Últimas notícias

EUA diz que Turquia tem que enfrentar acusações por ataque a protesto curdo

EUA diz que Turquia tem que enfrentar acusações por ataque a protesto curdo
fevereiro 10
17:32 2020

Um tribunal federal em Washington, DC, negou na quinta-feira um pedido da Turquia de arquivar um processo civil por manifestantes que buscam indenização após terem sido violentamente espancados enquanto se manifestavam contra a visita do presidente turco ao Capitólio em 2017, informou The Hill.

O tribunal anulou o argumento da Turquia de que ela está protegida pela Lei de Imunidade Soberana Estrangeira em dois casos separados movidos em nome de mais de uma dúzia de demandantes, estabelecendo um marcador importante para responsabilizar Ancara em um tribunal dos EUA por acusações civis.

O caso decorre de um incidente ocorrido em maio de 2017 durante uma visita do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan a Washington, onde um grupo de manifestantes, majoritariamente minorias étnicas de descendência curda e yazidi, foram violentamente atacados por agentes de segurança turcos do lado de fora da residência do embaixador turco.

A Turquia alega que os manifestantes representavam uma ameaça iminente à segurança de Erdogan, mas diversas imagens de vídeo capturadas naquele dia mostram autoridades turcas e apoiadores pró-Erdogan correndo para atacar os manifestantes, cercando mulheres e homens idosos enquanto socavam, chutavam e jogavam-nos no chão.

As acusações criminais federais foram movidas contra mais de uma dúzia de agentes de segurança turcos logo após o incidente, mas foram largamente retiradas um ano após o ataque, em março de 2018, e coincidiram com o retorno aos EUA de um pastor americano mantido em uma prisão turca.

Houve outros casos em que agentes de segurança turcos se envolveram em violência física nos EUA, com a Turquia mantendo que está agindo dentro de seu direito de exercer a segurança, mas é criticada por usar força excessiva.

Em 2016, oficiais de segurança turcos agrediram jornalistas e manifestantes no lado de fora da Brookings Institution, enquanto Erdoğan fazia um discurso lá dentro, sendo que nenhuma acusação foi feita.

Da mesma forma, os documentos do Departamento de Estado do dia dos ataques na Rotatória Sheridan em 2017 mostram que oficiais de segurança turcos lutaram com o Serviço Secreto e de Segurança Diplomático dos EUA em várias instâncias ao longo do dia da visita de Erdoğan. Os documentos foram divulgados como parte de uma solicitação da Lei de Liberdade de Informação apresentada em nome dos advogados dos autores.

O processo contra o governo turco em nome das vítimas na Rotatória Sheridan está em andamento, com a opinião da juíza distrital dos EUA Colleen Kollar-Kotelly na quinta-feira, estabelecendo a próxima fase do caso.

O tribunal rejeitou o argumento da Turquia de que estava agindo dentro de seus próprios interesses de segurança e, portanto, imune à jurisdição do assunto nos EUA – sujeito ao sistema judicial americano.

Fonte: US court says Turkey must face charges in 2017 Kurdish protest assault case

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer