Últimas notícias

“A politização do islamismo é sempre perigosa”

“A politização do islamismo é sempre perigosa”
Março 10
15:38 2016

Todos os elementos de um período pré-genocida estão reunidos na Turquia nos dias atuais, afirmou à Lusa um dos porta-vozes do movimento Hizmet (serviço), do clérigo Fethullah Gülen, opositor do Presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

Alp Aslandogan, um dos porta-vozes de Gülen – fundador do Hizmet, movimento humanista de orientação islâmica auto-exilado desde 1999 no estado norte-americano da Pensilvânia – citou o medo de realizar atividades coletivas, o controlo dos media e uso do poder do governo para intimidar a população.

“Hoje as liberdades civis estão totalmente ameaçadas. De forma repentina, o governo foi no sentido contrário dos padrões democráticos. As pessoas já não podem nada coletivamente, há vigilância e intimidação. Se alguém for visto com um diário da oposição nas mãos, pode ser atacado e espancado”, disse.

Fethullah Gülen, septuagenário, defende o diálogo inter-religioso, a liberdade de imprensa, de expressão e valores universais, mas é acusado pelo governo de Erdogan de administrar um Estado paralelo e de conspiração política.

Ex-aliado de Erdogan o clérigo tornou-se o seu principal rival. O presidente turco acusa Gülen de agir como “um Estado dentro do Estado” e tentar desestabilizar o governo do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP) através dos seus simpatizantes no poder judicial, na polícia e outras instituições.

Para Aslandogan, tudo mudou a partir da terceira eleição de Erdogan como primeiro-ministro em 2011. Em agosto de 2014 foi eleito como Presidente da Turquia.

“Da democracia para o autoritarismo crescente, Erdogan começou a promover a ideia de uma presidência executiva que lhe garantiria imensos poderes e sem prestação de contas. Gülen não apoiou mais”, reforçou.

Interrogado sobre como Fethullah Gülen descreveria a atual administração do presidente turco, o assessor e porta-voz, diz que estaria a meio de caminho entre o autoritarismo e uma ditadura aberta.

“A politização do islamismo é sempre perigosa. O uso da religião para propósitos políticos será sempre prejudicial. A religião serve para os indivíduos se tornarem virtuosos e, juntos em sociedade, expressarem os seus valores e virtudes para se viver numa sociedade mais livre, justa e democrática”, defendeu Aslandogan.

O uso do islamismo como uma ideologia política para criar um regime e capturar o poder “é o que distingue fundamentalmente o pensamento do atual presidente turco dos pensamentos de Gulen”, diz o porta-voz.

Para Aslandogan, tudo dependerá do “grau de maturidade” da sociedade turca e o quanto tolerará atitudes autoritárias do governo.

“Estamos decepcionados, esperávamos uma maior reação pública de oposição a esta situação. Chegará um ponto em que não haverá mais silêncio” conclui.

Fabiola Ortiz dos Santos
Nova Iorque, Estados Unidos
Publicado na Agência Lusa em 01/12/2015
Número de Documento: 20047446

Fonte: www.brasilturquia.com.br

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Mailer