Últimas notícias

Turquia deve revogar a cidadania de críticos fora do país com os últimos decretos

Turquia deve revogar a cidadania de críticos fora do país com os últimos decretos
Janeiro 07
12:21 2017

O governo turco será capaz de revogar a cidadania de críticos que fugiram para fora do país com os últimos decretos emitidos na noite de sexta-feira.

Os novos decretos numerados 679, 680 e 681 autorizam o gabinete turco a revogar a cidadania de pessoas sob investigação mas que permanecem fora do país se eles não responderem ao chamado das autoridades para retornarem dentro de três meses.

De acordo com o decreto do governo de número 680, os que estão enfrentando uma investigação administrativa ou judicial ou processo por acusações de “crimes contra o governo”, “rebelião armada contra o governo”, “ataque armado ou assassinato do presidente” e “filiação a organizações terroristas armadas” serão convocados pelos promotores para testemunharem. Se eles não forem contatados e entendido que estejam fora do país, o promotor público encaminhará o caso ao Ministro da Justiça dentro de um mês.

Então, o Ministro da Justiça emitirá um chamado de “retorno” na gazeta oficial para os que estiverem no exterior. Se eles não responderem ao chamado dentro de 3 meses, a cidadania deles será revogada por uma decisão do gabinete sob a proposta do Ministério da Justiça.

Milhares de pessoas, críticas ao governo ou simpatizantes do movimento Gulen, que é baseado na fé, fugiram da Turquia logo após a tentativa fracassada de golpe em 15 de julho na Turquia, imediatamente depois que o governante Partido da Justiça e do desenvolvimento (AKP) e o Presidente Recep Tayyip Erdogan colocaram a culpa no movimento Gulen, um movimento da sociedade civil global inspirado nas ideias e opiniões de Fethullah Gulen, erudito turco radicado nos EUA.

O governo do AKP, sob estado de emergência, tomou sobre seu controle milhares de empresas, confiscou os bens de empresários e fechou instituições ligadas ao movimento.

Apesar do fato de Gulen ter negado a acusação e ter clamado por uma investigação internacional sobre a tentativa de golpe, o Presidente Erdogan – chamando a tentativa de golpe de “um presente de Deus” – juntamente ao governo turco, lançou um amplo expurgo com o objetivo de limpar os simpatizantes do movimento de dentro das instituições estatais, desumanizando suas figuras populares e as colocando sob custódia.

Enquanto que 115.000 foram dispensados das instituições estatais, quase 83.000 foram detidos e mais de 41.000 presos pelas autoridades turcas sob acusações de ligação com o movimento Gulen e com a tentativa fracassada de golpe.

Fonte: www.turkishminute.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Mailer