Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Professor de direito: Comissão do estado de emergência é a ‘ câmara de gás ’ do AKP

Professor de direito: Comissão do estado de emergência é a ‘ câmara de gás ’ do AKP
fevereiro 09
16:45 2018

Ibrahim Kaboglu, um professor de direito constitucional que foi despedido por um decreto de estado de emergência em 7 de fevereiro de 2017, disse que a comissão estabelecida pelo governo para auditar os apelos de pessoas dispensadas de seus empregos sob o estado de emergência se transformou na “ câmara de gás ” do governante Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), informou o Cumhuriyet na quinta-feira.

A Comissão para a Investigação dos Procedimentos do Estado de Emergência foi estabelecida por um decreto-lei emitido em 23 de janeiro de 2017 para permitir que os servidores públicos apelassem alguma ação legal tomada contra eles sob o estado de emergência e aceita queixas a respeito da dispensa do serviço público, empregos ou organizações; dispensa de uma universidade e a perda de condição de estudante; o fechamento de associações, organizações, uniões, federações, confederações, instituições de saúde privadas, instituições de educação privadas, instituições privadas de educação superior, organizações de TV e rádio privadas, jornais e revistas, agências de notícias, editoras e canais de distribuição; e a perda da classificação como aposentado.

“A comissão será capaz de terminar de tratar das solicitações em sete a oito anos. Você terá a oportunidade de ir a um tribunal. Algumas pessoas morrerão enquanto isso, enquanto que algumas permanecerão. Famílias e crianças se tornarão miseráveis. Isso é pior que a morte civil. Existem algumas regras mesmo na lei de inimizade, mas não se parece com isso. A Comissão para a Investigação dos Procedimentos do Estado de Emergência se transformou em um tipo de câmara de gás do palácio [do Presidente Recep Tayyip Erdogan] e do governo do AKP. Eles colocam vocês [pessoas dispensadas] lá”, disse Kaboglu ao Cumhuriyet em uma entrevista exclusiva.

Acrescentando que tem esperado por uma decisão da comissão por oito meses, Kaboglu disse: “Enquanto isso o presidente recomendou aos que foram dispensados por decreto a comerem as folhas das árvores”.

A Turquia suspendeu ou dispensou mais de 150.000 juízes, professores, policiais e funcionários públicos através de decretos do governo emitidos como parte de um estado de emergência que vem ocorrendo, declarado após a tentativa de golpe em 15 de julho de 2016.

Kaboglu, um professor de direito constitucional, também criticou as decisões do 26º e 13º Supremos Tribunais Criminais de Istambul em 11 de janeiro de não acatarem com uma decisão do Tribunal Constitucional para a soltura dos jornalistas presos Sahin Alpay e Mehmet Altan.

“Se eu fosse eles [membros do Tribunal Constitucional]. eu renunciaria e daria entrada em uma queixa criminal”, disse Kaboglu.

A Turquia caiu para o 101º lugar de 113 países no Índice do Estado de Direito 2017-18 do World Justice Project, uma medição abrangente da adesão ao estado de direito.

A União Europeia, em 2 de fevereiro expressou preocupação a respeito dos recentes desenvolvimentos judiciais na Turquia, urgindo Ancara a assegurar o estado de direito. “Melhoras concretas e duradouras na área do estado de direito e liberdades fundamentais permanecem essenciais para os prospectos das relações entre a União Europeia e a Turquia”, disse a UE.

Um total de 62.895 pessoas foram detidas em 2017 como parte de investigações contra o Movimento Gulen, que é baseado na fé, de acordo com relatórios do Ministério do Interior. O Movimento Gulen é acusado pelo governo turco de arquitetar a tentativa de golpe em 15 de julho de 2016. O Movimento nega fortemente qualquer envolvimento.

O ministro do Interior, Suleyman Soylu disse em 5 de janeiro que 48.305 pessoas foram presas apenas em 2017 por ligações com o Movimento.

Soylu disse em 12 de dezembro que 55.665 pessoas foram presas e 234.419 passaportes foram revogados como parte de investigações contra o Movimento desde o golpe fracassado.

Em 16 de novembro, Soylu havia dito que oito propriedades e 1.020 empresas foram confiscadas como parte de operações contra o Movimento.

Fonte: www.turkishminute.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer