Últimas notícias

Na Turquia Erdogan repete a mentalidade de Hitler, Stalin e Khomeini

Na Turquia Erdogan repete a mentalidade de Hitler, Stalin e Khomeini
outubro 06
09:11 2016
Há algo profundamente perturbador sobre o destino da Turquia, dados por Recep Tayyip Erdogan e seu Partido Justiça e Desenvolvimento. Na semana passada John Lyons escreveu neste jornal, comparando os expurgos radicais ocorridos na Turquia com o macarthismo nos EUA na década de 1950. Uma analogia totalmente equivocada.A arbitrariedade e a escalada do que está acontecendo na Turquia se assemelham mais ao estado de emergência decretado Adolf Hitler, após o incêndio do Reichstag em 1933, ou a reação de Joseph Stalin no assassinato de Sergei Kirov, em 1934. Ou ainda aos fatos da revolução islâmica do Irã entre 1979-1981.
Estes fatos são muito mais terríveis perturbadores do que o que aconteceu nos EUA na década de 50
Na sequência da tentativa de golpe que fracassou em poucas horas e cuja origem permanece um mistério, o regime de Erdogan começou a prender e demitir dezenas de milhares de pessoas: oficiais militares, soldados, policiais, professores, acadêmicos, juízes e funcionários públicos. A velocidade da reação na escala deste tipo de violência foi de tirar o fôlego, mesmo não havendo provas de cumplicidade no envolvimento do golpe fracassado. Eles podem ter tido listas de nomes já preparados, como base daqueles considerados politicamente e ideologicamente contrário ao regime de Erdogan. Simples oposição não é crime e de forma alguma indica traição ou conspiração.A retórica do regime de Erdogan é surpreendente. A chamada para a reintrodução da pena de morte é arrepiante. A insistência, sem a prestação de qualquer prova credível, que o golpe foi uma conspiração orquestrada por um exilado, que atualmente vive nos EUA , o Sufi clérigo Fethullah Gulen e a declaração dada pelo regime de Erdogan, com o estado de emergência por três meses, as medidas extra-legais para manutenção ou melhor ” limpeza ” do aparelho de estado e as forças armadas, dos supostos inimigos, são todas indicações preocupantes de que a agenda de Erdogan não é da restauração pela democracia, mas a instalação de uma ditadura islâmica. Aqui é o lugar onde se dá a analogia com o Irã sob o mandato do aiatolá Ruhollah Khomeini.

O incêndio do Reichstag em 27 de Fevereiro de 1933, foi explorado por Hitler para declarar um estado de emergência na Alemanha, que basicamente, aboliu o Estado de direito. A ocorrência mais clara é a de Ian Kershaw, escrita no primeiro volume de sua magistral biografia sobre Hitler (1998). Como ele observa: o incêndio não era em si uma conspiração contra os nazista, mas veio como uma boa surpresa. Joseph Goebbels, quando foi informado, pensou que o relatório sobre conspiração fosse uma piada de mau gosto. Porem Hitler havia decidido pensar como uma acho do levante comunista. O efeito das selvagens alegações foram rapidamente feitas, mas nenhuma evidência e fato foi produzido. Tenham isso em mente quando houver a leitura de acusações contra os Gulenists.

Hitler, impulsionado por suas fobias vingativas, em vez de provas, declarou aos seus colegas mais próximos: “Este é um sinal dado por Deus … Se este incêndio é, como eu acredito, trabalho dos comunistas, então devemos esmagar esta praga assassina com punho de ferro! ” Se Erdogan tinha consciência ou não que estava imitando Hitler, quase de imediato, ele declarou que a tentativa de golpe foi um” presente dado por Deus ” Uma chance para esmagar a oposição.

Erdogan fala para tentar exatamente isso. Se ele, como ameaçou, reintroduzir a pena de morte, devemos observar muito de perto quem será morto.

Dado que Erdogan tem declarando que a democracia é apenas como um trem, você usa e quando chega a seu destino o abandona. O que estamos vendo é a aparência distinta como um desembarque.

Stalin fez algo semelhante em 1934-35, no prelúdio para o Grande Terror de 1936-1938, em que, de acordo com os registros da KGB, cerca de 750.000 pessoas foram amontoadas e executadas nos Gulags.

No caso de Stalin, o alvo foi uma ampla gama de opositores políticos em Leningrado, por todo o país eles foram rotulados como “elementos da Guarda Branca” e “contra-revolucionários”. Ele usou o mesmo pretexto para prender muitos dos seus adversários, mesmo os membros do partido bolchevique. Mais uma vez, a analogia é impressionante.

Talvez o melhor relato do assassinato de Kirov e as suas consequências está em Stalin de Oleg Khlevniuk: Uma nova biografia do ditador, publicado no ano passado e com base em acessos, sem precedentes aos arquivos soviéticos. O que ele deixa claro é que, ao contrário das várias teorias de conspiração que sobreviveram por décadas, Stalin não providenciou o assassinato de Kirov, mas explorou ao acusar seus rivais políticos (e ex-aliados) Grigory Zinoviev e Lev Kamenev, de planejar o assassinato. Eles foram condenados com base em evidências “descaradamente fabricadas”. Como as coisas andam, há sinais preocupantes de que este é o jogo que Erdogan está jogando.

Erdogan se tornou um problema grave e brevemente poderá se tornar muito pior. Rejeitado pela UE, tomou sua posição sob a bandeira do Islã radical e declarou: “O mundo existe em outro lugar”
Ele se tornou uma figura “Putin-like “e sua Turquia agora é um membro da NATO altamente confiável, um perigo iminente para os seus pequenos vizinhos europeus do mediterrâneo (Chipre, por exemplo) e mais um caso de implosão na ordem no Oriente Médio. Quais quer que sejam nossas simpatias ou percepções em relação aos assuntos internos da Turquia, estas preocupações geopolíticas deve ser pensadas de forma rápida e realista para que as coisas de fato, sejam desvendadas de uma forma séria.

Em maio do ano passado, Erdogan fez um discurso público para uma multidão em Istambul, no 562 aniversário da conquista otomana de Constantinopla, em 1453. Ele não fala apenas da conquista
– que ninguém no Ocidente deveria celebrar – mas menciona também as conquistas muçulmanas como um todo, desde as primeiras invasões até as pequenas guerras por Mohammed. A multidão gritou sua aprovação: “Aqui esta o exército! Aqui esta o comandante! ”

Erdogan tem uma forte base de apoio na Turquia, como Hitler teve na Alemanha. Nem suas intenções nem sua razoabilidade podem ser confiáveis. Pela primeira vez, desde o caso de assassinato dos gregos, na década de 20 , a Turquia de Erdogan tornou-se um problema para a Europa. Agora tudo vai depender de como esse problema será tratado, diplomática e estrategicamente.

por Paul Monk em 27 de Julho de 2016.

Artigos relacionados

1 Comentário

  1. Alexandre Sousa
    Alexandre Sousa junho 20, 04:17

    Parece o governo de Hitler que aproveitou de uma brecha para colocar sua ditadura. Logo saberemos do que ele é capaz. De cara parece que quer anexar territorios da Grecia, principalmente as ilhas gregas, ainda diz que tem uma minoria turca no nordeste da Grecia, tipo os sudetos tchecos que levaram Hitler á invadir e anexar todo o pais. ATé falou da Crimeia e isso é comprar briga com a Russia. Logo saberemos o quão louco ele é.

    Responda a esse comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer