Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Erdogan e Trump reafirmam sua oposição ao referendo do Curdistão

Erdogan e Trump reafirmam sua oposição ao referendo do Curdistão
setembro 22
16:42 2017

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan e seu colega americano, Donald Trump, se reuniram nos bastidores da Assembleia Geral da ONU na quinta-feira e reafirmaram a oposição deles ao referendo sobre a independência do Governo Regional do Curdistão (GRC) a ser realizado em 25 de setembro.

De acordo com um press release da Casa Branca na quinta-feira, Erdogan e Trump concordaram em colaborar para assegurarem a estabilidade regional enquanto lutam contra o terrorismo e pediram aos líderes curdos que “aceitassem o processo de intensas negociações em todas as questões pendentes que os Estados Unidos e a Turquia estejam preparados a endorsar e apoiar.”

A Turquia se opõe fortemente à decisão de se realizar o referendo do Curdistão. O Conselho de Segurança Nacional da Turquia (MGK) em uma reunião em 17 de julho afirmou que “a decisão do Curdistão de realizar o referendo não será capaz de ser posta em prática tanto de jure quanto de facto.”

Trump elogiou Erdogan como um amigo que recebe “notas altas” por “governar uma parte muito difícil do mundo” apesar das tensões entre os dois países por causa da conduta de seguranças turcos quanto a manifestantes americanos, informou o Voice of America.

A reunião entre os dois líderes veio pouco depois que guardas de segurança e apoiadores de Erdogan bateram em manifestantes durante a reunião na Cidade de Nova Iorque.

No começo de maio deste ano, a equipe de segurança de Erdogan havia sido flagrada em uma filmagem batendo vigorosamente em manifestantes no lado de fora da residência do embaixador turco em Washington, D.C., durante uma visita oficial aos EUA. Quinze de seus guarda-costas foram indiciados e são procurados pelas autoridades americanas para passarem por julgamento.

Durante um evento organizado pelo Comitê Turco-Americano da Direção (TASC) no hotel Marriott Marquis em Nova Iorque antes da reunião de Erdogan com Trump, guardas de segurança juntamente a membros da audiência bateram em manifestantes que desenrolaram faixas e começaram a gritar: “Terrorista! Terrorista!”

A filmagem do canal de televisão Voice of Amrica mostram membros da audiência batendo agredindo um manifestante conforme seguranças tentavam empurrá-lo para um lugar seguro. Logo depois que ele se foi, um segundo homem fez a mesma coisa e também foi repetidamente sucado e espancado com bandeiras da Turquia na cabeça conforme era levado pela segurança.

Depois que os manifestantes foram tirados para fora, Erdogan disse: “Não vamos dar esta reunião para alguns poucos terroristas impertinente de salão,” enquanto tentava acalmar seus partidários no salão.

Em 2016, partidários e membros do grupo de segurança de Erdogan haviam brigado violentamente com manifestantes e membros da mídia na Brookings Institution em Washington.

E em 2011, oficiais de segurança que acompanhavam Erdogan estiveram envolvidos em uma briga com os funcionários de segurança das Nações Unidas conforme o presidente tentava entrar no salão para ouvir o presidente palestino Mahmoud Abbas falar.

Fonte: www.turkishminute.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer