Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

A Liberdade de Imprensa Ameaçada na Turquia

A Liberdade de Imprensa Ameaçada na Turquia
novembro 12
09:57 2016

O panorama político da Turquia foi sacudido em 15 de julho de 2016, após uma tentativa de Golpe de Estado desencadeada por militares. Na ocasião, o Presidente Recep Tayyip Erdoğan acusou o clérigo e humanista Fethullah Gülen de estar por detrás de uma trama organizada pela oposição, para destituí-lo do cargo. No entanto, desde 2013, Erdoğan vem aplicando cada vez mais medidas repressivas contra aqueles que são contrários ao seu Governo e, sobretudo, contra a imprensa livre. Em março de 2016, o jornal Zaman, o maior jornal da Turquia, ligado ao Hizmet (Serviço), ou Movimento Gülen, caiu em mãos de interventores estatais. Quatro meses depois, o Golpe falhado serviu de álibi ao Presidente turco, que colocou em prática o seu programa para controlar a imprensa. Atualmente, na Turquia, já foram fechados 170 jornais, revistas e canais de televisão. Esta situação provocou a perda do emprego de 2.500 jornalistas sendo que, nos últimos meses, 200 foram presos e 125 permanecem detidos. Trabalhar como jornalista, na Turquia, tornou-se uma aventura perigosa, um risco para aqueles que tentam exercer a profissão com base no critério da verdade dos fatos. A situação tomou uma proporção tão grave que a ONG Repórteres Sem Fronteiras classificou Erdoğan de “predador da liberdade de imprensa”.

Nos últimos dias, o Governo tem acirrado o controle sobre a imprensa. Recentemente, Murat Sabuncu, Editor-Chefe do jornal Cumhuriyet, e o colunista Guray Oz foram presos. Em início de 2016, Can Dündar, outro Editor-Chefe do mesmo jornal, que hoje vive na Alemanha, foi condenado a cinco anos de prisão em decorrência de uma reportagem na qual tornou públicas informações que confirmam o envio de armas turcas para grupos insurgentes na Síria. Ele e Erdem Gül, Editor de Redação em Ancara, foram acusados de “espionagem” e de “divulgação de segredos de Estado”. O Presidente turco nega providenciar qualquer apoio aos grupos extremistas. Porém, não é desconhecido, por exemplo, o fato de que a Turquia tem se beneficiado há bastante tempo da compra de petróleo abaixo do preço de mercado através de relações comerciais estabelecidas com o Estado Islâmico. Paralelamente às perseguições sofridas pelos profissionais da comunicação social há relatórios que comprovam a violação dos Direitos Humanos, estupros e torturas nas prisões turcas. Segundo a Anistia Internacional, há provas de torturas sofridas por aqueles que foram presos na sequência do Golpe de Estado de julho deste ano. Outra questão que chama a atenção é o desejo por parte do Governo de restabelecer a pena de morte, que foi extinta no país em 2004.

As autoridades turcas têm promovido, também, a higienização da máquina pública a partir de despedimentos de funcionários considerados inadequados à atual administração do país. Desde o Golpe de Estado frustrado, mais de 10.000 funcionários públicos já foram demitidos. O processo de engessamento de imprensa e da liberdade de expressão, na Turquia, contribui para a intensificação da violação dos Direitos Humanos e Civis. Com as liberdades democráticas cada vez mais restritas, e com o silêncio da comunidade internacional, o país segue os passos para uma possível consolidação da divisão política e social, na qual a imprensa independente estará à mercê de múltiplos caprichos do poder vigente.

Marli Barros Dias

——————–

Imagem:

Fethullah Gülen, cidadão turco, muçulmano, escritor, poeta, líder de opinião, ativista educacional e defensor da paz tem sido acusado, por Recep Tayyip Erdoğan e o Governo da Turquia, sem provas consistentes, de ser o mentor do Golpe de Estado de julho de 2016.

(Fonte):

http://gulenmovement.ca/wp-content/uploads/2014/02/fethullah-gulen-60.jpg

——————–

Publicado em: http://www.jornal.ceiri.com.br/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer