Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Turquia diz que relatório dos direitos humanos dos EUA está ‘cheio de representações falsas’

Turquia diz que relatório dos direitos humanos dos EUA está ‘cheio de representações falsas’
abril 23
13:00 2018

A Turquia, no domingo, criticou um documento do Departamento de Estado dos EUA publicado recentemente intitulado “ Relatório dos Direitos Humanos de 2017 da Turquia ”, dizendo que está “cheio de representações falsas, acusações e alegações inaceitáveis”.

“As medidas necessárias e proporcionais tomadas dentro do contexto de nossa justa e legítima luta contra organizações terroristas … são novamente apresentadas de uma maneira tendenciosa que não reflete as realidades”, disse o Ministério das Relações Externas em uma declaração no domingo sobre o relatório anual, que foi publicado na semana passada.

Em referência à caça às bruxas do governo turco que mira membros do Movimento Gulen, acusado de arquitetar um golpe fracassado em 2016, o Ministérios das Relações Exteriores disse que o relatório “que repete as narrativas de grupos afiliados a terroristas e representa mal e grosseiramente a luta contra o terrorismo como sendo ‘conflito interno’, foi preparado por um país que hospeda o líder da FETO”.

“FETO” é um termo derrogatório cunhado pelo governo turco para se referir ao Movimento Gulen, que é baseado na fé, inspirado pelo clérigo islâmico turco Fethullah Gulen, que vive em exílio autoimposto nos Estados Unidos.

O Movimento nega fortemente qualquer envolvimento no golpe fracassado.

O Ministério das Relações Exteriores acusou o Departamento de Estado de “ignorar” a luta contra “a organização terrorista radical FETO, que tentou se infiltrar nas instituições estatais para capturar o estado turco a partir de dentro, e acabou montando uma sangrenta tentativa de golpe …” e disse que a Turquia estava “entristecida” pois o relatório apresentou as “alegações e acusações de organizações afiliadas a terroristas como realidade”, dessa forma “politizando” a questão dos direitos humanos.

O Ministério das Relações Externas ainda continuou e recomendou que os países que levantam alegações injustas contra a Turquia primeiro “ponham um fim às violações sistemáticas dos direitos humanos contra seus próprios cidadãos”.

“A Turquia mantém resolutamente seu comprometimento com os princípios da democracia, direitos humanos e o estado de direito enquanto luta intensamente contra diversas e severas ameaças terroristas”, alegava a declaração, acrescentando que “continuaremos a agir de acordo com as nossas obrigações internacionais e trabalharemos ininterruptamente para fortalecer ainda mais os direitos e liberdades fundamentais”.

A Turquia sobreviveu uma tentativa de golpe em 15 de julho de 2016 que matou 249 pessoas. Imediatamente após a tentativa, o governo do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) juntamente ao Presidente Recep Tayyip Erdogan colocaram a culpa no Movimento Gulen.

Gulen, que inspirou o Movimento, negou fortemente ter qualquer papel no golpe fracassado e pediu por uma investigação internacional sobre o caso, mas o Presidente Erdogan — chamando a tentativa de golpe de “um presente de Deus” — e o governo iniciaram um amplo expurgo com o objetivo de limpar os simpatizantes do Movimento de dentro das instituições estatais, desumanizando suas figuras populares e colocando-as em custódia.

A Turquia suspendeu ou demitiu mais de 150.000 juízes, professores, policiais e funcionários públicos desde 15 de julho de 2016. Em 13 de dezembro de 2017 o Ministério da Justiça anunciou que 169.013 pessoas estiveram sujeitas a procedimentos legais sob acusações de golpe desde o golpe fracassado.

O Ministro do Interior turco, Suleyman Soylu, anunciou em 18 de abril de 2018 que o governo turco havia prendido 77.081 pessoas entre 15 de julho de 2016 e 11 de abril de 2018 por supostas ligações com o Movimento Gulen.

Fonte: www.turkishminute.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer