Últimas notícias
  • Elogiar o movimento Hizmet antes da tentativa de golpe de 2016 não é crime, diz o TEDH O Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) penalizou na Turquia por violar o direito à liberdade de expressão de um ex-professor, afirmando que os comentários públicos a favor do movimento Hizmet feitos antes de uma tentativa de golpe em julho de 2016 não constituem um crime, informou a mídia local na terça-feira....
  • Perguntas de coletiva de imprensa para Erdoğan vazadas com antecedência por jornal O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan recebeu uma lista de perguntas em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, que foram exatamente as mesmas perguntas vazadas anteriormente por um jornal, reforçando as alegações de que os jornalistas não são livres para perguntar ao presidente o que quiserem....
  • Conselho da Europa deve disciplinar a Turquia sobre ativista preso O Conselho da Europa disse na sexta-feira que vai lançar uma ação disciplinar contra a Turquia por se recusar a libertar o proeminente ativista e filantropo Osman Kavala, desencadeando um procedimento usado apenas uma vez na história da organização....
  • Por que a queda da moeda turca não preocupa Erdogan A moeda nacional da Turquia caiu 45% em relação ao dólar este ano e, no entanto, o Presidente Recep Tayyip Erdogan não parece ter se incomodado com isso....
  • CoE insta “fortemente” as autoridades turcas a liberar Demirtaş O Comitê de Ministros do Conselho da Europa adotou na quinta-feira uma resolução provisória "instando fortemente" as autoridades turcas a assegurar a libertação imediata do líder curdo preso Selahattin Demirtaş....
  • A crise monetária da Turquia Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses....
  • Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom....
  • Papa pede por cura em um Chipre dividido, arcebispo ortodoxo ataca a Turquia Papa encontra os líderes cristãos ortodoxos de Chipre. Pede por cura na ilha dividida. Líder cipriota turco convida papa a visitar o norte. Muitos dos participantes da missa são filipinos que trabalham no Chipre...
  • Ministro das finanças da Turquia, Lutfi Elvan, demite-se em meio à crise monetária O Ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, Lutfi Elvan, renunciou em meio a uma forte queda da lira turca, de acordo com um decreto presidencial emitido no jornal oficial turco na quinta-feira....
  • Documentário sobre femicídios na Turquia é a indicação ao Oscar do Reino Unido Um documentário relatando os esforços dos ativistas que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres na Turquia foi escolhido como a entrada oficial do Reino Unido para a categoria de Melhor Longa Metragem Internacional no Oscar....

Erdogan pode perder?

Erdogan pode perder?
maio 11
15:37 2018

A questão a respeito das eleições antecipadas da Turquia em 24 de junho não é que candidato ou partido vencerá. Isto é, o povo turco ficará sabendo a resposta para uma pergunta mais importante: Erdogan pode perder?

Recep Tayyip Erdogan e seu governante Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) venceram 12 eleições desde novembro de 2002. Entre cinco eleições parlamentares, apenas uma vez, em 7 de junho de 2015, o AKP não conseguiu formar um governo de partido único, apesar de ter angariado 40,5 por cento dos votos. Logo após esse resultado, Erdogan forçou uma repetição da eleição, e cinco meses depois, em 1 de novembro de 2015, o AKP retomou o regime majoritário por 49,5 por cento.

“Houve uma indecisão em 7 de junho, e nós pagamos por isso,” disse Erdogan em uma reunião do partido em 27 de abril. Entre junho e novembro, o ataque terrorista mais mortal na história da Turquia ocorreu, matando 109 pessoas. Também, o AKP terminou o processo de paz com as milícias curdas armadas depois de 7 de junho, quando o Partido Democrático Popular, que é pró-curdos, excedeu o limite de 10 por cento na eleição e interferiu com os sonhos presidenciais de Erdogan.

Contudo, as eleições de 7 de junho ainda foram na maior parte consideradas como sendo uma aberração. Desde que Erdogan expandiu seu poder através da burocracia e da mídia, acredita-se que o povo turco esteja votando sob condições injustas.

“Não há dúvidas que o Sr. Erdogan, no poder como primeiro-ministro e presidente pelos últimos 15 anos, vai vencer de enxurrada. Sensível a críticas, bombástico e cada vez mais intolerante a qualquer oposição, ele se assegurou de que ninguém mais possa vencer,” argumentou o The Times em um artigo publicado em 7 de maio. Ele descreveu as condições das eleições antecipadas como “nem livres, em justas.”

Uma análise forense eleitoral escrita por cinco cientistas políticos proeminentes depois de um referendo constitucional realizado em 16 de abril de 2017 concluiu que “em particular a nossa análise sugere a existência de votos múltiplos e falsos em cerca de 6 por cento das seções eleitorais e um efeito combinado com manipulação eleitoral que foi simplesmente grande o suficiente para mudar o resultado do referendo de ‘Não’ para ‘Sim’.”

Antes de Erdogan decidir formar uma aliança com o Partido do Movimento Nacionalista (MHP) antes do referendo, o AKP tinha obtido 49,5 por cento dos votos além dos 11,9 por cento do MHP nas eleições de 1º de novembro de 2015. No entanto, o esforço conjunto deles no referendo apenas resultou em uma vitória por um milímetro. Até os mitos cercando a tentativa fracassada de golpe de 15 de julho não conseguiu impulsionar a aposta deles.

É por isso que a oposição turca está mais otimista quanto às eleições antecipadas. Dessa vez, o Partido IYI (Bom) de Meral Aksener poderia ganhar o suficiente de eleitores nacionalistas do MHP de Devlet Bahceli, enquanto que o Partido da Felicidade (SP) de Temel Karamollaoglu pode prejudicar o AKP ao atrair o apoio de islamitas resentidos.

Ainda assim, é preciso apoio curdo para se derrotar Erdogan na corrida presidencial. O HDP, aqui, pode fornecer uma maioria para a oposição no Parlamento e também servir como um fator determinante para o posto mais alto na política turca. Se o HDP passar do limite dos 10 por cento e se juntar às forças de oposição em uma segunda rodada de votos, Erdogan poderia perder.

Uma nota esperançosa sobre o esperado apoio do HDP à aliança CHP-IYI-SP é que o candidato do CHP, Muharrem Ince, visitou Selahattin Demirtas, que é curdo, do HDP na cadeia em 9 de maio. E também, Karamollaoglu do SP está tentando fazer declarações simpáticas aos curdos durante sua campanha. Contudo, a nacionalista Aksener ainda é um ponto de interrogação para muitos eleitores curdos.

Todo o resto posto de lado, as flutuações selvagens da economia turca, a polarização paralisante entre a sociedade e a sempre acalorada agenda política, tudo dá grande apoio à oposição turca.

Fonte: www.turkishminute.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer