Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

EUA vota a favor de lei que reconhece genocídio armênio

EUA vota a favor de lei que reconhece genocídio armênio
outubro 31
11:57 2019

Com uma maioria esmagadora, a Câmara dos Deputados dos EUA votou a favor de uma resolução postulando como genocídio a matança feita pelo Governo Otomano unionista de aproximadamente 1,5 milhão de armênios de 1915 a 1923, informou o Sputnik International.

Na terça-feira, a Câmara votou 405 a 11 a favor do reconhecimento e condenação do genocídio armênio, que o governo turco negou historicamente e argumentou que as acusações não levam em conta as mortes de turcos.

“Muitos políticos, diplomatas e instituições americanas reconheceram corretamente essas atrocidades como um genocídio, incluindo o embaixador dos EUA no Império Otomano na época, Henry Morgenthau e Ronald Reagan”, disse Eliot Engel, presidente da Comissão de Assuntos Exteriores da Câmara, antes do voto, de acordo com o The Hill. Ele continuou, afirmando que “apenas iluminando as partes mais sombrias da nossa história podemos aprender a não repeti-las”.

Os três principais pontos do projeto declaram que os EUA vão prestar homenagem ao genocídio armênio, rejeitar “esforços para se alistar, se envolver” ou se associar na negação do genocídio e trabalham para educar o público sobre detalhes sobre a atrocidade.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu, revidou o apoio dos legisladores dos EUA à resolução e os acusou de “explorar a história na política”.

O genocídio da era da Primeira Guerra Mundial foi reconhecido pela Rússia, por vários estados da União Europeia e pelo Conselho Mundial de Igrejas. No início deste ano, o presidente francês Emmanuel Macron decidiu declarar em 24 de abril o Dia da Memória do Genocídio Armênio no país.

Em outra mostra bipartidária de terça-feira, a Câmara, com 403 a 16 votos, aprovou uma resolução a favor de sanções contra a Turquia sobre a Operação Fonte da Paz no norte da Síria. O projeto, intitulado “Lei Proteger Contra Conflitos causados pela Turquia”, recebeu apoio esmagador do Partido Republicano, com 176 parlamentares votando em apoio e apenas 15 em oposição.

“Em vez de responsabilizar a Turquia por como eles conduziram essa sangrenta campanha, o presidente [Donald] Trump deu a eles um passe livre”, disse Engel na terça-feira, conforme reportado por The Hill. “Quando o chefe do [Estado Islâmico no Iraque e no Levante] foi finalmente morto, o Presidente Trump infelizmente agradeceu aos turcos, agradeceu ao governo turco. Isso simplesmente não está certo na minha opinião.”

Çavuşoğlu também divulgou uma declaração em resposta à decisão da Câmara americana de impor sanções a Ancara e alegou que a medida foi contra o acordo de cessar-fogo de 17 de outubro, intermediado entre os EUA e a Turquia. O ministro das Relações Exteriores instou outros legisladores de Washington a interromper completamente os esforços de sanção e evitar o colapso dos laços bilaterais.

“Os EUA estão responsabilizando as principais autoridades turcas responsáveis ​​por violações dos direitos humanos, inclusive atacando nossos parceiros curdos”, disse a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, ao USA Today. “Estamos penalizando as instituições financeiras turcas que perpetuam a corrupção e os abusos do presidente [Recep Tayyip] Erdogan”.

O senador Chris Van Hollen ecoou os comentários da presidente da câmara sobre Ancara e pediu ao Senado dos EUA que agisse com pressa e avançasse com o projeto.

O projeto de lei bipartidário agora passa para o Senado; no entanto, o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, já havia alertado o Congresso para “pensar com muito cuidado” quanto a se apressarem em sancionar um aliado da Otan.


Fonte: https://www.turkishminute.com/2019/10/30/us-house-votes-overwhelmingly-for-bill-recognizing-armenian-genocide-report/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer