Últimas notícias
  • Elogiar o movimento Hizmet antes da tentativa de golpe de 2016 não é crime, diz o TEDH O Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) penalizou na Turquia por violar o direito à liberdade de expressão de um ex-professor, afirmando que os comentários públicos a favor do movimento Hizmet feitos antes de uma tentativa de golpe em julho de 2016 não constituem um crime, informou a mídia local na terça-feira....
  • Perguntas de coletiva de imprensa para Erdoğan vazadas com antecedência por jornal O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan recebeu uma lista de perguntas em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, que foram exatamente as mesmas perguntas vazadas anteriormente por um jornal, reforçando as alegações de que os jornalistas não são livres para perguntar ao presidente o que quiserem....
  • Conselho da Europa deve disciplinar a Turquia sobre ativista preso O Conselho da Europa disse na sexta-feira que vai lançar uma ação disciplinar contra a Turquia por se recusar a libertar o proeminente ativista e filantropo Osman Kavala, desencadeando um procedimento usado apenas uma vez na história da organização....
  • Por que a queda da moeda turca não preocupa Erdogan A moeda nacional da Turquia caiu 45% em relação ao dólar este ano e, no entanto, o Presidente Recep Tayyip Erdogan não parece ter se incomodado com isso....
  • CoE insta “fortemente” as autoridades turcas a liberar Demirtaş O Comitê de Ministros do Conselho da Europa adotou na quinta-feira uma resolução provisória "instando fortemente" as autoridades turcas a assegurar a libertação imediata do líder curdo preso Selahattin Demirtaş....
  • A crise monetária da Turquia Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses....
  • Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom....
  • Papa pede por cura em um Chipre dividido, arcebispo ortodoxo ataca a Turquia Papa encontra os líderes cristãos ortodoxos de Chipre. Pede por cura na ilha dividida. Líder cipriota turco convida papa a visitar o norte. Muitos dos participantes da missa são filipinos que trabalham no Chipre...
  • Ministro das finanças da Turquia, Lutfi Elvan, demite-se em meio à crise monetária O Ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, Lutfi Elvan, renunciou em meio a uma forte queda da lira turca, de acordo com um decreto presidencial emitido no jornal oficial turco na quinta-feira....
  • Documentário sobre femicídios na Turquia é a indicação ao Oscar do Reino Unido Um documentário relatando os esforços dos ativistas que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres na Turquia foi escolhido como a entrada oficial do Reino Unido para a categoria de Melhor Longa Metragem Internacional no Oscar....

Acordo entre Rússia, Turquia e Irã sobre zonas de segurança na Síria

Acordo entre Rússia, Turquia e Irã sobre zonas de segurança na Síria
maio 05
16:20 2017

Rússia e Irã, aliados do regime sírio, e a Turquia, que apoia os rebeldes, assinaram nesta quinta-feira um memorando sobre a instalação de zonas de segurança, chamadas de “zonas de desescalada”, na Síria, destinadas a fazer cessar os combates neste país em guerra.

Os chefes das delegações dos três países, avalistas dos porta-vozes da paz em Astana, no Cazaquistão, firmaram o documento “sobre a criação de zonas de distensão na Síria”, declarou o ministro cazaque das Relações Exteriores, Kairat Abdrajmanov, ao fim destas negociações.

De acordo com o texto do acordo, do qual a AFP consultou uma cópia, os três países avalistas terão que definir agora, antes de 4 de junho, os limites destas zonas.

Sua validade será de seis meses com possibilidade de prorrogação, afirmou o enviado especial do presidente russo, Vladimir Putin, à Síria, Alexandre Lavrentiev.

“Estamos contemplando a possibilidade de que não tenham limite de tempo”, acrescentou Lavrentiev, que considerou que este acordo “abrirá o caminho para a preservação da unidade da Síria”.

Um grupo de trabalho formado por representantes dos três países avalistas deverá ser constituído antes de duas semanas.

O enviado da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, que também estava em Astana, qualificou esta quinta-feira de “dia importante”.

Os emissários do regime de Damasco e os rebeldes presentes na capital cazaque não subscreveram, no entanto, o acordo.

Um dos membros da delegação rebelde levantou a voz, inclusive, para protestar contra a assinatura do documento pelo Irã, país que apoia o presidente sírio, Bashar al Assad. O indivíduo acabou deixando a sala, segundo uma jornalista da AFP presente no local.

“Não participamos deste acordo, é um acordo entre esses três países. Obviamente, não aceitamos que o Irã (…) seja avalista desse pacto”, denunciou Usama Abu Zeid, porta-voz da delegação rebelde.

‘Pacificação’

Os Estados Unidos, país observador em Astana, saudou com grande prudência este acordo e declarou em um comunicado “apoiar todo esforço que possa verdadeiramente reduzir a violência na Síria”.

“Estamos preocupados (…) com a implicação do Irã como pretenso avalista (já que suas) ações na Síria não fizeram mais que alimentar a violência”, comentou a nova porta-voz do departamento de Estado, Heather Nauert.

O plano russo veio à tona na terça-feira durante uma conversa telefônica entre o presidente russo e seu contraparte americano, Donald Trump.

O plano prevê “zonas de segurança”, também chamadas “de distensão”, um termo difuso que pode se aproximar da ideia de uma zona tampão, sem que isto implique, no entanto, uma mobilização maciça de soldados para assegurar o cessar-fogo.

Segundo o texto, as “zonas de distensão” serão criadas no conjunto da província de Idlib (noroeste), nas zonas delimitadas no centro pelas províncias de Latakia, Aleppo, Hama, Homs e de Damasco com Guta oriental, assim como nas zonas delimitadas pelas regiões de Daraa e Quneitra.

A primeira versão deste projeto, consultado em árabe pela AFP, previa a criação de quatro zonas unicamente.

‘Novo conceito’

Segundo esta versão, “as zonas de segurança” serão formadas arredor das “zonas de distensão” com postos de controle e centros de supervisão, controlados conjuntamente pelas “forças dos países avalistas sob a base do consenso”.

Os territórios abrangidos serão zonas de exclusão aérea “com a condição de que não haja nenhuma atividade militar nas zonas”, segundo Putin.

Este plano favorecerá “o diálogo político entre os beligerantes”, explicou Putin na quarta-feira. Além disso, afirmou que “este consenso político deve conduzir, no fim das contas, a um restabelecimento completo da integridade territorial do país”.

A luta contra as “organizações terroristas”, tais como o grupo Estado Islâmico e a Frente Fateh al-Cham, antigo braço da Al-Qaeda na Síria, será mantida apesar da constituição destas zonas.

Erdogan avaliou nesta quinta-feira que este “novo conceito” permitirá resolver o conflito sírio em “50%”, uma guerra que deixou mais de 320.000 mortos e um milhão de deslocados desde março de 2011.

AFP /Agence France-Presse

Fonte: http://www.em.com.br

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer