Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Davutoğlu diz que Erdoğan impediu julgamento de ministros

Davutoğlu diz que Erdoğan impediu julgamento de ministros
janeiro 10
10:55 2020

O ex-primeiro-ministro Ahmet Davutoğlu disse que o então primeiro-ministro e atual presidente Recep Tayyip Erdoğan impediram o julgamento de vários ministros de seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) por alegações de corrupção, cuja investigação foi divulgada em 17 de dezembro de 2013, informou o site de notícias T24.

Davutoğlu, que no verão passado se separou do AKP e anunciou o estabelecimento de seu Partido do Futuro no mês passado, estava respondendo às críticas que sugerindo que ele permaneceu calado diante das práticas antidemocráticas adotadas pelo AKP enquanto ele ainda era membro.

Seus comentários foram feitos durante uma entrevista exclusiva com Murat Sabuncu, do T24.

“Eu queria levar Erdoğan para Gezi, mas ele recusou. Ele impediu um julgamento dos ministros do Supremo Tribunal implicados na investigação de 17 de dezembro ”, disse Davutoğlu.

Gezi se refere aos protestos antigovernamentais em massa que começaram no verão de 2013 em Istambul contra os planos do governo de demolir o Parque Gezi, na área central de Taksim em Istambul.

Como parte da investigação de suborno e corrupção em 17 de dezembro, os filhos de três então ministros do AKP foram detidos em 17 de dezembro de 2013.

Uma semana depois, outra investigação chegou ao filho do então primeiro-ministro Erdoğan, Bilal Erdoğan.

A investigação de 17 de dezembro levou à renúncia de quatro ministros do Gabinete, aos quais Erdoğan respondeu afirmando que o escândalo de corrupção foi fabricado por simpatizantes do movimento Gülen dentro do departamento de polícia, com o objetivo de derrubar seu governo.

Os ministros não compareceram ao tribunal para enfrentar as acusações de corrupção. Pelo contrário, os juízes, promotores e policiais que participaram da investigação de corrupção foram primeiro removidos de seus empregos e depois presos sob acusações de golpe de Estado.

Davutoğlu disse que, na época, pensava que os ministros deveriam ser julgados na Suprema Corte e absolvido das acusações de corrupção, acrescentando que ele se reuniu com três dos ministros e eles, após um acalorado debate, concordaram que os ministros realizariam uma entrevista coletiva no dia seguinte e diria que eles voluntariamente concordaram em ser julgados na Suprema Corte.

“Nenhuma declaração foi feita pelos ministros no dia seguinte. Perguntei o que havia acontecido e soube que os ministros se reuniram com Erdoğan e que ele os dissuadiu de fazer essa declaração ”, disse Davutoğlu.

O ex-primeiro-ministro também disse que Erdoğan o acusou de defender terroristas porque Davutoğlu falou a favor dos acadêmicos que assinaram uma declaração de paz no início de 2016 e depois foram processados ​​por assiná-la.

Denominando-se “Acadêmicos pela Paz”, os 1.128 signatários iniciais da carta publicada em janeiro de 2016 incluíam acadêmicos turcos e acadêmicos de destaque no exterior, como o linguista americano Noam Chomsky.

Eles disseram que a Turquia estava condenando os moradores de cidades do Sudeste a passar fome com o uso de toques de recolher e também pediram uma solução para o conflito que incluía conversas com o movimento político curdo.

O governo turco acusou os acadêmicos de espalhar propaganda terrorista. Muitos deles foram removidos de seus postos, processados ​​e posteriormente presos.

Fonte: Davutoğlu says Erdoğan prevented trial of ministers involved in 2013 corruption probe

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer