Últimas notícias
  • Elogiar o movimento Hizmet antes da tentativa de golpe de 2016 não é crime, diz o TEDH O Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) penalizou na Turquia por violar o direito à liberdade de expressão de um ex-professor, afirmando que os comentários públicos a favor do movimento Hizmet feitos antes de uma tentativa de golpe em julho de 2016 não constituem um crime, informou a mídia local na terça-feira....
  • Perguntas de coletiva de imprensa para Erdoğan vazadas com antecedência por jornal O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan recebeu uma lista de perguntas em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, que foram exatamente as mesmas perguntas vazadas anteriormente por um jornal, reforçando as alegações de que os jornalistas não são livres para perguntar ao presidente o que quiserem....
  • Conselho da Europa deve disciplinar a Turquia sobre ativista preso O Conselho da Europa disse na sexta-feira que vai lançar uma ação disciplinar contra a Turquia por se recusar a libertar o proeminente ativista e filantropo Osman Kavala, desencadeando um procedimento usado apenas uma vez na história da organização....
  • Por que a queda da moeda turca não preocupa Erdogan A moeda nacional da Turquia caiu 45% em relação ao dólar este ano e, no entanto, o Presidente Recep Tayyip Erdogan não parece ter se incomodado com isso....
  • CoE insta “fortemente” as autoridades turcas a liberar Demirtaş O Comitê de Ministros do Conselho da Europa adotou na quinta-feira uma resolução provisória "instando fortemente" as autoridades turcas a assegurar a libertação imediata do líder curdo preso Selahattin Demirtaş....
  • A crise monetária da Turquia Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses....
  • Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom....
  • Papa pede por cura em um Chipre dividido, arcebispo ortodoxo ataca a Turquia Papa encontra os líderes cristãos ortodoxos de Chipre. Pede por cura na ilha dividida. Líder cipriota turco convida papa a visitar o norte. Muitos dos participantes da missa são filipinos que trabalham no Chipre...
  • Ministro das finanças da Turquia, Lutfi Elvan, demite-se em meio à crise monetária O Ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, Lutfi Elvan, renunciou em meio a uma forte queda da lira turca, de acordo com um decreto presidencial emitido no jornal oficial turco na quinta-feira....
  • Documentário sobre femicídios na Turquia é a indicação ao Oscar do Reino Unido Um documentário relatando os esforços dos ativistas que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres na Turquia foi escolhido como a entrada oficial do Reino Unido para a categoria de Melhor Longa Metragem Internacional no Oscar....

Erdogan defende linha dura contra curdos

Erdogan defende linha dura contra curdos
abril 01
10:49 2016

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, foi finalmente recebido na quinta-feira por seu colega americano, Barack Obama, em Washington, durante uma visita repleta de tensões envolvendo a Síria e a questão curda, que provocou cenas de violência entre sua escolta e a imprensa, por defender uma linha dura contra os curdos.

A Casa Branca anunciou que o presidente Obama havia se reunido na noite de quinta-feira com Erdogan à margem da cúpula sobre segurança nuclear, uma reunião que não estava programada, o que foi considerado uma afronta ao presidente turco num momento em que Washington e Ancara divergem sobre a crise síria e o tema dos direitos humanos na Turquia, em particular pela liberdade de imprensa.

Segundo um comunicado da Casa Branca, Obama e Erdogan conversaram sobre “a cooperação entre Estados Unidos e Turquia em matéria de segurança regional, contraterrorismo e migrações”.

O discurso de Erdogan mais cedo no centro de reflexão Brookings em Washington foi precedido por confrontos entre os serviços de segurança turcos e jornalistas e manifestantes – alguns dos quais carregavam cartazes a favor dos combatentes curdos sírios – que trocaram socos e insultos antes da intervenção da polícia.

Um integrante da escolta do presidente turco agrediu um jornalista americano que tentava filmar os incidentes. Outro chamou uma cientista política de “puta do PKK”, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, proibido por Ancara. E outros tentaram impedir que dois jornalistas turcos entrassem no edifício da Brookings Institution, mas membros da fundação conseguiram fazer com que ingressassem no local após um tenso embate com os funcionários turcos.

Fora do edifício, militantes pró-curdos gritavam “Erdogan fascista!” e “Erdogan, assassino de crianças!”.

O Clube Nacional da Imprensa americana, uma grande organização de jornalistas, protestou vivamente pelos incidentes. “O presidente turco e sua equipe de segurança são convidados dos Estados Unidos”, declarou Thomas Burr, presidente da organização em um comunicado. “Não têm o direito de agredir jornalistas e manifestantes”, afirmou.

“Erdogan não pode exportar” as violações de direitos humanos e de expressão que ocorrem na Turquia, acrescentou.

Imperturbável após estes confrontos, o presidente turco defendeu em um discurso muito firme as ações de seu governo contra meios de comunicação turcos, apesar das críticas internacionais, e sua luta contra o separatismo curdo, após um novo atentado.

Em referência ao caso de 52 “autoproclamados jornalistas detidos”, afirmou que estas pessoas “já haviam sido condenadas por atos terroristas e (por) terem estado envolvidas em organizações terroristas”.

“Não há nas prisões turcas jornalistas condenados por (exercer) sua profissão”. Seu direito de expressão também não foi violado, afirmou.

Por outro lado, Erdogan convocou a comunidade internacional a apoiar a política de seu governo contra os separatistas curdos após um atentado com carro-bomba que deixou sete policiais turcos mortos na quinta-feira em Diyarbakir, a maior cidade do sudeste do país de maioria curda, um ataque atribuído a separatistas curdos.

“Não podemos tolerar isso”, disse Erdogan. “Espero que os países europeus e os demais países vejam o autêntico rosto (do terrorismo) por trás destes atentados”, declarou.

Erdogan estimou que o mundo inteiro deveria se reunir para combater o terrorismo, e disse que os terroristas curdos são tão perigosos quanto os combatentes do grupo Estado Islâmico.

A coalizão internacional contra o EI, liderada pelos Estados Unidos na Síria, apoia as Unidades de Proteção do Povo (YPG) – braço armado do principal partido curdo na Síria, o Partido da União Democrática (PYD) – em sua luta contra a organização jihadista.

Mas a Turquia considera que as YPG são aliadas do PKK. O Ocidente não deve considerar que há “terroristas bons” porque combatem os jihadistas do EI, declarou Erdogan.

Fonte: http://www.istoedinheiro.com.br/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer