Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Decreto deve manter algumas práticas do estado de emergência em vigor

Decreto deve manter algumas práticas do estado de emergência em vigor
julho 10
12:42 2018

O governo turco abolirá o estado de emergência, ou OHAL, que foi declarado logo após uma tentativa fracassada de golpe militar em 15 de julho de 2016, mas reterá algumas das autoridades que lhes foram dadas durante o estado de emergência com o decreto mais recente do governo a ser emitido, informou o site de notícias Artigercek na sexta-feira.

O primeiro-ministro turco Binali Yildirim disse na quinta-feira que o estado de emergência seria suspenso e um novo gabinete anunciado ontem.

Ele também disse que um último decreto do governo seria emitido, e que ele “vai incluir medidas necessárias para se evitar vulnerabilidades na área do contraterrorismo, uma vez que o estado de emergência seja encerrado.”

Com o encerramento do estado de emergência, algumas práticas controversas do OHAL, tais como o período de detenção de 30 dias, restrições sobre o acesso dos advogados aos arquivos de seus clientes e autoridades expandidas concedidas a governadores não mais estarão em vigor.

De acordo com uma matéria no site de notícias CNN Turk, autoridades do governo fizeram uma apresentação longa ao presidente Recep Tayyip Erdogan sobre que práticas do OHAL devam permanecer em vigor e como.

O governo decidiu que algumas práticas do OHAL poderiam permanecer em vigor ao as acrescentar ao Código sobre Procedimentos Criminais no último decreto do governo a ser emitido.

Espera-se que as autoridades dos governadores e da polícia serão expandidas no último decreto do governo. Os governadores poderão criar zonas seguras em regiões de terrorismo, impor toques de recolher temporários, cancelar manifestações nas províncias por preocupações com a segurança e fechar lugares onde haja atividade ou propaganda terrorista.

Quanto à polícia, eles terão autoridades expandidas para monitorarem e revistarem indivíduos e apreenderem seus pertences.

O estádio de emergência foi declarado por três meses em 20 de julho de 2016 devido ao golpe fracassado. Ele foi estendido sete vezes até agora, a última vez sendo em abril.

O estado de emergência concedeu a Erdogan e seu governo poderes extraordinários. Sob ele, o governo avançou com muitos decretos controversos que possuem a força de lei e não requerem ser aprovados pelo Parlamento. Alinhado com esses decretos, mais de 150.000 pessoas foram expurgadas de órgãos estatais sob acusações de golpe.

Enquanto isso, o primeiro-ministro Yildirim disse na sexta-feira haverão expulsões de autoridades públicas de muitas agências estatais no último decreto do governo.

“A maioria das expulsões vai ser na força policial e nas TSK [Forças de Segurança Turcas],” disse Yildirim aos repórteres no Palácio Cankaya.

Erdogan venceu 53 por cento dos votos na eleição presidencial realizada em 24 de junho, estendendo seu regime até pelo menos 2023, enquanto que o seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) recebeu 43 por cento dos votos por todo o país na eleição geral no mesmo dia.

Antes das eleições, Erdogan disse várias vezes que removeria o estado de emergência se reeleito presidente.

Fonte: https://www.turkishminute.com/2018/07/06/latest-government-decree-to-keep-some-ohal-practices-in-place/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer