Últimas notícias
  • CoE insta “fortemente” as autoridades turcas a liberar Demirtaş O Comitê de Ministros do Conselho da Europa adotou na quinta-feira uma resolução provisória "instando fortemente" as autoridades turcas a assegurar a libertação imediata do líder curdo preso Selahattin Demirtaş....
  • A crise monetária da Turquia Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses....
  • Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom....
  • Papa pede por cura em um Chipre dividido, arcebispo ortodoxo ataca a Turquia Papa encontra os líderes cristãos ortodoxos de Chipre. Pede por cura na ilha dividida. Líder cipriota turco convida papa a visitar o norte. Muitos dos participantes da missa são filipinos que trabalham no Chipre...
  • Ministro das finanças da Turquia, Lutfi Elvan, demite-se em meio à crise monetária O Ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, Lutfi Elvan, renunciou em meio a uma forte queda da lira turca, de acordo com um decreto presidencial emitido no jornal oficial turco na quinta-feira....
  • Documentário sobre femicídios na Turquia é a indicação ao Oscar do Reino Unido Um documentário relatando os esforços dos ativistas que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres na Turquia foi escolhido como a entrada oficial do Reino Unido para a categoria de Melhor Longa Metragem Internacional no Oscar....
  • Homem sequestrado pela inteligência turca forçado a testemunhar contra deputados da oposição Segundo Gergerlioğlu, Yasin Ugan foi forçado a testemunhar sob tortura que os dois deputados eram filiados ao movimento Hizmet, um grupo baseado na fé inspirado nos ensinamentos do clérigo turco Fethullah Gülen, que tem sido alvo do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno....
  • 8 morrem em fortes tempestades que assolaram o oeste da Turquia As províncias do oeste da Turquia, incluindo a cidade mais populosa do país, Istambul, foram duramente atingidas por condições climáticas adversas, com oito pessoas morrendo como resultado de acidentes relacionados ao clima em três províncias, noticiou a mídia turca na terça-feira....
  • Autoridades na Turquia investigam avisos de escassez de medicamentos após queda da lira As autoridades turcas estão sondando as discrepâncias entre os registros e os estoques reais de alguns medicamentos, disse o Ministério da Saúde na terça-feira, depois que consumidores, farmácias e chefes de indústria advertiram sobre as interrupções nos fornecimentos devido a uma queda da moeda....
  • “Nosso dinheiro não tem valor”: Aumenta a frustração na Turquia com a crise de Lira A insistência do Presidente Recep Tayyip Erdogan em direcionar a política monetária e manter as taxas de juros baixas está drenando a confiança, dizem os economistas....

Fethullah Gulen: A Turquia que não mais conheço

Fethullah Gulen: A Turquia que não mais conheço
maio 17
14:41 2017

Conforme os presidentes dos Estados Unidos e da Turquia se encontram na Casa Branca na terça-feira, o líder do país que tenho chamado de casa por quase duas décadas fica face à face com o líder de minha terra natal. Os dois países têm muito em jogo, incluindo a luta contra o Estado Islâmico, o futuro da Síria e a crise dos refugiados.

Mas a Turquia que uma vez conheci como um país que inspirava esperança a caminho de consolidar sua democracia e uma forma moderada de secularismo se transformou no domínio de um presidente que está fazendo tudo que pode para acumular poder e subjugar a dissidência.

O Ocidente deve ajudar a Turquia a retornar para um caminho democrático. A reunião de terça-feira, e a cúpula da OTAN na semana que vem, devem ser usadas como uma oportunidade para avançar com esse esforço.

Desde 15 de julho, logo após uma deplorável tentativa de golpe, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan perseguiu sistematicamente pessoas inocentes – prendendo, detendo, demitindo e simplesmente arruinando as vidas de mais de 300.000 cidadãos turcos, fossem eles curdos, alevitas, secularistas, esquerdistas, jornalistas, acadêmicos ou participantes do Hizmet, o pacífico movimento humanitário com que estou associado.

Conforme a tentativa de golpe se desenvolvia, eu a denunciei ferozmente e neguei qualquer envolvimento. Ainda mais, eu disse que qualquer um que participou na tentativa de golpe traiu meus ideais. Mesmo assim, e sem evidências, Erdogan me acusou imediatamente de tê-lo orquestrado a 8.000 quilômetros de distância.

No dia seguinte, o governo produziu listas de milhares de indivíduos que ligaram ao Hizmet – por abrirem uma conta bancária, ensinar em uma escola ou fazer reportagens para um jornal – e tratou esse tipo de afiliação como um crime e começou a destruir suas vidas. As listas incluíam pessoas que estavam mortas há meses e pessoas que estavam servindo na sede europeia da OTAN na época. Observadores internacionais relataram vários sequestros, além de tortura e mortes durante a detenção. O governo perseguiu pessoas inocentes fora da Turquia, fazendo pressão sobre a Malásia, por exemplo, para que deportassem três simpatizantes do Hizmet na semana passada, incluindo um diretor escolar que vivia lá por mais de uma década, para encarar prisão certa e provável tortura.

Em abril, o presidente teve uma estreita vitória em um referendo – entre alegações de fraude séria – para formar uma “presidência executiva” sem pesos e contra pesos, permitindo-lhe controlar todas as três divisões do governo. Com certeza, através de expurgos e corrupção, muito desse poder já estava em suas mãos. Temo pelo povo turco conforme entram nesse novo estágio de autoritarismo.

As coisas não começaram dessa forma. O governante Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP) veio ao poder em 2002 prometendo reformas democráticas na busca da filiação à União Europeia. Mas conforme o tempo prosseguia, Erdogan se tornou cada vez mais intolerante à dissidência. Ele facilitou a transferência de muitos veículos de mídia para seus capangas através de agências regulatórias governamentais. Em junho de 2013, ele esmagou os manifestantes do Parque Gezi. Em dezembro daquele ano, quando membros de seu gabinete foram envolvidos em uma enorme investigação de corrupção, ele respondeu subjugando o judiciário e a mídia. O estado de emergência “temporário” declarado depois do último 15 de julho ainda está em vigor. De acordo com a Anistia Internacional, um terço de todos os jornalistas presos no mundo está em prisões turcas.

A perseguição de Erdogan ao seu povo não é apenas uma questão doméstica. A perseguição da sociedade civil, jornalistas, acadêmicos e curdos na Turquia está ameaçando a estabilidade de longo prazo do país. A população turca já está fortemente polarizada no regime do AKP. Uma Turquia sob um regime ditatorial, fornecendo refúgio a radicais violentos e empurrando seus cidadãos curdos para o desespero, seria um pesadelo para a segurança no Oriente Médio.

O povo da Turquia precisa do apoio de seus aliados europeus e dos Estados Unidos para restaurar sua democracia. A Turquia iniciou eleições multipartidárias verdadeiras em 1950 para se juntar à OTAN. Como requisito da sua adesão, a OTAN pode e deve exigir que a Turquia honre o seu compromisso com as normas democráticas da aliança.

Duas medidas são fundamentais para reverter a regressão democrática na Turquia.

Primeiro, uma nova constituição civil deve ser elaborada através de um processo democrático envolvendo a opinião de todos os segmentos da sociedade e que está em pé de igualdade com as normas jurídicas e humanitárias internacionais e tirando lições do sucesso das democracias de longos anos no Ocidente.

Em segundo lugar, deve ser desenvolvido um currículo escolar que enfatize valores democráticos e pluralistas e estimule o pensamento crítico. Cada estudante deve aprender a importância de equilibrar os poderes do Estado com os direitos individuais, da separação de poderes, da independência judicial e da liberdade de imprensa, e os perigos do nacionalismo extremo, da politização da religião e da veneração do Estado ou de qualquer líder.

Antes de qualquer uma dessas coisas possa acontecer, no entanto, o governo turco deve parar com a repressão de seu povo e corrigir os direitos dos indivíduos que foram injustiçados por Erdogan sem o devido processo.

Provavelmente não viverei para ver a Turquia se tornar uma democracia exemplar, mas oro para que a derrapada autoritária possa ser interrompida antes que seja tarde demais.

Por Fethullah Gulen, erudito islâmico, pregador e porta-voz social. Em Saylorsburg, Pensilvânia, Estados Unidos.

Fonte: www.washingtonpost.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer