grupos jihadistas radicais na Síria e na Líbia.

Erdoğan, incriminado em um grande escândalo de corrupção em 2013 que expôs propinas secretas em esquemas de lavagem de dinheiro envolvendo um iraniano que burlou as sanções ao seu país, culpou Gülen por uma investigação contra seus familiares, negócios e associados políticos. Erdogan classificou o grupo como uma entidade terrorista, embora nenhum ato violento tenha sido associado ao movimento e lançou uma grande repressão contra o grupo, prendendo e/ou expurgando dezenas de milhares de funcionários do governo, confiscando ilegalmente seus ativos, fechando escolas, universidades, ONGs, meios de comunicação, hospitais e outros associados ao movimento.

A Grécia serviu como um destino importante para críticos e oponentes do regime de Erdogan, incluindo participantes do Hizmet, para escaparem da ira de Erdogan, pois tem fronteiras terrestres e marítimas com a Turquia. Os serviços de inteligência turcos, que já estão executando operações para coletar informações usando recursos desenvolvidos por grupos minoritários muçulmanos na Grécia, intensificaram suas operações no vizinho, membro da OTAN. O documento secreto mostra que a Turquia mantém controle sobre os críticos, mesmo depois que eles conseguem atravessar a Grécia e buscar asilo sob convenção internacional de direitos humanos.

Confira a matéria no site do Nordic Monitor: https://www.nordicmonitor.com/2020/04/turkish-intelligence-operations-targeting-critics-in-greece-exposed-in-secret-documents/

Fonte: Turkish intelligence spied on Erdoğan critics in Greek refugee camps: report

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer